10 coisas que aprendi ao tentar conceber

10 coisas que aprendi ao tentar conceber

Ainda me lembro do momento em que decidi que queria ser mãe. Eu tinha 5 anos e minha prima acabara de dar à luz seu primeiro filho.

Quando o segurei pela primeira vez, me apaixonei e me lembro de pensar: “Quero um desses”.

Avan√ßo r√°pido para tr√™s anos atr√°s, quase 24 anos depois, e eu ainda ‚Äúqueria um desses‚ÄĚ. O problema √© que eu ainda precisava transformar meu sonho de maternidade em realidade.

Meu marido e eu temos problemas com a infertilidade. Não é algo que as pessoas normalmente se sintam à vontade para discutir.

Mas no final de abril, durante a Semana Nacional de Conscientização sobre Infertilidade, pessoas como eu estão falando sobre suas lutas de fertilidade para criar apoio e esperança para futuras mamães e papais, cujo caminho é mais longo e pedregoso.

Embora tenha alcançado meu objetivo final de maternidade há quase dois anos, aprendi muito nos anos anteriores ao nascimento do meu filho. Aqui estão as 10 principais coisas que aprendi ao tentar conceber.

  1. Agendar sexo √© uma coisa. “Fa√ßa sexo todos os dias durante sua janela f√©rtil”, diz o m√©dico. E se voc√™ n√£o estiver com disposi√ß√£o? N√£o importa. Voc√™ tem que fazer a a√ß√£o, se voc√™ quer fazer um beb√™.
  2. O esperma, quando transferido para um frasco, deve permanecer na temperatura corporal. Meu marido e eu fizemos tr√™s rodadas de IUI (tamb√©m conhecida como insemina√ß√£o intra-uterina). Ele deixa sua “amostra” no escrit√≥rio do especialista em fertilidade e eu tenho que recuper√°-lo para lev√°-lo ao escrit√≥rio do meu ginecologista / obstetra. A primeira vez que fiz isso e a enfermeira me disse para enfi√°-lo no meu suti√£, eu ri. Como voc√™ n√£o pode? Ei, durante esse processo, voc√™ precisa encontrar coisas para rir.
  3. Muitas pessoas veem sua vagina. Mais pessoas viram minha metade inferior em um ano do que em toda a minha vida. De ultrassonografia vaginal a lavagem das trompas de falópio até a realização de IUI, um desfile de rostos de pessoas esteve entre as minhas pernas e não, não foi agradável.
  4. Eu tenho um √ļtero bonito. Depois de um desses muitos ultrassons, tenho orgulho de dizer que o m√©dico me disse que tenho um “√ļtero bonito”, um √ļtero saud√°vel e que est√° ansioso para ir sempre que as estrelas se alinham. Aposto que √© ainda mais bonito do que o da foto acima, que foi um presente da ador√°vel editora-chefe da Metro Parent, Julia Elliott.
  5. Mudanças de humor ao máximo. Eu sinto todos os tipos de sentimentos. Quando atingimos a marca de um ano e meio, comecei a enlouquecer. Em um dia, eu estava com raiva, triste, esperançosa e triste novamente. Não era incomum eu chorar quando pensava ou falava sobre ter um bebê.
  6. A m√≠dia social causou depress√£o. Mostramos nossos melhores momentos no Facebook e Instagram e quase diariamente eu via um an√ļncio de gravidez ou uma foto de um rec√©m-nascido. Enquanto eu estava incrivelmente empolgado com todas essas pessoas, n√£o pude deixar de sentir uma pontada de tristeza toda vez que navegava pelo feed de not√≠cias. Pensei em desativar minhas contas, mas h√° um peda√ßo de mim que n√£o estava pronto para isso, ent√£o continuei o ciclo de tristeza.
  7. O som do riso de uma crian√ßa me fez querer chorar. √Č o som mais doce do mundo, mas me cortou completamente. Eu me perguntava como seria a risada do meu filho algum dia e isso me fez desejar o momento em que eu conseguiria ouvi-lo rir.
  8. Meu coração se partia um pouco mais a cada mês. Os períodos são péssimos, mas quando você pensa no fato de que mais um ovo foi desperdiçado, os períodos são ainda mais difíceis. As pessoas me disseram que estou um passo mais perto do bebê, mas a cada mês que passava, eu sentia que a maternidade estava se afastando. Então, todo mês em que começava, chorava sozinha no banheiro e passava alguns dias deprimido até que um bom amigo meu me ajudasse a me afastar.
  9. Eu tenho o melhor sistema de suporte. Esse amigo que mencionei acima é um dos poucos que realmente me ajudou no processo. Minha família também era maravilhosa, mas as pessoas que eu vejo diariamente são as que lidam com muitos dos meus humores e drama; portanto, se não fosse por eles, acho que não teria passado pelo processo.
  10. Meu casamento é ainda mais forte. Depois de 10 anos juntos e mais de quatro anos de casamento, tivemos nossa parte de altos e baixos e, embora nem sempre concordemos com as coisas, a experiência nos tornou uma equipe melhor. Sou grato pelo homem com quem casei e agora que tivemos nosso filho, ele foi um pai incrível.

Todo dia durante esse processo era uma luta e eu sei que n√£o estou sozinha. Portanto, se voc√™ luta com a fertilidade como eu, reserve um tempo esta semana para falar sobre o assunto a um amigo ou membro da fam√≠lia. √Č hora de falar sobre essa luta muito real e muito comum. √Č muito dif√≠cil passar sozinho.

Saiba mais sobre a Semana Nacional de Conscientização sobre Infertilidade aqui.

Esta publicação foi publicada originalmente em 2016 e é atualizada regularmente.