contador gratuito Skip to content

Quando seu filho tem TDAH, nunca parece haver horas suficientes em cada dia

Quando seu filho tem TDAH, nunca parece haver horas suficientes em cada dia

SolStock / Getty

Eu estava conversando com minha irmã mais velha outro dia sobre minha filha de dez anos e seu TDAH. Seu filho adulto, que agora é casado e está se saindo bem na faculdade, era muito parecido com minha filha quando se tratava de seu TDAH, e eu precisava de alguém para desabafar. Contei a ela sobre os argumentos, a procrastinação e o ritmo lento e lento em que Norah trabalha.

Ela riu e disse: Com Andrew, não havia horas suficientes na semana para mantê-lo atualizado. Esqueça o que estava acontecendo à noite, tive que me sentar ao lado dele e mantê-lo concentrado, mantê-lo trabalhando, era demais.

Embora o que ela disse não tenha me ajudado de nenhuma maneira em particular, nenhum conselho ou plano de mudança de jogo a seguir que tornaria mais fácil ajudar minha filha a passar pela escola, fez ajude-me a entender que a luta perpétua em nossa casa não foi anormal. De repente, não senti que estava fazendo errado, ou que deveria estar fazendo mais, mas sim que estava fazendo exatamente o que precisava para ajudar minha filha a aprender.

Essa é uma das realidades mais difíceis de criar um filho com TDAH e não é discutida o suficiente.

Minha filha trabalha tão devagar que não consegue acompanhar o trabalho que está sendo feito na sala de aula, para que sempre chegue em casa. Isso apesar do rígido plano 504 e da combinação certa de medicamentos. Toda noite parece um sprint para fazê-la funcionar, focá-la e, ao mesmo tempo, gerenciar os intervalos de estudo que ela precisa para continuar assim, e a frustração que surge quando uma criança se esforça tanto para entender, mas precisa trabalhar o dobro para ganhar domínio.

Fran Polito / Getty

Não todas as noites, mas mais frequentemente do que não, passamos a hora de dormir programada tentando ficar em dia. Não é incomum que os trabalhos escolares vazem nos fins de semana. Parece que esse horrível ato de malabarismo entre tentar acompanhar seus trabalhos escolares, mantê-la descansada, mantê-la confiante, o tempo todo tentando ter uma vida familiar regular.

Em comparação com nossos outros dois filhos, Norah é quem mais graxa de cotovelo quando se trata de fazer seu trabalho. Ela não aprende como o irmão mais velho ou a irmã mais nova, e você sabe o que? Isso é bom. Minha esposa e eu discutimos isso abertamente com ela. Eu contei a ela sobre minhas próprias lutas com o TDAH. Também aceitamos o fato de que faremos o que for necessário para ajudar nossa filha a aprender e a ter sucesso em seus trabalhos escolares.

Mas, para ser real, há momentos em que parece que gerenciar o TDAH de nossas filhas está basicamente tomando conta de nossas vidas. Visitamos médicos, lemos livros e descobrimos planos de estudo e nos encontramos com a escola. Ajustamos o 504 tantas vezes que parece que a tinta ainda está molhada enquanto fazemos a próxima edição. Adoramos e nos importamos e queremos apoiar nossa filha porque sabemos o quanto isso é importante. Para crédito de Norahs, ela trabalha duas vezes mais do que seus irmãos para realizar metade do trabalho, e tudo isso me faz querer abraçá-la com tanta força, animá-la e garantir que ela entenda que, com tempo e prática suficientes, ela a encontrará. caminho neste mundo.

Mas vou dizer aqui. Estou cansado. Minha esposa est√° cansada. E se existem pais neste mundo que devem se qualificar para a solidariedade, s√£o aqueles que criam um filho com TDAH.

Então, aqueles de vocês que parecem não conseguir encontrar horas suficientes na semana para ajudar seu filho com TDAH, estou com você. Também estou nas trincheiras. Entendi.

Quando voc√™ est√° debru√ßado sobre um livro de matem√°tica, tentando explicar fra√ß√Ķes mais uma vez de um √Ęngulo diferente, seu filho remexendo na cadeira, l√°bios torcidos, olhos um pouco enevoados de frustra√ß√£o, pode parecer que nunca terminar√° e que o o caminho para o sucesso √© inacess√≠vel.

E √© por isso que o que minha irm√£ disse me atingiu com tanta for√ßa. Era t√£o bom falar com algu√©m que havia passado por isso, entendido a luta e encontrado sucesso. Seu filho est√° na faculdade agora, a muitos quil√īmetros de dist√Ęncia dos pais, com uma bolsa de estudos, tirando boas notas e quase se formando. Ele encontrou o seu caminho, e saber que ela passou por lutas muito semelhantes √†s que eu enfrento com Norah me fez sentir muito mais otimista. Sei o qu√£o incr√≠vel √© minha filha e sei que o trabalho duro valer√° a pena.