A raiva pós-parto tentou dominar minha vida

A raiva pós-parto tentou dominar minha vida

Cortesia de Becky Vieira

√Č claro que eu j√° estava triste antes, provavelmente at√© deprimido.

Mas nada chegou perto do desespero e desesperança que senti após o nascimento de meus filhos.

Eu não sabia disso na época, mas a depressão pós-parto me segurava e me derrubava, quase até a morte, antes que eu pudesse obter ajuda.

Começou devagar.

Eu era uma m√£e pela primeira vez se recuperando de uma cesariana.

Eu estava exausto, hormonal e assustado.

Minha família e amigos inicialmente consideraram isso nada mais do que isso.

À medida que as semanas avançavam, observei minha incisão se curar enquanto meu filho começava a entrar em um cronograma, mas continuava sentindo o mesmo.

E continuou a deslizar lentamente.

Eu não tinha um quadro de referência pessoal e não sabia o que era normal.

Ninguém que eu conhecia já teve PPD Рou, se o fizeram, nunca falou sobre isso.

Eu estava convencido de que eu era a √ļnica mulher a lutar com a maternidade e que eu era simplesmente uma m√£e ruim.

Eu pensei que meu filho merecia mais, que minha fam√≠lia ficaria melhor sem mim, e a √ļnica coisa que eu podia fazer era amamentar.

Eventualmente, fiquei tão deprimido que planejei tirar minha própria vida assim que meu filho desmamar, embora nunca tenha contado isso a ninguém na época.

N√£o pedi ajuda porque n√£o percebi o que estava acontecendo comigo.

Recebi uma brochura e algumas palavras são como o PPD se parece antes de deixarmos o hospital, mas esse foi um dos 7.282 avisos e pedaços de papelada que arquivei com todo o resto.

Naquela época, minha mente estava concentrada apenas no caminho iminente para casa com um recém-nascido.

Quando estava na hora do meu check-up de seis semanas, eu estava deprimido, mas as coisas n√£o haviam se manifestado a tal ponto, ent√£o continuei.

O PPD é o seguinte: rasteja lentamente.

Você tem momentos ruins e bons, uma semana ruim e um bom dia.

Para frente e para trás, até que você esteja completamente submerso na nuvem negra do seu cérebro e pareça tarde demais para voltar.

Cortesia de Becky Vieira

Uma noite, no meio de uma limpeza de raiva alimentada por ins√īnia, lembrei-me do folheto e olhei para ele, esperando por respostas.

Infelizmente eu n√£o me via o suficiente nos sinais de alerta; o que eu n√£o sabia era que o PPD se manifesta de maneira diferente em cada pessoa.

N√£o existe uma lista √ļnica de sintomas.

Mais uma vez, atribuí-lo às minhas falhas e prometi a mim mesmo nunca mencioná-lo.

Meu medo era que meu médico confirmasse o que eu acreditava: que não era PPD, apenas não deveria ter me tornado mãe.

O PPD é o seguinte: rasteja lentamente.

Meu marido tentou me ajudar, mas n√£o fazia ideia do que estava acontecendo.

Sua esposa, outrora vibrante, era agora uma concha do seu antigo eu, n√£o dormindo ou comendo e mal funcionando.

Ele tentou falar comigo sobre isso, mas todas as conversas terminaram comigo, me culpando, me condenando por colar esta linda alma comigo como m√£e.

Ele estava perdido, é claro.

Eu vejo isso agora.

Sem um guia ou qualquer pista sobre o que estava acontecendo, ele começou a procurar ajuda.

Para os amigos, familiares e colegas de trabalho, ele estava t√£o desesperado que provavelmente pediu conselhos quando pegou a roupa a seco.

E embora eu n√£o possa culp√°-lo por tentar, essa ajuda que ele recebeu de pessoas bem-intencionadas contribuiu muito para a minha queda.

A princ√≠pio, ele entrou lentamente, principalmente observa√ß√Ķes.

Você está cansado.

√Č assustador ter um rec√©m-nascido.

Vai melhorar com o tempo.

Tudo isso eu entrei facilmente na categoria duh; embora eu estivesse caindo em um buraco de depressão, até eu sabia que tudo isso era verdade.

No entanto, quando as coisas não melhoraram, ele começou a voltar para casa com conselhos.

Você precisa se exercitar.

Outras pessoas têm pior, você precisa perceber que você não está realmente lutando.

Luz do sol vai ajudar, basta passar mais tempo fora.

Todo mundo tem que se ajustar, você simplesmente precisa superar isso.

Apenas tente ser feliz.

Tudo isso parecia impossível para mim.

