contador gratuito Skip to content

Privacidade de adolescentes: a política de portas fechadas

Privacidade de adolescentes: a política de portas fechadas

Acontece. Em algum lugar entre as idades de 12 e 13 anos, seu filho começa a trancar a porta.

Lembro-me de me aproximar do quarto do meu filho há alguns anos, com a roupa empilhada no nariz, quando não conseguia girar a maçaneta da porta e irromper como sempre fazia no passado. Olhei para a maçaneta por um minuto e depois olhei de volta para o corredor para me certificar de que estava no lugar certo.

“Ol√°?” Liguei.

“O que?”

“Por que sua porta est√° trancada?” Eu perguntei incr√©dula.

“O que voc√™ quer?” ele chamou de volta, aparentemente exasperado.

Eu estava em choque. O que eu quero? Eu sou m√£e Tenho 15 libras de roupa que estou prestes a deixar cair e n√£o consigo abrir uma das portas da minha casa!

Meu filho, é claro, abriu a porta com o olhar padrão que eu não consigo acreditar que você está me incomodando.

Desde então, comprometemos. Ele não trava mais a porta, mas eu bato primeiro e me apresento: “Esta é sua mãe. Lembre de mim? Eu preciso falar com você por um minuto.

Em algum momento, seu filho quer mais privacidade e ele ou ela, assim como meu filho, podem começar a trancar a porta.

Desejar mais privacidade nesta fase é perfeitamente natural. Talvez seu filho queira dançar ao seu pop favorito. Talvez ela tenha algumas mensagens de texto ou telefonemas particulares que deseja fazer. Ou, ela poderia simplesmente querer ficar sozinha.

Seja qual for o motivo, isso vai acontecer. E quando isso acontecer, você precisará decidir onde traçará os limites quando se trata de privacidade de adolescentes.

Relaxe e deixe ir

“√Äs vezes, os pais ficam muito assustados quando os filhos come√ßam a trancar as portas do quarto, mas eles realmente precisam relaxar e n√£o assumir o pior”, diz Natasha Mueller, psic√≥loga.

Em seu guia para sobreviver à adolescência, o KidsHealth.org, patrocinado pela Nemours Foundation, recomenda aguardar até que você veja sinais de aviso de um problema antes de invadir a privacidade de seu filho.

“√Č importante que os pais saibam o que seus filhos est√£o fazendo e implementem restri√ß√Ķes on-line e controle dos pais”, diz Mueller. “Mas a coisa mais importante a fazer √© conversar com seus filhos sobre os perigos existentes e dar a eles a liberdade de fazer as escolhas certas.”

Você não pode esperar que seu filho se abra e compartilhe todos os pensamentos ou atividades com você o tempo todo. Mas, esperançosamente, todo esse bom treinamento começará, pois eles estão aprendendo a ser pessoas independentes.

Eles precisam saber que você os respeita e a necessidade deles de um certo grau de privacidade. Isso os ajudará a criar autoconfiança e independência. No entanto, eles precisam conquistar sua confiança primeiro.

Equilibrando privacidade e proteção

“A privacidade deve ser entendida como um privil√©gio”, diz o Dr. Mueller. “Se voc√™ acha que seu filho est√° envolvido em comportamentos de risco, chegue ao fundo das coisas.”

Os pais dos adolescentes estão constantemente oscilando nessa corda bamba, tentando encontrar um equilíbrio saudável entre saber o que seus filhos estão fazendo e confiar neles o suficiente para lhes permitir alguma privacidade.

Embora muitas vezes desejemos salvá-los de si mesmos, aprender com os erros também faz parte de crescer e se tornar uma pessoa melhor.

Encontrar o equil√≠brio significa entrar em contato com sua intui√ß√£o valiosa. Os pais devem dar uma folga quando o filho estiver exibindo responsabilidade e maturidade e se reerguerem quando o comportamento do filho iniciar uma preocupa√ß√£o com sua sa√ļde e seguran√ßa.

Este post foi publicado originalmente em 2009 e é atualizado regularmente.