contador gratuito Skip to content

Quase Alcoólico

Quase Alcoólico

Um artigo da Harvard Health

Meu (ou meu ente querido) est√° bebendo um problema?

√Č muito poss√≠vel ter um problema de bebida que n√£o esteja definido ou descrito como Alco√≥lico. Muitas pessoas usam √°lcool para lidar com o estresse, mas n√£o percebem que isso exacerba os problemas de suas vidas. Existem t√©cnicas e terapias dispon√≠veis para ajud√°-lo a diminuir sua depend√™ncia do √°lcool e redescobrir o equil√≠brio em sua vida.

Você é quase alcoólatra?

Algumas pessoas acreditam que existem apenas dois tipos de pessoas no mundo: alcoólatras e não alcoólatras. Muitos também acreditam que nascemos alcoólatras ou não. Essa tem sido uma visão predominante há muito tempo e, embora essa declaração possa parecer dramática para alguns, ela tem alguma base na realidade. Aqueles que mantêm essas crenças tendem a ser pessoas que experimentaram ou testemunharam os sintomas mais graves e / ou as consequências mais graves do consumo de bebidas, como:

  • Sendo incapaz de parar de beber, a partir da primeira vez que ele ou ela tomou uma bebida
  • Repetidamente ter apag√Ķes (ou seja, n√£o consigo lembrar o que aconteceu no dia seguinte) depois de tomar apenas algumas bebidas
  • Ser preso v√°rias vezes por dirigir embriagado
  • Tornar-se violento em mais de uma ocasi√£o ao beber

Sabemos por experi√™ncia pr√≥pria que existem pessoas que desenvolvem padr√Ķes e comportamentos severos de consumo de √°lcool, como os que acabamos de descrever. Estes s√£o verdadeiros alco√≥latras. No entanto, tamb√©m h√° um grande n√ļmero de pessoas que n√£o atendem aos crit√©rios aceitos para diagnosticar alcoolismo, mas caem em uma √°rea cinzenta de problemas com o consumo. Estes s√£o os quase alco√≥licos.

Alcoólatras verdadeiros vs. quase alcoólatras

Quem bebe muito corre o risco de ter conseq√ľ√™ncias adversas √† sa√ļde, mas algumas pessoas parecem enfrentar um risco maior de desenvolver problemas de sa√ļde relacionados ao √°lcool. O motivo parece ser amplamente biol√≥gico, embora fatores ambientais provavelmente tamb√©m tenham um papel nessa diferen√ßa. Os pesquisadores descobriram, por exemplo, que as pessoas diferem na maneira como seus corpos metabolizam o √°lcool. Como nossa composi√ß√£o biol√≥gica √© determinada no nascimento, existe alguma verdade na ideia de que temos certas caracter√≠sticas que nos tornam mais (ou menos) vulner√°veis ‚Äč‚Äčaos efeitos do √°lcool.

Nossa descoberta dos quase alco√≥latras ocorreu durante muitos anos trabalhando n√£o apenas com pessoas que tinham os tipos de problemas de bebida descritos acima, mas tamb√©m com um grupo muito maior de pessoas com uma variedade de padr√Ķes de bebida que n√£o atendiam aos crit√©rios do alcoolismo. Como observado anteriormente, a maioria desse grupo maior veio at√© n√≥s n√£o porque estavam preocupados (ou porque outros haviam manifestado preocupa√ß√£o) com o consumo de bebida, mas por ajuda com algum outro problema. A conex√£o entre os problemas que eles procuravam ajuda e o consumo de √°lcool emergiu mais tarde. Vamos ver alguns exemplos:

História de Jennifers

Jennifer, 41 anos, era casada e tinha dois filhos, um filho de onze anos e uma filha de nove. Jennifers era uma fam√≠lia contempor√Ęnea t√≠pica de duas rendas. Ela tinha um cargo de ger√™ncia intermedi√°ria em uma grande empresa de incorpora√ß√£o e administra√ß√£o imobili√°ria, enquanto seu marido, Dan, trabalhava no departamento de tecnologia da informa√ß√£o de uma grande universidade. Como era verdade para a maioria dos casais que eles conheciam, eles lutavam para equilibrar as demandas do trabalho com as dos pais, sem mencionar as tarefas dom√©sticas. Eles desfrutaram a vida em uma comunidade suburbana confort√°vel, com boas escolas e acesso √† recrea√ß√£o; ao mesmo tempo, Jennifer e Dan √†s vezes expressavam que achavam dif√≠cil a vida em uma esteira.

Dan e Jen se conheceram na faculdade durante os primeiros anos e se casaram um ano depois de se formarem. Como estudantes universit√°rios, eles gostavam de festejar tanto quanto a maioria de seus amigos, mas nunca haviam exagerado. Cada um deles conhecia a ressaca ocasional, especialmente como calouros, e ambos gostavam de encontrar amigos para festas de carona nos jogos de futebol depois da formatura.

