contador gratuito Skip to content

Relacionamentos e por que lutar importa mais que sexo

Há pouco tempo, perguntei a Elaine, que acabara de celebrar seu trigésimo quinto aniversário de casamento e ainda está feliz em seu casamento sobre qual era o segredo. Esta foi sua resposta:

Ouvindo Preste atenção, não importa quão urgente seja minha necessidade, tirar algo do meu peito, desabafar ou reclamar ou até amargo que ele precisa agora. Tivemos um momento muito difícil quando cometemos insultos e tentamos marcar pontos, e uma terapeuta do casamento nos puxou para fora do limite. Mesmo quando você está com raiva, deve respeitar o seu parceiro e isso acontece nos dois sentidos. Cada um de nós se liga quando as coisas começam a ficar feias e as reduzimos. Trabalho.

O que funcionou para Elaine e seu marido √© na verdade uma f√≥rmula para manter um relacionamento bem-sucedido, como deixa claro o trabalho de John Gottman. Muitas pessoas sup√Ķem erroneamente que √© a luta que afunda um casamento, mas, como Gottman explica, n√£o se trata de brigar ou n√£o, mas de brigar. como voc√™ o faz.

E embora, neste momento, o bom sexo com maquiagem ap√≥s uma briga possa parecer que o aproximou, se a toxicidade entrou na din√Ęmica, voc√™ provavelmente est√° se enganando.

Diga ol√° aos quatro cavaleiros

Muitos anos atrás, uma conselheira matrimonial chamada Susan e eu discutimos como raramente o aconselhamento matrimonial realmente funciona, e perguntei a ela por quê. Sua resposta, nascida de quarenta anos de experiência, foi reveladora:

Sincroniza√ß√£o. A maioria das pessoas espera at√© o casamento chegar ao fim da colina e se sente compelida a dar uma √ļltima chance conversando com um profissional. √Äs vezes, ver um terapeuta √© uma maneira de mostrar ao mundo que eles fizeram todo o poss√≠vel para salvar o casamento, mas √†s vezes √© mais sincero e menos auto-referencial do que isso. Mas o problema √© que, quando eles chegam ao meu escrit√≥rio, sua capacidade de se comunicar √© zero e, o que √© pior, ambos se acostumaram a desempenhar pap√©is quando argumentam. Esses pap√©is est√£o enraizados, portanto, n√£o √© surpreendente que desaprend√™-los, especialmente quando h√° disc√≥rdia acumulada, muitas vezes √© imposs√≠vel. E eles tiram os carros do meu estacionamento para os que ficam ao lado de um escrit√≥rio de advocacia.

Em ordem decrescente, Gottman identificou quatro formas tóxicas de comunicação que são obrigadas, se não controladas, a terminar um casamento ou relacionamento. Compreendê-los e ser capaz de identificá-los são essenciais não apenas para manter um relacionamento saudável, mas também para garantir seu futuro.

Estamos Reveja, desprezo, defensividade, e stonewalling. Gottman escreve que, à medida que cada ciclista chega, ele abre o caminho para o próximo, explicando como um relacionamento que antes parecia cheio de conexão e promessa pode se tornar um ciclo interminável de recriminação e raiva.

Quando voc√™ luta, voc√™ come√ßa frases com as palavras, sempre ou nunca? A diferen√ßa entre reclamar e criticar pode parecer, √† primeira vista, superficial ou simplesmente analisar palavras, mas na realidade n√£o √©; Segundo Gottman, a cr√≠tica envolve atacar o car√°ter ou a personalidade de algu√©m em vez de um comportamento espec√≠fico, geralmente com culpa. √Č incomum os membros de um casal terem vis√Ķes diferentes sobre como gastar dinheiro, mas quando voc√™ reclama de como seu parceiro gastou demais em sua opini√£o, isso o torna pessoal? Voc√™ traz tantos exemplos do fracasso dele quanto pode tirar do passado? Ou voc√™ simplesmente aponta que o dinheiro era realmente necess√°rio para outra coisa? H√° uma diferen√ßa importante

Reclamar, bem feito, é realmente uma coisa boa em um casamento ou relacionamento; Em geral, é uma má idéia morder-se a um ponto de ebulição, porque nesse momento é mais provável que você se apaixone por críticas. Fale, mas preste atenção em como você fala.

