5 maneiras de apoiar crianças com autismo

5 maneiras de apoiar crianças com autismo

5 maneiras de apoiar crianças com autismo

Bater, morder, birras, destruição de propriedades e danos pessoais são apenas alguns dos comportamentos agressivos que as crianças com autismo podem exibir. E, se não forem abordados cedo, esses comportamentos podem piorar e levar a problemas maiores para a criança e sua família.

Em alguns casos, as crian√ßas acabam no Hospital Harbor Oaks, localizado em New Baltimore, que oferece atendimento especializado para crian√ßas de 4-17 anos com autismo e outros dist√ļrbios do desenvolvimento.

Somos a primeira unidade de interna√ß√£o totalmente dedicada a crian√ßas com dist√ļrbios do desenvolvimento no estado de Michigan, diz o Dr. Sanjeev Venkataraman, diretor m√©dico de psiquiatria infantil e adolescente do Hospital Harbor Oaks.

√Č uma das 13 unidades desse tipo nos Estados Unidos, acrescenta Shelby Fey, gerente de programa da Harbor Oaks SIPU (unidade especializada em pediatria).

Venkataraman e Fey est√£o na linha de frente do atendimento a crian√ßas com dist√ļrbios do espectro do autismo e defici√™ncias no desenvolvimento e sabem em primeira m√£o o qu√£o dif√≠cil pode ser para as fam√≠lias lidarem, principalmente quando n√£o sabem onde procurar ajuda e recursos.

Agora, com a expansão do diagnóstico de autismo, há uma certa restrição de recursos, afirma Venkataraman. As escolas estão se tornando mais cuidadosas ao distribuir os recursos, então ele diz que os pais precisam estar preparados para não receber uma resposta do primeiro passo para receber ajuda para seus filhos.

N√£o sabe ao certo onde procurar mais recursos e apoio, se sua escola n√£o puder ajudar? Leia para obter informa√ß√Ķes de Venkataraman e Fey.

1. Comece com o pediatra do seu filho.

As crian√ßas com autismo podem se beneficiar de um pediatra no desenvolvimento, especialista em autismo, atrasos no desenvolvimento, dist√ļrbios de aprendizagem e muito mais.

Eles devem ser a primeira linha de defesa, porque s√£o pessoas muito mais conscientes dos dist√ļrbios do desenvolvimento infantil. Eles podem apontar os pais em uma dire√ß√£o que ser√° ben√©fica para eles, diz Venkataraman.

Tamb√©m √© fundamental entrar em contato com o pediatra do seu filho em tempo h√°bil. Como qualquer uma dessas condi√ß√Ķes, a interven√ß√£o anterior √© melhor, acrescenta. Quanto mais cedo voc√™ identificar as bandeiras, mais cedo seu filho poder√° ser direcionado aos recursos apropriados.

2. Utilize os recursos da comunidade.

A maioria dos municípios tem uma organização sem fins lucrativos típica, que ajuda as famílias, diz Fey. Alguns deles são administrados por uma família ou têm um membro da família com autismo ou algum outro diagnóstico, e estão ajudando outras famílias a encontrar os recursos certos.

Al√©m disso, existem organiza√ß√Ķes maiores, como a Autism Alliance of Michigan e a Autism Speaks, que possuem listas de verifica√ß√£o de desenvolvimento para as fam√≠lias para ajud√°-las a determinar quais medidas podem ser necess√°rias para cuidar dos filhos.

3. Estabeleça um relacionamento com a escola de seu filho.

Todas as escolas não são criadas iguais; no entanto, se você conseguir um bom assistente social escolar, eles podem fazer um mundo de bom para os pais, diz Venkataraman, porque eles também conhecem os recursos da comunidade; eles já encaminharam pacientes antes para saber quem e o que funciona; e eles podem identificar as coisas cedo.

Ele acrescenta: existem professores de pré-escola capazes de captar coisas e dizer: seu filho não é tão social quanto deveria, ou não pode compartilhar, ou tem birras com mais frequência do que outras crianças.

Não queime pontes com professores e assistentes sociais nas escolas, ele adverte. Embora seja fácil sentir-se frustrado, tente não deixar essa frustração nas pessoas a quem você está confiando seu filho, pois você quer ter um bom relacionamento, diz ele.

Quando você tem um filho com qualquer tipo de necessidade especial, precisa advogar sem se tornar um adversário, diz Venkataraman.

4. Mantenha os socorristas informados.

Muitas pessoas não sabem que podem realmente entrar em contato com o corpo de bombeiros, o departamento de polícia e informar sobre as deficiências ou os problemas que seus filhos podem enfrentar, diz Fey.

Isso √© √ļtil especialmente se os respondentes tiverem que ir a uma casa de fam√≠lia em crise: eles saber√£o de antem√£o o que est√£o entrando e se uma crian√ßa pode reagir de certa maneira √† sua presen√ßa.

No final das contas, quando elas est√£o nessas situa√ß√Ķes de crise antes de chegarem at√© n√≥s, geralmente h√° algum tipo de envolvimento do socorrista, que pode piorar as coisas se for feito incorretamente, acrescenta Fey.

5. Obtenha conselhos da família.

Pode não ser o caso para todas as famílias, mas, em muitos casos, os avós e outros membros da família com mais anos de experiência parental às vezes podem fornecer uma perspectiva diferente.

Essas pessoas têm muita experiência, e eu tenho tantos pais que vão me contar que a vovó estava dizendo que ele não falava tão cedo, diz Venkataraman. Como pai, você deve ouvir a família extensa que teve mais experiência.

Conte√ļdo trazido a voc√™ pelo Hospital Harbor Oaks. Para mais informa√ß√Ķes, ligue para 586-684-4574 ou visite harboroaks.com.