Recuperando-se da anorexia: a jornada de sa√ļde mental de Rebecca
Sa√ļde

Recuperando-se da anorexia: a jornada de sa√ļde mental de Rebecca

Recuperando-se da anorexia: a jornada de sa√ļde mental de Rebecca

Meu nome √© Rebecca e atualmente tenho 20 anos. Eu tenho problemas de sa√ļde mental (anorexia, depress√£o, transtorno obsessivo-compulsivo e ansiedade) desde os 13 anos de idade.

Tudo começou com algumas notícias traumáticas. Sendo um estudante entusiasmado, eu realmente queria voltar para a escola depois das férias de Natal. Mal sabia eu que naquele dia meu grupo do ano receberia notícias devastadoras. Ligados para o auditório, fomos informados de que, infelizmente, ocorreu um acidente na noite anterior envolvendo uma de nossas colegas de classe e que ela havia morrido.

Isso bateu forte. Como deveríamos lidar com isso?

Eu tenho uma irmã gêmea e acontece que a infeliz perda foi uma das melhores amigas da minha irmã. Então, sendo eu, coloco toda a minha atenção em cuidar dela e protegê-la. Adivinhando, olhando para trás, nunca fiquei triste, o que significa que nunca lidei com o custo emocional que esse incidente me causou.

Adivinhando, olhando para tr√°s, nunca fiquei triste, o que significa que nunca lidei com o custo emocional que esse incidente me causou.

No verão do mesmo ano, eu me queimei ridiculamente. Quando digo queimado, não quero dizer apenas um pouco de vermelho. Era literalmente vermelho cru e cheio de bolhas que eu não conseguia andar, até hoje tenho cicatrizes no meu corpo. Agora, admito, foi minha culpa, pois esqueci de aplicar protetor solar no primeiro dia de férias em família em Lanzarote. Mas foi horrível. Eu estava no quarto pelo resto das férias, arruinando isso para mim e minha família, pelo menos, foi o que senti.

Ent√£o, quando adolescente, exausta e me sentindo uma baleia encalhada, de repente tive que lidar com toda uma gama de emo√ß√Ķes deslocadas. Eu me virei para me exercitar. Foi uma boa fuga, at√© que, √© claro, combinou-se com meus padr√Ķes de comportamento semelhantes ao TOC e se tornou uma obsess√£o. Mas √© claro que ningu√©m notou, ent√£o estava tudo bem, pensei.

Mas as coisas pioraram. Comecei a ficar obcecado com o que comia. Eu mantinha tudo em segredo, só quando comecei a passar dias na cama de mau humor e evitando sair, meus pais perceberam que algo estava errado. Então eu fui aos médicos e eles fizeram testes em tudo que você pode pensar, mas é claro que nada foi encontrado.

Foi só quando comecei a passar dias na cama de mau humor e evitando sair quando meus pais perceberam que algo estava errado.

Em 2015, desmaiei durante um exame de sangue no dia anterior ao meu d√©cimo sexto anivers√°rio. Foi quando isso me levou a passar a noite em um hospital geral que meu comportamento e minha sa√ļde se tornaram mais preocupantes.

Ele estava na equipe CAMHS na época e eles suspeitavam que ele estivesse perigosamente abaixo do peso. Eles me enviaram para uma unidade de hospitalização por um mês. Quando saí, era melhor no papel. Eu ganhara peso, que era o objetivo principal quando fui internado.

Continuei com a vida normal, sendo uma garota estudiosa, sempre trabalhando duro. Eu vi um terapeuta semanal, mas n√£o parecia doente.

Quando terminei os estudos, comecei a faculdade e tinha três empregos de meio período. A vida estava bem. Mas ele estava alheio ao que todo mundo via; Eu estava brincando. Eu fui diagnosticado com anorexia e ficou claro que ele estava bem e ele realmente assumiu. Ele estava me arruinando física e mentalmente. Eu tinha um relacionamento muito difícil com a comida e estava muito deprimido, mas ainda tentava continuar como se estivesse bem.

Eu vi um terapeuta semanal, mas n√£o parecia doente.

Isso continuou até que um dia meu psiquiatra me disse: você quer morrer? Claro que não. Era o alerta que eu precisava e minha família sempre tentara me dar. Finalmente fui internado em outra unidade de hospitalização. Dessa vez eu sabia que um mês não seria suficiente.

Posso dizer honestamente que, apesar de relutar em entrar, foi o melhor que pude ter feito. Mas, oh, foi difícil para mim. No entanto, com a ajuda de algumas pessoas muito encantadoras ao longo do caminho, minha mentalidade determinada e a força e o apoio de meus entes queridos, aprendi a dirigir. Infelizmente, isso leva tempo. Até hoje, ainda não estou consertado e, de alguma forma, acho que nunca estarei. Mas sou uma pessoa mais forte, mais capaz de lidar e viver minha vida.

Até hoje, ainda não estou consertado e, de alguma forma, acho que nunca estarei. Mas sou uma pessoa mais forte, mais capaz de lidar e viver minha vida.

Aprendi com a minha viagem que falar √© muito importante. Seja aberto e honesto. Seja honesto com voc√™ mesmo. Ao longo do caminho, conheci muitas pessoas que me contaram sobre suas pr√≥prias batalhas de sa√ļde mental, inspiradas a falar porque compartilhei minha hist√≥ria. E √© isso que deve acontecer. Devemos ajudar um ao outro e promover mudan√ßas positivas na sociedade, para que ningu√©m se sinta sozinho ou envergonhado.

Mais sobre problemas alimentares

Se voc√™ est√° tendo problemas com o seu relacionamento com os alimentos, consulte a nossa p√°gina sobre quest√Ķes alimentares para obter dicas e informa√ß√Ķes sobre onde obter ajuda.

Se você tem problemas de anorexia, ou apenas quer saber mais, dê uma olhada na nossa página de anorexia.

Mais sobre CAMHS e assistência hospitalar

Para mais informa√ß√Ķes sobre o tratamento CAMHS, consulte o nosso guia de p√°ginas CAMHS.

Para mais informa√ß√Ķes sobre cuidados hospitalares, consulte o seu guia de cuidados hospitalares.