Do ponto de vista de Gottmans, as críticas abrem as portas para o próximo motociclista que é desprezo; Ele define desprezo como a intenção de insultar e abusar psicologicamente de seu parceiro. Sim, as coisas aumentaram a ponto de as facas estarem fora e é tudo sobre poder e controle. O desprezo pode ser expresso através de gestos físicos (revirando os olhos, provocando ou rindo provocativamente) ou verbalmente, como ligar ou insultar alguém. Não se engane: estes são comportamentos abusivos e não devem ser desculpados ou aplacados. E sim, desculpas estão em ordem.

O verdadeiro problema aqui é que é a retaliação que reina e o que mudou é a motivação de você ou de seu parceiro.

Isso pode parecer inicialmente confuso porque, afinal, se alguém o criticou ou mostrou desprezo, você não deveria se esforçar para se defender? O problema é que a defensividade se transforma em uma postura de referência que corta efetivamente até uma possibilidade remota de comunicação e, é claro, a pessoa que se defende se sente completamente justificada, de modo que não há esperança de que essa pessoa simplesmente pare em um centavo.

Gottman identificou certos tipos de posturas defensivas e vale a pena se familiarizar com você, especialmente se elas se infiltraram em suas maneiras familiares de interagir. Negar responsabilidade, não importa como, é uma, enquanto inventar desculpas é outra. Às vezes, eles se entrelaçam quando uma esposa descobre quando descobre que seu marido escondeu intencionalmente algo importante; Quando desafiado, ele respondeu: Se você tivesse me feito a pergunta certa, eu teria lhe dito. (Gottman não menciona essa tática defensiva, mas a mudança de culpa se encaixa perfeitamente.) Uma frase para a qual ele aponta é Sim, mas ele parece começar a assumir a responsabilidade, mas imediatamente passa para a parte "mas".

Se um ou ambos os parceiros inevitavelmente ficarem na defensiva dessa maneira, você estará em um trem para lugar nenhum.

Manipulando ao m√°ximo e destinados a marginalizar e desmoralizar, as paredes de pedra realmente parecem a morte de um relacionamento. O muro de pedra √© muitas vezes justificado pela pessoa que tenta acalmar as coisas, mas o sil√™ncio pedregoso realmente aumenta a tens√£o. Esse √© um comportamento abusivo, destinado a capacitar a pessoa que est√° falando e faz√™-la se sentir in√ļtil e pequena.

Novamente, se a parede de pedra √© habitual, isso √© uma coisa, mas se seu parceiro sair de uma sala em um esfor√ßo para acalmar seu temperamento, n√£o h√° raz√£o para pressionar o bot√£o de p√Ęnico. A pesquisa mostra que os homens tendem a entupir mais do que as mulheres tem sido estudada com tanta frequ√™ncia que o nome formal para o comportamento √© Demanda / Retirada e at√© tem um acr√īnimo, DM / W.

Em um relacionamento com um parceiro controlador, o muro de pedra pode ser eficaz porque brinca com as inseguranças do parceiro sem poder, o que é mais provável que comece a se desculpar e apaziguar diante do silêncio pedregoso. Embora esse ciclo de parede de pedra e maquiagem possa trazer alívio para o relacionamento (e também incluir algum sexo quente com maquiagem), é um fim de jogo a longo prazo.

Comportamentos tóxicos como esses nunca devem ser normalizados. Lembre-se disso e procure aconselhamento o mais rápido possível.

Fotografia de Sabina Tone. Direitos autorais gratuitos. Unsplash.com

Gottman, John. Por que os casamentos s√£o bem-sucedidos ou fracassam Nova York: Fireside Books, 1994.