Pais contra o mundo quando se trata de ensinar nossos filhos

Pais contra o mundo quando se trata de ensinar nossos filhos

Mommy assustador e vjapratama / Pexels

Meu marido e eu ensinamos a nossos filhos que a coisa mais importante no mundo √© bondade. Certifico-me de mostrar bondade sempre que saio com meus filhos; Eu tento nunca dizer uma palavra m√° na frente deles. N√≥s nunca os menosprezamos. N√≥s nunca menosprezamos os outros na frente deles. Somos incrivelmente rigorosos com o consumo de m√≠dia deles. Mas, apesar de terem aulas em casa, veem outras crian√ßas (obviamente n√£o queremos que elas vivam em uma bolha). Essas outras crian√ßas ensinaram-lhes palavras, palavras que voc√™ usa para falar sobre pessoas e coisas que voc√™ n√£o gosta: Meanie. Est√ļpido. Agora eles distribuem as palavras um contra o outro e temos que executar interfer√™ncias.

Às vezes parece que são os pais contra o mundo quando se trata de ensinar nossos filhos.

Não podemos mantê-los protegidos para sempre. E, porra, fazemos o nosso melhor, mas ninguém quer criar uma criança que não esteja preparada para o mundo. Seus filhos não são seus filhosescreveu Kahlil Gibran. E embora este seja um sentimento bonito e poético, também é a verdade: seus filhos pertencem ao mundo, assim como o mundo pertence a seus filhos, e você não tem o direito de manter os dois completamente separados. Isso significa que mesmo meus filhos extremamente protegidos (minha filha de nove anos perguntou qual era o chiclete no outro dia) encontram o mundo, e eu tenho que lutar contra ele para instilar os valores com os quais quero que eles cresçam.

jaq / Reshot

Pegue armas. Eu odeio armas, e acredito na regulamenta√ß√£o de armas t√£o rigorosa quanto a do Jap√£o. Mas eu moro em um dos estados mais vermelhos de vermelho. A m√£e do melhor amigo do meu filho tem um adesivo no carro, algo sobre amar Starbucks e armas. Isso me deixa nauseado, mas eu gosto dela e da filha dela e sei que ela e meu filho provavelmente jogam fingir armas quando n√£o estou olhando. Eu tamb√©m sei que meus filhosamor Guerra nas Estrelas e Guerra nas Estrelas significa blasters, e os blasters est√£o a um passo das armas. Eles v√™em Guerra das Estrelas em todos os lugares, mesmo que eu confiscasse todos os blaster que entravam em minha casa, eles ainda os encontrariam e brincariam com os blasters. Outro dia, eu os mandei memorizar o poema “America is a Gun” para a escola. Meu filho de sete anos de idade balan√ßou um jateador de brinquedo no dedo enquanto ele recitava. Eu o fiz parar. Ele reclamou. Lutamos, mas lutamos contra o mundo que nos diz que armas s√£o boas, armas fazem parte da cultura, armas s√£o brinquedos.

E tem sexo. Voc√™ n√£o pode impedir que seu filho fale sobre sexo ou descubra id√©ias que conflitam com suas no√ß√Ķes de sexualidade. No momento, meus filhos s√£o jovens e protegidos: eles s√≥ tinham principalmente a gente para conversar sobre isso. Mas eles ainda recebiam mensagens t√≥xicas da Igreja Cat√≥lica sobre masturba√ß√£o, sexo antes do casamento, controle de natalidade (uma das raz√Ķes pelas quais eu queria deixar a igreja). Suas no√ß√Ķes de consentimento cuidadosamente constru√≠das, as quais martelamos nelas:Eu n√£o gosto do jeito que voc√™ est√° me tocando,ouPare de me tocar assim elas ficam abaladas quando um adulto ri delas enquanto est√£o abra√ßando nossos filhos. N√≥s intervimos. Mas essas influ√™ncias v√™m de todos os lugares. √Č uma mar√© crescente, algo que todos os pais t√™m que enfrentar, enfrentar e enfrentar: como voc√™ luta contra o mundo?

Você não

Você não pode.

Você só pode fazer o seu melhor e orar.

Eu costumava pensar que se eu educasse meus filhos em casa, eles seriam diferentes. Eu pensei que eles nunca se chamavam de nomes. Mas eles entraram em contato com outras crian√ßas e, se os tiv√©ssemos mantido em um bunker lacrado, eles teriam nos ouvido dizer aos irm√£os para n√£o lamentar. Ent√£o eles se chamam de “choramingos”. Eles dizem “Voc√™ est√° choramingando” como um insulto. Eles teriam encontrado uma maneira. Eu pensei que se desencoraj√°ssemos a viol√™ncia e eles nunca a vissem de outras crian√ßas (na verdade n√£o), eles n√£o agiriam violentamente um com o outro. Mas eles veem na TV e todo mundo quer lutar. Eles s√≥ t√™m um Nintendo da velha escola, mas todo mundo quer jogar o Punch-Out de Mike Tyson. Ent√£o eles querem atuar.

Você não pode lutar contra o mundo. Então, escolhemos nossas batalhas.

Pessoalmente, n√£o me importo se meus filhos amaldi√ßoarem. Ent√£o n√≥s os deixamos ouvir m√ļsica com palavr√Ķes, mas eu me importo se eles bebem a masculinidade t√≥xica Kool-Aid. Ent√£o eu tenho que lutar essa batalha. Martelamos ativamente essa no√ß√£o de consentimento n√£o apenas para elas, mas para as meninas que um dia encontrar√£o: para que saibam que n√£o significa n√£o. N√≥s nunca, nunca dizemos a eles para parar de chorar; dizemos: “Vejo voc√™ se sentir ______ agora”. N√≥s simplesmente n√£o podemos. O mundo diz a eles todos os dias para parar de chorar, endurecer, ser homem. Evitamos shows para ‚Äúmeninos‚ÄĚ e aderimos √† TV neutra em g√™nero, tanto quanto poss√≠vel. Deixamos que eles escolhem camisas de unic√≥rnio e gatinho, rosa e roxas, do departamento de meninas, se √© isso que elas gostam. Outras crian√ßas, um dia, v√£o ridiculariz√°-los por isso. S√≥ podemos rezar para que eles estejam seguros o suficiente para dizer-lhes para, em termos inequ√≠vocos, se foderem: cores e animais s√£o para todos.

E eu com certeza me importo se eles s√£o gentis. Ent√£o, desencorajo amizades com crian√ßas que n√£o s√£o. Quando eles v√™em crueldade, seja de outras crian√ßas ou de adultos, falamos sobre isso. Sabemos que o mundo vai invadir. N√£o podemos lutar contra o mundo, a mar√© crescente da cultura invadindo, permeando tudo: o sexo e os padr√Ķes de beleza e a desvaloriza√ß√£o do valor humano e as armas, o governo Trump e a lista continua. Tudo o que podemos fazer √© falar sobre isso.

Podemos fazer o possível para entregar algo melhor aos nossos filhos, viver algo melhor e torná-lo mais atraente.

Mas no final, eles têm que escolher por si mesmos.

Não temos o direito de mantê-los fora do mundo. Nós podemos lutar contra o mundo. Mas o mundo inevitavelmente vencerá.