Por que os gr√°ficos de comportamento em sala de aula precisam parar

Por que os gr√°ficos de comportamento em sala de aula precisam parar

Tomwang112 / Getty Images

Quando uma colega de classe do ensino m√©dio postou uma nota na minha p√°gina do Facebook sobre o aviso de “comportamento” de seu filho, minha primeira rea√ß√£o foi ofegar. Isso era real? Algu√©m realmente escreveu isso sobre um jardim de inf√Ęncia? Minha pr√≥xima rea√ß√£o foi ficar com raiva.

Esse deslize foi enviado para casa com minha filha Kate, de cinco anos, porque ela se comportara mal no jardim de inf√Ęncia, brincando com os cadar√ßos do sapato durante o tempo do c√≠rculo e fazendo outras coisas do jardim de inf√Ęncia, como bater os p√©s. Kate recebeu a nota travessa de sua professora e foi humilhada na frente de seus colegas de classe. Por fazer algo inteiramente apropriado para a idade e n√£o perturbador, como se mexer. (Kate n√£o √© o nome verdadeiro dela. A m√£e de Kates quer privacidade para a filha.)

Como m√£e, eu n√£o suporto o pensamento desse tipo de vergonha que est√° acontecendo com qualquer um dos meus filhos, especialmente na sala de aula, onde eles devem se sentir seguros.

Como ex-educador e pesquisador em educação, fico indignado com o fato de práticas como essa ainda estarem acontecendo nas salas de aula de hoje, apesar de tantas pesquisas que são ineficazes e podem prejudicar as crianças.

Esses tipos de notas disciplinares, cart√Ķes coloridos, gr√°ficos de adesivos e gr√°ficos de comportamento p√ļblico precisam ser retirados de todas as salas de aula. Aqui est√° o porqu√™:

Eles envergonham as crianças.

S√£o lembretes p√ļblicos de que voc√™ foi desobediente. Eventualmente, depois de dias e semanas de lembretes constantes de seus maus comportamentos, as crian√ßas podem come√ßar a se considerar crian√ßas ruins. Kate, se continuar recebendo essas anota√ß√Ķes enviadas para seus pais, pode come√ßar a pensar em si mesma n√£o como uma crian√ßa normal que se contorce e fica entediada durante o tempo do c√≠rculo, mas como uma crian√ßa ruim que n√£o gosta da professora.

Eles n√£o fazem nada para abordar as raz√Ķes subjacentes pelas quais uma crian√ßa pode estar se comportando mal.

Na maioria das vezes, uma criança pode nem entender os motivos específicos da disciplina, além de ser má. Eles não fazem nada para ensinar as crianças porque eles devem ouvir e como se comportar adequadamente de maneiras apropriadas ao desenvolvimento.

Eles podem prejudicar o relacionamento entre um professor e seus alunos.

Em vez de ser um parceiro confiável e empático na aprendizagem, o professor é uma pessoa que castiga e é temida.

Eles promovem motivação extrínseca, ao invés de intrínseca.

Ensina às crianças que é o julgamento dos outros que importa o que os outros pensam de você, e não seus objetivos pessoais. Como o escritor e ex-professor Galit Breen me explicou, o que eles não ensinam é um desejo intrínseco ou precisa ser o tipo de aluno que trabalha duro, ajuda os outros e vai além e além simplesmente porque essas são ótimas maneiras de . Sem esse impulso intrínseco, o impacto a curto prazo do sistema é, bem, curto, e o impacto a longo prazo é mínimo, na melhor das hipóteses.

Eles podem causar ansiedade, estresse e depress√£o.

Muitas crian√ßas come√ßam a se preocupar, mesmo fora da escola, com os gr√°ficos e os recibos. Eles podem come√ßar a se sentir incapazes e in√ļteis. Quando enviei um email para a especialista em paternidade positiva e autora Rebecca Eanes para perguntar sobre sua perspectiva sobre esse tipo de abordagem, ela me escreveu: Os gr√°ficos de comportamento s√£o humilhantes para as crian√ßas e causam ansiedade e medo desnecess√°rios. Muitas crian√ßas temem ter suas cores ou nomes mudados e ficam muito ansiosas para evitar a vergonha. Outros adotam a identidade de “garoto mau” que esses gr√°ficos lhes imp√Ķem porque se sentem totalmente derrotados. Eles fingem n√£o se importar se o deles fica amarelo ou vermelho, mas por dentro, danos reais est√£o sendo causados ‚Äč‚Äča seus autoconceitos.

Outra amiga minha me confidenciou que, no ano passado, quando a filha dela estava no jardim de inf√Ęncia, ela ficaria obcecada e choraria pelo gr√°fico de comportamento na sala de aula. As filhas, preocupadas em ficar envergonhadas na frente de suas amigas, aumentaram ao longo do ano e se tornaram t√£o esmagadoras que ela n√£o queria mais ir √† escola.

Eles interrompem o tempo de aprendizado na sala de aula.

Os professores devem passar um tempo instrucional importante, focado não no ensino, mas no preenchimento de notas ou na alteração de cores em um gráfico de comportamento.

Finalmente, para mim, a pior parte desses tipos de abordagens disciplinares é que são hipócritas, como aponta a autora Heather Shumaker. Imagine se você tivesse que passar por um dia ruim, todos nós temos um gráfico de comportamento em segundo plano. Shumaker escreve: Às vezes, penso em como os adultos se sairiam bem se alguém erigisse um gráfico de comportamento gigante para nós durante o dia. Grite com as crianças saindo pela porta de manhã (passe do verde para o amarelo); fique irritado com alguém no posto de gasolina (passe do amarelo para o vermelho); procrastine e não faça nada (já estava abaixo do vermelho, agora temos que pular a pausa para o café). Às 10 horas da manhã, poderíamos ser irremediavelmente irrecuperáveis.

O que os pais podem fazer? Primeiro, converse com o professor. Obtenha a perspectiva dela sobre o motivo pelo qual ela usa essas abordagens na sala de aula. Se voc√™, como pai, observa que um sistema disciplinar n√£o est√° funcionando para o seu filho, explique ao professor o que est√° vendo em casa. Voc√™ pode perguntar se pode desativar seu filho do sistema e trabalhar com o professor para propor uma abordagem alternativa. Al√©m disso, explique a seu filho em casa que o gr√°fico de comportamento da escola n√£o diz nada sobre ele como pessoa ou aluno e subestime sua import√Ęncia.

Ensinar √© um trabalho incrivelmente dif√≠cil. Eu fui professor por mais de uma d√©cada, e entendi. Mas ser um aluno do jardim de inf√Ęncia (ou primeiro, segundo ou terceiro ano) hoje tamb√©m √© dif√≠cil. N√£o devemos fazer nada em nossas salas de aula para dificultar o aprendizado, a prosperidade e o sucesso das crian√ßas.