Semana sem tela, dia 2: entreter as crianças quando o pai trabalha até tarde

Semana sem tela, dia 2: entreter as crianças quando o pai trabalha até tarde

HORRIBLE !!! HORR√ćVEL!!! HORR√ćVEL!!!

Foi assim que meu filho de 8 anos quis que eu descrevesse a Semana sem tela neste blog, “em todas as mai√ļsculas, com muitos pontos de exclama√ß√£o no meio”.

Em nosso segundo dia inteiro, ele ainda estava lutando obstinadamente contra o desafio, apesar de parecer estar se divertindo muito procurando outras coisas para fazer.

Eu pensei que terça-feira seria difícil porque meu marido trabalha até tarde dando aulas de design de videogame na Lawrence Tech (a ironia não está perdida). Normalmente, deixo as crianças brincarem mais com o Minecraft do que o habitual, enquanto ando pela cozinha cozinhando e limpando ou entro no computador. Sim, eu admito prontamente o uso de telas como babás virtuais quando me convém.

Acontece que a tarde passou rapidamente porque eu me ofereci para ajudar o professor de gin√°stica dos meus filhos com uma unidade de golfe, para que eles ficassem depois da escola por mais de uma hora enquanto ele me treinava no equipamento. Eles brincavam no parquinho e minha filha desenhava enquanto meu filho terminava o dever de casa.

Quando chegamos em casa com comida para viagem, a noite j√° estava come√ßando. As crian√ßas associam Jimmy John’s √† TV, porque costumam levar seus substitutos para a sala e assistir a programas enquanto comem. Em vez disso, sentamos √† mesa da sala de jantar e comemos juntos, algo que nunca fazemos quando o pai n√£o est√° em casa.

Quando o jantar terminou, Verick desceu a rua para ver se seu novo amigo do bairro poderia vir brincar. Os meninos passaram algumas horas pulando no trampolim e correndo pelo quintal com espadas. Sabendo que os videogames estavam fora dos limites, eles nunca pediram para jogar.

Enquanto isso, minha filha fez uma colagem de flores e eu trabalhei no meu ponto de cruz.

Quando meu marido finalmente chegou em casa, ouvimos r√°dio p√ļblica em vez de assistir √† TV e ficamos surpresos ao ouvir Julia Elliott, minha editora na Metro Parent, participar do Craig Fahle Show e conversar sobre o meu artigo da Screen-Free Week. A resposta dos ouvintes foi incr√≠vel. Muitos pais ligaram com suas opini√Ķes sobre como os dispositivos e a m√≠dia est√£o afetando suas fam√≠lias. A quest√£o parece realmente ressoar, embora muitos tenham dito que n√£o est√£o dispostos a ficar sem tela.

Devo dizer que pode ser assustador.

Quando chegou a hora de eu e meu marido irmos para a cama, fiquei realmente ansioso por não poder pegar meu smartphone ou sugerir um de nossos programas favoritos. Percebi que poderia usar a mídia como um escudo para evitar a intimidade. Caramba!

Acabamos tendo uma boa noite, e eu adormeci em seus braços.

Agora ele vai sugerir ficar sem tela o tempo todo!