Jen não bebeu nada durante a gravidez. No entanto, depois que seu segundo filho nasceu, e depois que ela voltou ao trabalho após uma licença de maternidade de seis semanas, ela se juntou a Dan em sua rotina de beber um copo de vinho enquanto eles descomprimiam depois do trabalho. Isso significava descarregar as crianças, preparar o jantar, supervisionar os deveres de casa, preparar-se para o dia seguinte e assim por diante. Então, depois que as crianças estavam na cama, Jen tomava um segundo copo de vinho e às vezes um terceiro. Ela nos disse que, durante vários anos, essa era uma maneira eficaz de liberar o estresse que se acumulava ao longo do dia. Ela também sentiu que o terceiro copo de vinho a ajudava a dormir melhor.

Quando Jen procurou terapia, n√£o foi por causa de sua bebida que ainda considerava normal e de fato √ļtil, dado seu estilo de vida sob press√£o. Jen foi encaminhada por seu m√©dico de cuidados prim√°rios, com quem havia compartilhado suas preocupa√ß√Ķes sobre n√£o dormir bem. N√£o dormir bem a deixou se sentindo confusa no dia seguinte. Esse padr√£o a levou a se sentir cada vez mais deprimida, o que se refletia em um temperamento mais curto (especialmente com as crian√ßas), sentimentos cr√īnicos de fadiga e uma reclama√ß√£o de Dan de que sua vida sexual estava evaporando. Ela perguntou ao m√©dico sobre medicamentos para dormir, ou talvez um antidepressivo. O m√©dico disse que ela consideraria isso, mas primeiro ela queria que Jen conversasse com um conselheiro.

Jen é um bom exemplo desse grande grupo de pessoas que conhecemos bem em nossos escritórios, pessoas cuja bebida emerge como um fator em seus problemas de apresentação. Ela fez não marcar uma consulta com um conselheiro, porque ela estava preocupada com a bebida.

Jennifer era alcoólatra?

Não. Ela não teria sintomas suficientes para atender aos critérios aceitos para qualquer diagnóstico relacionado ao álcool. Ela não era alguém para quem uma bebida nunca era suficiente. Tampouco bebeu com frequência suficiente para manter um certo nível de álcool em seu corpo. Ela nunca experimentou um apagão. E assim por diante.

No entanto, ela estava experimentando claramente sintomas como sono perturbado, fadiga cr√īnica, depress√£o e explos√Ķes de raiva – que os verdadeiros alco√≥latras costumam relatar. A resposta, para Jen, era que, em algum momento, ela havia ultrapassado a linha que separa a bebida social normal da bebida quase alco√≥lica. A boa not√≠cia, para ela, foi que essa descoberta se tornou uma oportunidade de reavaliar sua bebida (juntamente com o estresse que parecia estar causando isso) e tomar algumas decis√Ķes.

No final, ela fez algumas mudanças não apenas sobre a bebida, mas também sobre como lidar com o estresse que enfrentava e como criar algum equilíbrio em sua vida. Ela tinha esse equilíbrio uma vez como estudante universitária e recém-casada, mas ficou desigual à medida que sua vida se tornava cada vez mais cheia de responsabilidades.

História de Marcuss

Marcus, dezenove anos, havia se saído bem no ensino médio, apesar de ter enfrentado um transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Ele evitou o álcool durante aqueles anos e foi avisado de que sua medicação para o TDAH não se misturava bem com o liquorbut, quando chegava à faculdade, começou a beber, geralmente na farra e na companhia de amigos.

A princ√≠pio, o lado negativo de Marcuss era bastante sutil: suas notas ca√≠am um pouco e √†s vezes perdiam as aulas na manh√£ seguinte. No lado positivo, ele se tornou mais extrovertido quando bebia e era menos t√≠mido do que havia passado nos anos do ensino m√©dio. Um fator complicador para a situa√ß√£o de Marcuss foi sua idade: beber na popula√ß√£o em idade universit√°ria geralmente envolve uma grande quantidade de compuls√£o, que geralmente √© organizada em torno de jogos de bebida (Bebedeira√© definido pelo Instituto Nacional de Abuso de √Ālcool e Alcoolismo como um padr√£o de consumo correspondente a cinco ou mais bebidas para um homem e quatro ou mais para uma mulher em cerca de duas horas, resultando em um n√≠vel de √°lcool no sangue de 0,08% ou mais.) Um desses jogos √© o pong da cerveja, no qual os oponentes tentam jogar uma bola de pingue-pongue em outro copo cheio de cerveja. Quando o seu oponente pousa a bola dele na sua cerveja, voc√™ precisa beber tudo. Ent√£o outra rodada come√ßa.

Marcus encontrou jogos como o beer pong divertido. Era socialmente aceitável e uma maneira fácil de superar sua timidez. Estar bêbado também facilitou a conversa com garotas, o que reforçou ainda mais seu comportamento.