Apenas recebendo vestido tomou a maior parte da minha força física Рcomo eu ia para a academia e me exercitava ainda mais? Eu levaria meu filho para fora e virei minha cabeça para cima em direção ao sol, esperando que, de alguma forma, seus raios me curassem magicamente e que minha vontade de viver fosse restaurada.

Mas isso nunca aconteceu, e eu só tinha mais certeza de que todo mundo era melhor na maternidade do que eu.

Cortesia de Becky Vieira

Depois disso, as pessoas tentaram racionalizar minha miséria para meu marido, enquanto ele lutava para entender as coisas, temendo que isso se tornasse nosso novo normal.

Ele chegou em casa um dia esperançoso, pensando que ele e quem quer que tivesse falado dessa vez tinham encontrado a causa raiz do meu problema.

Eu acho que sei o que está acontecendo, ele começou.

Você esperava que a maternidade fosse fácil.

E não é.

Então você está apenas despreparado e em choque.

Depois de se ajustar ao quão difícil é realmente a maternidade, você será melhor em lidar com isso.

Ele estava falando sério? Eu olhei seus olhos, esperando a piada.

Mas tudo que vi foi esperança.

Espero que finalmente, de alguma forma, tenha tropeçado no que estava acontecendo comigo, com nossa nova família Рe a cura fosse tão simples quanto me fazer perceber que eu esperava que isso fosse um passeio no parque?

Eu j√° tinha o suficiente.

Eu estava secretamente experimentando momentos de raiva, embora eu os escondesse de todos.

Eu estava com tanto medo de compartilhar e pedir ajuda porque me senti maluca.

Verdadeiramente.

E eu pensei que as pessoas me julgariam – ou pior, me separariam do meu filho.

Embora nunca, em nenhum momento dessa raiva quase ofuscante, eu esqueci meu filho e sua segurança.

Eu digo quase ofuscante, porque eu ainda tinha uma visão clara o suficiente para saber que precisava protegê-lo.

Nunca foi ele.

Era eu que eu queria machucar.

Eu me certificaria de que meu bebê estivesse dormindo em segurança, longe.

E ent√£o eu daria um soco na parede.

A dor dentro de mim normalmente me mandava para o chão, onde eu me enrolava em uma bola e soluçava.

Mas às vezes era diferente, tornou-se uma bola dentro de mim.

E a bola rolava pelo meu corpo, sentindo mais dor até que eu precisava tirá-la.

De qualquer maneira que eu pudesse.

A bola encontraria o caminho para os meus braços e deslizaria para os meus punhos.

Eu arranharei minha pele, puxei meu cabelo.

Sem alívio.

Eu me certificaria de que meu bebê estivesse dormindo em segurança, longe.

E ent√£o eu daria um soco na parede.

O que fiz de novo, só que desta vez meu marido estava lá.

N√£o parecia melhor, nunca foi.

Meu punho latejou imediatamente, mas após a inspeção nada estava inchando.

Eu esperava que eu tivesse pelo menos fraturado um dedo, qualquer coisa para causar uma dor física grande o suficiente para ofuscar o que eu estava sentindo por dentro.

Procurei algo para agarrar, jogar, bater.

Para usar uma embarcação para o que estava dentro de mim, essa coisa que de repente eu precisei liberar a qualquer custo.

Eu vi um copo de pl√°stico.

San Francisco Giants, Campe√Ķes da World Series.

Eu amei aquele copo.

Joguei-o contra a parede e ouvi-o estalar.

Eu rachei junto, e minha dor encontrou uma abertura para deixar meu corpo.

Entramos no carro e fomos direto ao meu consultório médico.

Ninguém me julgou.

Eu n√£o estava separado do meu filho.

Fui validado e fizemos um plano de ação imediato.

Fui dormir naquela noite com uma receita de um antidepressivo, uma consulta com um terapeuta para o dia seguinte e o primeiro vislumbre de esperança que senti pelo futuro desde o dia em que meu filho nasceu.

Em suma, a √ļnica coisa que essa chamada “ajuda” de familiares e amigos bem-intencionados conseguiu fazer foi atrasar-me a fazer o que eu deveria ter feito desde o in√≠cio: consulte meu m√©dico.

Convenceu meu marido de que minha situação não era séria e poderia ser sanada sozinha.

E alimentei as mentiras que meu cérebro estava me dizendo, que nada mais era do que eu não ser capaz de lidar com a maternidade.

Meu marido poderia ter usado alguma discri√ß√£o e talvez filtrado essas informa√ß√Ķes antes de levar para casa? Absolutamente.

Ele estava desesperado, vejo isso agora, disposto a tentar qualquer coisa.

