Raiva: o sintoma pós-parto que ninguém fala
Psicologia

Raiva: o sintoma pós-parto que ninguém fala

Raiva: o sintoma pós-parto que ninguém fala

Mam√£e Assustadora, GraphicaArtis / Getty e Robert Radermacher / FreeImages

Quem me conhece provavelmente ficará extremamente surpreso ao ouvir isso: sofri duas vezes com depressão e ansiedade pós-parto em silêncio.

Para aqueles que est√£o ao meu redor, tenho certeza de que eles diriam que sou uma pessoa positiva e feliz, sempre conversando com novas m√£es no parque e organizando encontros e atividades com os amigos. Eu fico em casa com meus dois filhos e trabalho sempre que quero e tenho um marido extremamente solid√°rio.

Mas isso é verdade sobre os transtornos do humor perinatais (classificados desde o momento da concepção até o primeiro ano de vida dos bebês) Рeles não se importam com o tipo de pessoa que você é.

Eles n√£o se importam se voc√™ trabalha ou fica em casa, √© solteiro ou casado, mora na cidade ou nos sub√ļrbios, come alimentos org√Ęnicos ou se esconde na despensa e enfia a M & Ms na boca t√£o r√°pido que voc√™ n√£o consegue respirar (s√≥ eu?). Esses transtornos do humor podem acontecer, e acontecem com qualquer pessoa, e √© crucial come√ßarmos a falar sobre isso.

Tendo experimentado uma ansiedade severa com alguma depressão no início da minha primeira gravidez, eu estava muito ciente de que corria mais risco de depressão pós-parto e me certificara de ter conhecimento dos sinais, caso precisasse obter ajuda.

Depois que meu segundo filho nasceu, fiquei agradavelmente surpreendido com o quão bem me senti. Claro, eu tive o humor hormonal selvagem nos primeiros dias, mas depois foi uma navegação tranquila. Foi difícil me adaptar a dois filhos e lidar com a privação do sono novamente, e ver meu filho tentar navegar pela adição repentina de um irmão, mas não me senti triste ou ansiosa. Depois de mais ou menos um mês desse sentimento contínuo, percebi que estava livre.

Por volta do segundo mês foi quando a raiva começou. Sobre tudo. E todo mundo. Eu ficaria bem em um momento e depois no próximo sentiria uma sensação quase assustadora de raiva, atacando meu marido por não ter descarregado a máquina de lavar louça ou gritando com meu filho por ser muito lento para sair do carro.

Pixabay / Pexels

Definitivamente n√£o era eu. Eu sempre fui t√£o calmo e paciente. Eu odiava gritar e quase nunca levantou a minha voz. Eu sabia que essa raiva n√£o estava certa e n√£o gostei, mas n√£o consegui control√°-la. Se eu n√£o gritasse, a raiva ferveu dentro de mim a ponto de querer subir e gritar ou bater no meu colch√£o. O que?? Bata no meu colch√£o ?! Isso definitivamente n√£o era eu.

Ent√£o, como se a raiva n√£o fosse suficiente, a sobrecarga extrema apareceu. Pequenas tarefas que deveriam ter parecido f√°ceis o suficiente me levariam a um enorme p√Ęnico. Todos os dias eu precisava dar banho nos dois garotos e, a partir do segundo em que acordei, ficaria t√£o impressionado com a ideia dessa √ļnica tarefa. Mesmo se eu n√£o tivesse mais nada para fazer o dia inteiro, o pensamento de ter que dar banho a duas crian√ßas era quase mais do que eu poderia suportar.

Comecei a me perguntar se talvez eu não era indo tão bem e que tive algum tipo de depressão ou ansiedade pós-parto. Mas o que me confundiu tanto foi que não estava triste, nem chorando, nem desesperada. Eu estava com raiva. E acontece que não estou sozinho.

Segundo uma pesquisa do CDC, até 1 em cada 5 mulheres experimentam sintomas de depressão pós-parto. Alguns desses sintomas comuns incluem: perda de energia; humor triste ou vazio duradouro; sentimentos de culpa ou inutilidade; perda de interesse em hobbies e atividades; e problemas de concentração. Aparentemente, como encontrado em um estudo recente, a raiva é bastante comum na depressão ou ansiedade pós-parto, mas geralmente é negligenciada.

Pensei que sabia o que esperar Рsofri de uma ansiedade debilitante durante a primeira gravidez, experimentei o que o início da depressão pode fazer e senti uma extrema ansiedade pós-parto após o nascimento do meu primeiro filho. Eu pensei que sabia como era tudo e seria capaz de reconhecê-lo se acontecesse novamente. Eu estava indo até a um terapeuta durante tudo isso para ansiedade ao longo da vida, então estava confiante de que pegaria qualquer coisa fora de controle. Acontece que os transtornos do humor podem parecer completamente diferentes durante e após cada gravidez.

Ent√£o, eu me encontrei com meu m√©dico e tomei antidepressivos e em uma semana, a raiva desapareceu quase completamente. Agora, n√£o estou escrevendo isso para dizer que, se voc√™ tem esses sentimentos de raiva, precisa ou deve recorrer automaticamente a antidepressivos; cada pessoa e situa√ß√£o √© √ļnica demais para uma solu√ß√£o √ļnica.

Eu queria compartilhar essa jornada porque sei quantas mães provavelmente estão passando exatamente pela mesma coisa, mas têm vergonha / vergonha / confusão / confusão / cansaço / culpa para obter ajuda. Ou, como eu, você nem sabe o que está acontecendo com você Рmas sabe que não parece normal.

Ent√£o, mamas, estou aqui para lhe dizer que a sa√ļde mental materna √© importante. Ter uma m√£e saud√°vel √© T√ÉO importante n√£o apenas para voc√™, mas tamb√©m para seus filhos, sua fam√≠lia, seus amigos e sua comunidade. Se alguma parte da minha hist√≥ria parece verdadeira para voc√™, encorajo voc√™ a se encontrar com um profissional de sa√ļde familiarizado com o tratamento de transtornos do humor perinatais.

Ao longo da primeira semana de rem√©dios, comecei a gritar menos, a ter mais paci√™ncia e sorrisos para o meu beb√™ e pude ver uma grande mudan√ßa nele. Ele era mais brincalh√£o e queria estar mais perto de mim. Ele brincou comigo novamente e me deu beijos s√≥ porque. Meu marido sentiu como se tivesse sua esposa de volta e eu … bem, eu n√£o tinha mais medo da pessoa com raiva que estava me tornando. Eu me senti bem novamente. eu senti feliz novamente.

A maternidade √© dif√≠cil. A maternidade com um dist√ļrbio de humor √© ainda mais dif√≠cil. N√£o sofra sozinho ou espere muito tempo pensando que pode melhorar sozinho. Ou se voc√™ tomar mais suplementos. Ou coma mais saud√°vel. Ou exercite mais. Ou tenha mais noites de garotas. Ou use melhor autocuidado. Essas coisas podem ajudar algumas pessoas e definitivamente devem fazer parte do seu arsenal de sa√ļde mental, mas √†s vezes n√£o s√£o suficientes. E tudo bem.

A terapia, as habilidades de enfrentamento, as mudanças no estilo de vida e a medicina estão lá para apoiá-lo, porque se a mãe estiver feliz, todo mundo ainda poderá reclamar muito e fazer a mesma pergunta um milhão de vezes e esquecer de substituir o rolo de papel higiênico. Mas eles também serão felizes.