Tive uma atitude relaxada sobre fumar maconha recreativa, até que vi minha alta de 13 anos

Tive uma atitude relaxada sobre fumar maconha recreativa, até que vi minha alta de 13 anos

Shutterstock

Peguei minha maconha de 13 anos na noite de Páscoa, sob o convés do quintal.

Eu tinha ido para a cama e disse a ele para me dar um beijo de boa noite. Eu pensei que ele estava na cozinha fazendo um lanche. Depois de ouvir uma tosse abaixo da janela do meu quarto, olhei para fora enquanto escovava os dentes e vi suas pernas nuas e um isqueiro, nada mais. E eu sabia.

Ele sempre foi um garoto cauteloso. Ele gosta de estar no controle de seu ambiente. Alguns anos atr√°s, enquanto tentava dominar um salto em uma pista de esqui, ele sofreu uma queda forte. Ele se levantou e continuou a esquiar, mas n√£o deu um pulo desde ent√£o. Ele me diz que tem medo de quebrar ossos, abrir a cabe√ßa ou perder alguns dentes. “Eu n√£o preciso fazer todo esse material chique. N√£o vale a pena para mim “, diz ele.

E como ele é do jeito que é, e também é altamente responsável, um estudante de honra, e nunca tem dinheiro com ele, eu não achava que estaria enfrentando esse problema neste momento de nossas vidas.

Eu estava errado.

Fiz tudo o que nos disseram para fazer como pais, quando se trata de drogas e de nossos filhos. Conversei com ele sobre o risco de usar drogas, álcool e cigarros desde que ele era criança. Eu digo a ele que o amo todos os dias, várias vezes ao dia. Eu tento entrar em seu cérebro e discutir seus sentimentos e experiências sobre garotas, seus amigos e professores. Estou presente. Temos linhas de comunicação abertas em nossa casa e meus filhos sabem que sou um espaço seguro.

Eu n√£o sou fumante, mas n√£o julgo de forma alguma. Se voc√™ quer fumar maconha, √© seu direito, no que me diz respeito, e quero que voc√™ tenha a capacidade de faz√™-lo. Se voc√™ precisar por raz√Ķes m√©dicas ou ajuda a gerenciar sua ansiedade, melhor ainda. Tenho uma atitude muito liberal em rela√ß√£o ao fumo de maconha e votei em legaliz√°-lo para uso recreativo em nosso estado. Eu ainda apoio, mas n√£o consigo assumir uma posi√ß√£o liberal quando se trata do meu filho de 13 anos.

E n√£o sinto muito por isso.

Ver meu primog√™nito, um jovem adolescente, alto como uma pipa de merda, n√£o me fez sentir como a advogada ‚Äúvoc√™ faz voc√™‚ÄĚ que sempre fui. Observ√°-lo parado l√° e me dando uma palestra com os olhos injetados sobre como “√Č apenas uma planta, m√£e” e “N√£o √© grande coisa, √© como rem√©dio” e como ele sabe que existem estudos que mostram como √© seguro, que √© est√° sendo legalizado nos EUA porque n√£o √© prejudicial, me faz perceber que essa liberdade √© capaz de iluminar-se e fazer com que ela seja legal vem com uma grande responsabilidade.

Precisamos ter cuidado com o nosso diálogo quando se trata deste assunto. Precisamos lembrar aos adolescentes que eles são jovens demais para experimentar e, legais ou não, isso precisa ser reiterado com frequência.

Sei que as crian√ßas v√™m experimentando desde o in√≠cio dos tempos e continuar√£o a faz√™-lo. Eu sei que meu filho n√£o √© um delinq√ľente e isso n√£o tem nenhuma influ√™ncia negativa em seu resultado futuro. Mas isso n√£o significa que est√° tudo bem, normal ou saud√°vel, para ele assumir que fazer anota√ß√Ķes est√° bem.

Entendo que é meu trabalho educar meus filhos, vigiá-los e orientar a narrativa em torno dessas coisas. Mas também sei que eles estão tirando as mensagens quequerouvir sobre o assunto: quão natural é e como é muito melhor do que qualquer outra droga que eles poderiam escolher. Que eles não podem exagerar na dose e não ficarão violentos ou fora de controle. Não é que eu discorde, mas acho que também precisamos estar cientes de que legalizar a maconha pode levar crianças a experimentá-la em uma idade mais jovem e estar atento a isso ao discutir o assunto (política e socialmente).

Meu filho me disse que era a segunda ou terceira vez que o fazia.

Tamb√©m vou lhe dizer que enquanto ele estava olhando para mim com os olhos semicerrados e eu estava tentando manter minha merda unida, ouvi-lo e n√£o gritar: “N√£o, n√£o, n√£o meu beb√™”, ele disse isso, ‚ÄúSinto que isso me ajuda. Gosto da maneira como me faz sentir, mas tamb√©m sinto que talvez esteja arruinando minha vida. ‚ÄĚ Ele me mostrou onde estava o esconderijo, o cachimbo, o isqueiro, o rem√©dio cheio de maconha (que ele obteve de um colega de classe). Era como se ele quisesse explorar esse caminho, mas tamb√©m queria uma sa√≠da ao mesmo tempo. Os adolescentes n√£o conseguem processar como realmente se sentem sobre decis√Ķes como essa. Suas mentes n√£o est√£o literalmente prontas. Eu nunca vi meu filho t√£o inseguro de si mesmo.

Agarrei-o e o abracei apertado, e agradeci por sua honestidade e por estar disposto a me ouvir também. Como todo o resto, eu disse a ele que passaríamos por isso juntos.

Enquanto ele tomava banho, joguei todas as suas roupas fedorentas na lavanderia e esperei por ele em seu quarto. Quando ele entrou, eu disse a ele que, apesar de agradecer sua honestidade e n√£o guardar rancor, suas a√ß√Ķes eram inteiramente inapropriadas para uma crian√ßa de 13 anos. Depois, apliquei o castigo de um m√™s para nenhum amigo, telefone ou m√≠dia social de qualquer tipo. Ele passaria o resto das f√©rias de primavera trabalhando ao lado do pai.

Eu sei que ele está com raiva de mim por isso, mas eu sei que ele me ama também.

De onde estou, vejo um garoto de 13 anos experimentando uma droga sobre a qual ele n√£o sabe nada. Talvez ele tivesse tentado, independentemente da atitude casual da sociedade sobre maconha atualmente. Mas o fato √© que √© uma droga. Isso tem efeitos nocivos para as crian√ßas em crescimento. E meu filho se sentiu validado pelas coisas que ouviu sobre o uso como rem√©dio e o fato de ser natural e f√°cil de acessar. N√£o culpo ningu√©m (al√©m de mim) e tenhon√£oreverti meu pensamento sobre a legaliza√ß√£o da maconha, mas acho que precisamos ser muito mais cautelosos quando entregamos as ‚Äúboas not√≠cias‚ÄĚ sobre maconha a nossos filhos. Porque as “boas not√≠cias” s√£o destinadas a adultos, e n√£o a adolescentes.

Não faço ideia se estou lidando com isso direito e sei que há muitas pessoas por aí que acham que estou exagerando. Há quem pense que não fiz o suficiente. Isso é bom. Eu só quero lhe dizer de mãe para mãe, de pai para pai, nossos filhos estão ouvindo as atitudes casuais que muitos de nós (inclusive eu) praticamos fumando maconha, e precisamos estar conversando sobre isso, agora mais do que nunca.