Mas também acredito que essas pessoas não tinham como lhe dizer o que eu deveria estar fazendo ou o que elas percebiam estar acontecendo comigo.

Cortesia de Becky Vieira

Faz pouco sentido para mim.

Minha m√£e passou pelo tratamento do c√Ęncer de mama pouco depois do diagn√≥stico de DPP, mas ningu√©m lhe disse que precisava de mais exerc√≠cios ou sol quando ficou doente.

E ninguém deu a meu pai sua opinião sobre o horário de radiação dela.

Tudo o que alguém disse foi consultar o médico e procurar tratamento imediatamente Рao passo que mais pessoas me disseram para experimentar óleos essenciais do que consultar um médico.

Em nossa sociedade, ou talvez na natureza humana, temos um desejo irresist√≠vel de dar nossas opini√Ķes, conselhos e dizer claramente √†s pessoas o que fazer.

Mesmo quando não temos negócios fazendo isso.

Claro, sol, exerc√≠cios, abra√ßos e filhotes podem ajudar algumas vezes, mas outras situa√ß√Ķes exigem mais ajuda.

Não há problema em apenas ouvir alguém falar sobre seus problemas sem dar conselhos.

Se eles perguntarem diretamente, você sempre pode dizer: Puxa, isso não soa como nada que eu esteja familiarizado.

Talvez você deva consultar um médico ou especialista.

Não é como se você fosse punido por desviar a pergunta ou receber um presente se responder.

Se voc√™ n√£o teve DPP, se seu parceiro n√£o a teve ou se voc√™ n√£o √© um m√©dico / enfermeiro / especialista em sa√ļde mental, n√£o deve diagnosticar ou prescrever tratamento para uma nova m√£e.

Assim como ninguém se atreveu a dizer à minha mãe que ela só precisava de mais luz do sol, eu também nunca deveria ter ouvido isso.

Há um milhão deve ter anexado à minha história.

Eu deveria ter ido ao meu médico imediatamente.

Mas eu não reconheci minha situação como PPD, apenas pensei que era uma mãe ruim.

Meu marido deveria ter ignorado o que as pessoas estavam dizendo, ou pelo menos n√£o repetido para mim.

No entanto, ele estava desesperado para ajudar sua esposa.

Não existe um guia sobre como ajudar um parceiro com depressão pós-parto (embora deva ser mesmo).

Cortesia de Becky Vieira

Mais importante, devemos reconhecer quando precisamos nos desculpar de dar conselhos.

N√£o h√° problema em dizer que n√£o sei.

N√£o h√° nada errado em sugerir que algu√©m procure um m√©dico, o cen√°rio de pior caso √© que eles ser√£o enviados para casa com um atestado de sa√ļde.

Muitas vezes me perguntam o que eu gostaria que tivesse acontecido.

Além de eu nunca ter DPP, gostaria que meu marido não ouvisse o que as pessoas estavam dizendo ou, pelo menos, que ele não me dissesse cada palavra.

Que ele reconheceu que isso não estava certo e me levou para procurar ajuda, mas agora vejo que ele estava me dizendo que isso não era um problema real, eu poderia estar agindo de forma dramática porque o bebê estava recebendo toda a atenção (citação real de alguém com quem ele falou).

Eu gostaria que as pessoas pudessem ter ficado na sua faixa.

Sim, eu sei que você queria ajudar.

Mas você não vê que isso estava acima da sua classificação salarial e não estava qualificado para votar aqui? Se uma pessoa se abstivesse de tentar consertar nossa situação, justificá-la apenas como exaustão, e ao invés disso nos pressionasse para ver meu médico, eu poderia ter começado minha cura muito mais cedo.

Talvez eu tivesse conseguido ajuda antes de começar a planejar como eu tiraria minha própria vida.

E eu nunca precisaria viver com essas memórias, ou carregar essa culpa o tempo todo com meu filho perdido no nevoeiro da minha doença.

A culpa estar√° comigo por um longo tempo, se n√£o sempre.

Eu n√£o posso carregar ressentimento, estou focado no fato de que falei e consegui ajuda.

Terapia e medicamentos me ajudaram a recuperar minha vida e me permitiram desfrutar da maternidade, como sempre sonhei que faria.

Se você já se perguntou o que fazer em uma situação que lhe parece estranha, lembre-se de que não há problema em saber.

Você pode devemos, seja honesto e ajude a direcionar essa pessoa a um especialista.

Seja sua depress√£o p√≥s-parto, c√Ęncer ou uma transmiss√£o defeituosa do carro, existem pessoas qualificadas dispon√≠veis para ajudar.

E talvez tudo o que você precise fazer seja apontar isso.