Precisamos nos lembrar de que as crianças com grande vontade crescem e se tornam líderes

Precisamos nos lembrar de que as crianças com grande vontade crescem e se tornam líderes

Precisamos nos lembrar de que as crianças com grande vontade crescem e se tornam líderes

Elva Etienne / Getty

No outro dia, eu estava discutindo com minha filha de quatro anos, como sempre faço. Ela estava pedindo um sanduíche de queijo grelhado para o almoço, e eu estava dizendo a ela que não estávamos comendo sanduíches de queijo grelhado. Estávamos comendo sanduíches de manteiga de amendoim. Ainda não tinha começado a fazer nada. Eu estava pegando o pão e ouvindo minha garotinha com força de vontade afirmar sua opinião sobre o que deveríamos fazer para o almoço, porque, você sabe, é isso que ela faz.

Para algu√©m que n√£o pode dirigir e ganha dinheiro zero, ela tem opini√Ķes bastante fortes sobre onde vamos e o que comemos. Ela pisou no Moana Croc iluminado e insistiu. E ent√£o soltei algo que tento n√£o dizer, mas saiu antes que eu tivesse a chance de peg√°-lo. Provavelmente, ouvi dizer que meus pais contaram √† minha irm√£ mais velha um milh√£o de vezes porque ela tamb√©m tinha opini√Ķes fortes.

Você está sendo muito mandona hoje, eu disse.

Aspen colocou a mão no quadril do vestido estampado, olhou-me morta nos olhos e disse: Não sou mandão. Eu sou um líder. Algo que contamos a ela e, é claro, voltou em um círculo completo. Nem sempre?

Parei de discutir e apenas olhei para ela por um momento. Fiquei com algumas decis√Ķes como m√£e. Eu poderia continuar afirmando minha posi√ß√£o sobre toda essa quest√£o de manteiga de amendoim versus sandu√≠che de queijo grelhado. Eu poderia estabelecer a lei e esmagar seu pequeno esp√≠rito, porque eu sou a m√£e, o alfa e o √īmega, e ela n√£o tinha como me dizer, seu pai, o que est√°vamos almo√ßando. Seu irm√£o e irm√£ eram agrad√°veis ‚Äč‚Äčo suficiente, e eu n√£o estava com disposi√ß√£o para mais trabalho para aliment√°-los.

Mas ent√£o pensei no tipo de garota que queria criar. Francamente, quero que ela seja uma l√≠der. Quero que ela seja o tipo de mulher que enfrenta seu chefe. Quero que ela olhe nos olhos de um homem e diga a ele que n√£o ou sim, ou que saia ou fique ou o que precisar ser dito. Quero que ela se sinta confiante e capacitada quando o fizer. E claro, se estivermos olhando para a defini√ß√£o de lideran√ßa forte, bater o p√© e fazer exig√™ncias provavelmente n√£o se qualifica (administra√ß√£o atual de lado, √© claro). Mas ela tem quatro anos. Quero dizer, honestamente, n√£o se pode esperar que ela seja uma l√≠der forte ainda. Ela √© uma crian√ßa fofa e est√° indo bem na escola, mas ela tem … quatro.

Annie Otzen / Getty

O que ela fez, no entanto, foi identificar-se, nessa tenra idade, como líder. O fato de ela ter tido a intenção de olhar nos olhos de seu pai depois que ele a chamou de mandona, algo que ele não deveria estar dizendo em primeiro lugar, e depois corrigi-lo, foi surpreendente. Era exatamente o tipo de mulher que eu queria que ela fosse adulta.

Minha garotinha √© obstinada. Ela √© a mais nova, e a piada em nossa casa √© que, se ela fosse a primeira, ela seria a √ļltima. Ela foi a primeira a ser enviada ao escrit√≥rio de diretores por se recusar a fazer uma tarefa. Ela era a √ļnica crian√ßa que olhava m√£e, pai, av√≥, professores, realmente algu√©m na cara e dizia, hummm n√£o. E enquanto tantas pessoas usam nomes depreciativos para crian√ßas como ela – pirralha, cal√ßas autorit√°rias, problemas, para citar algumas – Aspen tem tantas qualidades que, se vistas em um adulto, seriam rotuladas como apaixonadas ou determinadas.

Aqui est√° o problema com os filhos de for√ßa de vontade: se pais e professores n√£o reprimirem, eles provavelmente crescer√£o e se tornar√£o adultos apaixonados, fortes, corajosos e independentes. Eles ser√£o os respons√°veis ‚Äč‚Äčpela mudan√ßa. Eles ser√£o os √ļnicos a se levantar em uma reuni√£o de trabalho e discordar. Eles ser√£o os √ļnicos a dizer: Mas voc√™ j√° tentou dessa maneira?

Nas crianças, porém, uma grande vontade é vista como um prejuízo e, francamente, temos que reorganizar a maneira como encaramos essas qualidades. Sei que não é fácil, é uma luta diária para mim, mas é necessário e vale a pena.

Ent√£o, voltando √†quele momento com a minha garotinha e os sandu√≠ches … eu a olhei diretamente no rosto. Pensei em como era importante para ela se identificar como l√≠der. Pensei em como estou com 30 e poucos anos e ainda n√£o me identifico como l√≠der. Pensei em como, no departamento de l√≠deres, ela j√° estava muito √† minha frente. Naturalmente, ter√≠amos toda a sua vida para ensin√°-la a agir como um bom l√≠der digno de ser seguido, mas, naquele momento, n√£o me afirmei. Em vez disso, eu disse: voc√™ est√° certo. Sinto muito por te chamar de mandona. Voc√™ √© um l√≠der e vou fazer um sandu√≠che de queijo grelhado para voc√™.

Ela me deu um olhar confiante e assentiu com satisfação, seus lábios enrugados.

Ent√£o, uma vez que o sandu√≠che estava pronto e cortado em tr√™s tri√Ęngulos, do jeito que ela gosta, eu me sentei diante dela √† mesa e disse: Vamos falar sobre o que significa ser um bom l√≠der. ‚ÄĚ