contador gratuito Skip to content

Novas diretrizes pediátricas enfatizam intervenção precoce para autismo

Novas diretrizes pediátricas enfatizam intervenção precoce para autismo

Pela primeira vez em 12 anos, a Academia Americana de Pediatria (AAP) revisou suas diretrizes para a avaliação e tratamento do distúrbio do espectro do autismo. A AAP está pedindo aos pediatras que forneçam um diagnóstico clínico se houver suspeita de autismo, na esperança de que mais crianças colham os benefícios dos serviços de intervenção precoce.

“As novas diretrizes são impactantes, pois ajudam as pediatras a acessar seus diagnósticos precoces, o que acaba resultando em acesso mais precoce a intervenções terapêuticas apropriadas”, diz Dawn Montroy, diretor clínico e BCBA do Blossom Behavioral Wellness Center, em Novi. Essas intervenções incluem terapia de análise aplicada do comportamento (ABA), terapia da fala e terapia ocupacional. “Considerando as metas de longo prazo e a pesquisa atual, a intervenção precoce é crucial.”

Cyrus Garmo, MD, cofundador de Blossom, concorda.

“Essas informações reforçam o método Blossom para intervenção precoce e programação individualizada para essas crianças”, diz Garmo, “e nos mostram que a Academia Americana de Pediatria apóia as evidências de que a triagem precoce leva ao diagnóstico precoce, o que, por sua vez, leva ao aparecimento de serviços terapêuticos anteriores. ”

Além disso, Montroy acrescenta: “Isso definitivamente nos permitirá fortalecer essas crianças por meio de programas de intervenção precoce a partir de uma idade muito mais jovem, proporcionando melhores resultados com o passar do tempo”.

No passado, não receber um diagnóstico era uma grande parte do problema e, finalmente, atrapalhava o desenvolvimento de uma criança, pois dificultava o início desses serviços. De acordo com as diretrizes da AAP, a maioria das crianças precisará consultar um especialista para uma avaliação diagnóstica; no entanto, pediatras em geral e psicólogos infantis podem fazer um diagnóstico clínico inicial, o que ajuda no início dos serviços para iniciar a terapia mais cedo. Isso apóia ainda mais o benefício e a eficácia da intervenção precoce.

Identificando ASD

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), o autismo começa antes dos 3 anos de idade e as crianças podem mostrar sinais a partir dos 1 anos. Aos 2 anos de idade, o CDC relata que 80% -90% dos pais percebem alguns sinais de autismo em seus filhos. Esses sinais incluem coisas como não responder ao nome dele aos 12 meses de idade, não apontar objetos para mostrar interesse por 14 meses e não fingir tocar aos 18 meses. Além disso, atrasos na fala e evitar o contato visual são outras “bandeiras vermelhas”.

Para identificar o autismo, a AAP recomenda que os pediatras usem a vigilância do desenvolvimento a cada visita, além de testes padronizados de triagem específicos para o autismo nas visitas aos poços aos 18 e 24 meses de idade.

Se você suspeita que seu filho tem autismo ou se está em uma lista de espera para receber uma avaliação e um diagnóstico, entre em contato com o pediatra para saber se é possível obter um diagnóstico clínico para iniciar os serviços.

Terapia na Blossom

Depois que um diagnóstico clínico é recebido, a criança pode começar a trabalhar com a equipe Blossom, que monta um plano de tratamento individualizado.

Blossom adotou e incorporou o Early Start Denver Model (ESDM), diz Montroy, que é uma intervenção comportamental de desenvolvimento naturalista. Simplificando, o ESDM usa rotinas naturais e de brincadeiras para construir relacionamentos e promover o crescimento das habilidades de comunicação e cognitivas.

“Para implementar essas intervenções, nosso centro incluiu uma sala comunitária com vários ambientes naturalistas simulados, incluindo consultório de dentista, estúdio de corte de cabelo, área de espera no estilo de restaurante com mesa de jantar, salas de aula e muito mais”, diz Garmo. “Quanto mais cedo as crianças são expostas a essas configurações, mais familiarizadas elas as navegam quando as encontram fora dos muros de Blossom”.

E, ao receber um diagnóstico clínico de um pediatra, a exposição precoce, graças à intervenção precoce, pode levar aos melhores resultados possíveis para crianças com autismo.

“A Academia Americana de Pediatria reconheceu a necessidade de crianças que correm o risco de atrasos no desenvolvimento se envolverem em programas de intervenção precoce”, acrescenta Montroy. “Essa mudança nas diretrizes pode significar maior facilidade de acesso a esses serviços e, adicionalmente, resultados mais positivos para as crianças necessitadas”.

Para mais informações sobre o Blossom Behavioral Wellness Center, Visita blossombehavioral.org.