No meio do segundo semestre da escola, Marcus corria o risco de reprovar um curso e mal passava por outros três. Para piorar a situação, depois de beber demais uma noite de sexta-feira em uma festa da fraternidade, ele brigou com um cara que pensava que Marcus estava flertando com a namorada. As palavras foram trocadas, mas em vez de terminar ali, Marcus empurrou o cara e depois deu um soco. Temendo que isso pudesse levar a uma briga, alguém ligou para o 911 para a polícia do campus.

De acordo com a pol√≠tica de toler√Ęncia zero das faculdades em rela√ß√£o √† viol√™ncia no campus, Marcus foi impedido de morar no campus no semestre seguinte. Embora ele conseguisse evitar reprova√ß√£o, ele terminou o primeiro ano com uma m√©dia de notas que colocava em risco suas chances de entrar na escola que ele sempre sonhara em frequentar.

Marcus era alcoólatra?

Marcus é outro exemplo de alguém que cruzou a linha e entrou na área cinzenta do consumo quase alcoólico. Este jovem viu a conexão entre as consequências negativas que estava vendo e seu comportamento de beber? Não.

A √ļnica raz√£o pela qual ele procurou aconselhamento foi porque, em vez de uma suspens√£o pelo resto do semestre, Marcus teve a op√ß√£o de se matricular em um programa de controle da raiva no centro de aconselhamento estudantil. Essa √© uma interven√ß√£o t√≠pica, e nem um pouco exclusiva para Marcus.

Como aprendemos, √© comum que as autoridades (e at√© os entes queridos) se concentrem em um √ļnico incidente no caso Marcuss, seu comportamento agressivo e identifiquem-no como o problema, ignorando o contexto (bebedeira) em que ocorre. Isso √© mais uma evid√™ncia de que quase alco√≥latras at√© agora continuam sendo um segmento amplamente invis√≠vel da popula√ß√£o.

Pesquisas consistentemente mostram que as pessoas tendem a beber mais pesado no final da adolescência e entre os vinte e os trinta anos. Adultos jovens, homens e mulheres, têm maior probabilidade de beber demais. Para alguns desses jovens, essa bebida pode levar a outros problemas sérios. Por exemplo, alguns estudos mostraram que uma região do cérebro associada ao aprendizado e à memória do hipocampo é menor em pessoas que começaram a beber na adolescência. E estudos de adolescentes tratados com abstinência alcoólica mostraram que eles eram mais propensos a ter problemas de memória do que os adolescentes que não bebiam.

Infelizmente, o que alguns estudantes universit√°rios consideram beber social pode incluir v√°rios jogos de bebedeira. Nem todo estudante universit√°rio bebe compulsivamente, mas esse comportamento tende a ser bastante difundido e relativamente tolerado pelos colegas nos campi das faculdades. N√£o √© incomum os alunos ficarem b√™bados a ponto de desmaiar. Por causa desse contexto social, e tamb√©m porque sua bebida era limitada principalmente aos fins de semana, Marcus via sua pr√≥pria bebida como normal. Ele pensou que estava apenas fazendo o que muitos outros estudantes fizeram, ent√£o como ele poderia ter um problema com a bebida? A realidade √© que a maioria dos estudantes universit√°rios que ingerem √°lcool passar√° por essa fase e emergir√° na idade adulta como bebedores sociais normais. Alguns dos consumidores mais pesados ‚Äč‚Äčpodem sofrer de mem√≥ria ou problemas de aprendizado relacionados ao uso anterior de √°lcool, embora nunca possam fazer essa conex√£o sozinhos. Alguns continuar√£o a se tornar alco√≥latras. E alguns, como Marcus, se tornar√£o quase alco√≥latras.

Marcuss experimentou entrar em uma briga e lutar com os acadêmicos foram claramente consequências de sua bebida. Por si mesmos, não o teriam qualificado para o diagnóstico de alcoolismo. Em outras palavras, ele não se encaixava na caixa de diagnóstico aceita. Se o Dr. Doyle tivesse concluído que Marcus não tinha um problema com a bebida, esse jovem poderia concluir que as coisas negativas que estavam acontecendo com ele eram apenas uma questão de má sorte, estar no lugar errado na hora errada e decidir que havia não há necessidade de mudar seu comportamento de beber. As coisas poderiam muito bem ter continuado a descer a partir daí. Mas, ao introduzir Marcus no conceito de quase alcoólatra, o Dr. Doyle conseguiu ajudar Marcus a ver a conexão entre o consumo de álcool e suas consequências. A partir daí, eles puderam discutir se Marcus deveria considerar fazer algo sobre a bebida, mesmo que ele não fosse alcoólatra.

Adaptado com permissão de Quase Alcoólicos: Meu (ou meu ente querido) está bebendo um problema?