Quando irm√£os mais velhos brigam: 5 regras b√°sicas para desentendimentos

Quando irm√£os mais velhos brigam: 5 regras b√°sicas para desentendimentos

Alex Potemkin / iStock

Quando estava gr√°vida de minha segunda filha, sonhei acordada com o doce relacionamento que ela tinha com sua irm√£ mais velha. Eu fantasiei sobre eles brincando contentes no ch√£o, passando Legos ou trens ou roupas de bonecas um para o outro, sorrindo angelicalmente.

Imaginei-os revezando-se usando a coroa de princesa extra brilhante ou a capa vermelha de super-herói. Talvez eles entrassem em gargalhadas quando um deles fez ou disse algo bobo, e nenhum deles jamais considerar magoando intencionalmente o outro para conseguir o que queria, porque estava com raiva ou ofegante! por nenhuma razão.

Ha.

Como eu disse, foi um sonho. A realidade é que a luta entre irmãos ocorre frequentemente diariamente. Minhas três garotas se amam ferozmente, mas elas também competem, furtam e furtam uma a outra. Eu sei que brigar é uma parte natural de qualquer relacionamento, mas sempre foi difícil para mim testemunhar ou até estar ao alcance das minhas garotas brigando, seja um desacordo suave ou um choque mais acalorado.

Quando meus dois filhos mais velhos eram crian√ßas pequenas e estavam na escola prim√°ria, eu costumava passar por uma escaramu√ßa quando ela se desenrolava. Meu trabalho, ent√£o, era acabar com as brigas e ensinar minhas garotas a gerenciar e expressar suas emo√ß√Ķes, bem como a ouvir o que a outra tinha a dizer.

Tamb√©m atuei como √°rbitro, explicando por que o comportamento desagrad√°vel e ofensivo n√£o era uma boa escolha, incentivando desculpas e descobrindo consequ√™ncias como um intervalo ou sem bolhas na hora do banho. Eu fui o √°rbitro final de quem come√ßou, quem foi o culpado e de quem foi a vez de tocar com o cobi√ßado bip azul e branco, guitarra eletr√īnica bopping. Era exaustivo, do ponto de vista dos pais e do emocional.

Agora que minhas duas meninas mais velhas est√£o no ensino m√©dio e no ensino m√©dio, elas sabem o que eu espero delas em termos de como elas se tratam. Estou educando minhas garotas para serem francas, opiniosas e defenderem sua posi√ß√£o, mas √© t√£o importante que temperem suas vontades com bondade e aprendam quando √© melhor deixar uma quest√£o escapar do que lutar por ela. Cada vez mais, estou deixando que eles resolvam seus pr√≥prios conflitos com a ajuda de nossas fam√≠lias “Regras b√°sicas para desentendimentos familiares”. Aqui est√£o cinco regras para domesticar a luta entre irm√£os:

1. N√£o venha correndo para mam√£e (ou pai).

Este é tanto para meu benefício quanto para o deles. Envolver-se nas disputas das minhas meninas é estressante, e agora suas divergências são mais sutis do que quando eram pequenas. Muitas vezes, os dois têm uma mão na razão da luta e retaliaram, tit-for-tat. Não é mais meu trabalho terminar, eles precisam gerenciar esses eventos por conta própria, mesmo que o resultado não seja o que eles queriam, ou até que seja justo. A luta pode durar mais tempo, mas eles quase sempre descobrem e se desculpam ou se afastam e seguem em frente.

2. Sem xingamentos.

Aos 14 e 11 anos, minhas filhas ouviram muitos ep√≠tetos desagrad√°veis ‚Äč‚Äče seus palavr√Ķes adjacentes. √Č tentador lan√ßar insultos um para o outro quando voc√™ est√° chateado. A regra em nossa casa n√£o √© de xingamentos ou cr√≠ticas pessoais cortantes. Em vez disso, tentamos focar no comportamento ou a√ß√£o. Dito isto, tenho certeza de que h√° muitos murm√ļrios sob a respira√ß√£o que acontecem. Contanto que ningu√©m ou√ßa e se machuque, isso n√£o aconteceu.

3. Coloque-se em um tempo limite.

Se você está perdendo a calma, é perfeitamente aceitável se desculpar da situação. O truque aqui é fazer com que a outra pessoa o deixe em paz por alguns minutos, para que você possa pensar direito. Era uma família que não suporta disputas não resolvidas, nem mesmo por alguns minutos, então minhas meninas estão sempre trabalhando nessa.

4)Não vamos ficar físicos.

Você pode achar que não é necessário dizer a sua adolescente e adolescente para manter as mãos sozinhas, mas você está errado. Minhas meninas não dão socos, mas ocasionalmente elas se enfrentam. Eles sabem que eu não vou tolerar bater, beliscar, arranhar, chutar ou puxar o cabelo. Cócegas, tombos e corridas de bumbum estão bem, desde que tudo seja divertido.

5. Escolha suas batalhas.

Se você puder, deixe para lá. Simples assim. Nem toda camiseta leve, comentário ou roubada vale a pena brigar.

Nem sempre é fácil para minhas garotas ou para eu seguir essas regras o tempo todo. Eu ainda me vejo arbitrando de vez em quando quando eu simplesmente não consigo suportar a confusão de irmãos brigando por um momento mais. Aprender a discordar de maneira justa e resolver conflitos exige prática.

Felizmente, acho que est√° afundando. Na outra manh√£, ouvi minha filha mais velha explicando √† sua irm√£ de 5 anos por que n√£o √© legal chamar algu√©m de “idiota”. N√£o sei ao certo qual foi o resultado, mas quando entrei na cozinha eles estavam comendo uma barra de chocolate contrabandeada juntos no caf√© da manh√£.

Problema resolvido.