contadores Saltar al contenido

Tratamento de Neuroterapia para Dependência

Muitas pessoas que enfrentam problemas de dependência acabam recidivando, às vezes várias vezes. Em alguns casos, eles podem entrar e sair de programas de reabilitação por anos sem efetivamente acabar com seu vício.

A neuroterapia, também conhecida como neurofeedback, é uma abordagem terapêutica que pode ajudar a finalizar com sucesso o ciclo de dependência.

Por que os vícios são difíceis de tratar

Infelizmente, o vício ainda está associado a alguns estigmas, com algumas pessoas pensando que o vício é causado por fraqueza, autocontrole deficiente ou falta de disciplina. Isso pode fazer com que os que lutam contra os vícios sejam cheios de culpa, vergonha e ansiedade, tornando o caminho da recuperação ainda mais difícil.

O vício é uma condição fisiológica real, e é por isso que é tão difícil de tratar. o Manual Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais, 5ª edição, o manual usado pelos profissionais de saúde para diagnosticar e tratar pacientes, reconhece o vício como um distúrbio de saúde mental distinto.

Os transtornos aditivos podem ser severamente debilitantes, afetando todas as áreas da vida de uma pessoa.

A maioria dos modelos de tratamento concentra-se em internações de 30 dias. No entanto, esses programas têm uma taxa de recaída muito alta. Modelos mais intensivos e com maior duração têm maiores taxas de sucesso, mas muitos planos de seguro não os cobrem. As pessoas ficam incapazes de se aclimatar à sua vida normal após o tratamento, aumentando o risco de recaída.

O que é neuroterapia?

Ao contrário de outras abordagens terapêuticas, a neuroterapia trata o vício, concentrando-se na reciclagem do cérebro. Muitas pessoas recaem durante períodos de emoções ou estresse extremos, portanto a neuroterapia trabalha ensinando técnicas que acalmarão e acalmarão as funções cerebrais, permitindo que a pessoa tome decisões racionais com uma mentalidade clara.

Para alguns, medicamentos podem ser usados ​​para ajudar a redefinir o pensamento do cérebro. Este é apenas um passo na recuperação e não uma solução a longo prazo. A neuroterapia retreina o cérebro para que, mesmo sem medicação, a pessoa possa permanecer livre de substâncias além do estágio de reabilitação de 30 dias.

A neuroterapia geralmente é incluída como parte de uma abordagem abrangente da terapia, trabalhando ao lado de outros métodos, como medicação, grupos de apoio ou terapia da fala. Estudos demonstraram que, quando a neuroterapia é incluída no plano de recuperação, 85% a mais dos pacientes são tratados com eficácia.

Como funciona?

A neuroterapia corrige a atividade cerebral disfuncional que causa comportamentos irracionais que levam a distúrbios de dependência. A neuroterapia visa "consertar" as áreas defeituosas ligadas à excitação, conectividade e controle de impulsos, substituindo esses comportamentos negativos por reações e hábitos mais saudáveis. Esse tipo de terapia exige que o paciente seja um participante ativo e ajuda a estar ciente dos gatilhos que os levam a se envolver em vícios. Através da neuroterapia, uma pessoa obtém as ferramentas necessárias para vencer seu vício.

Enquanto muitas pessoas descartam os vícios como uma fraqueza pessoal, os transtornos viciantes são doenças mentais reais e prejudiciais. Eles requerem tratamento intensivo, geralmente envolvendo vários aspectos diferentes para tratar fatores psicológicos e fisiológicos que contribuem para o vício. Através da neuroterapia ou do neurofeedback, as pessoas recebem as ferramentas para superar o mau funcionamento do cérebro que desencadeia comportamentos viciantes. A neuroterapia lhes dá a chance de vencer o vício, e não recair, a longo prazo.