Por que tenho medo de falar sobre as necessidades especiais do meu filho

Por que tenho medo de falar sobre as necessidades especiais do meu filho

Adrian Wood

Amos √© meu delicioso quarto filho, a cereja no topo do bolo, e ainda assim suas necessidades especiais trazem complica√ß√Ķes √†s amizades. Ele tem quase 3 anos e ainda n√£o possui as palavras que o conectariam aos seus colegas; sua falta de linguagem e a brecha com seus colegas me deixam tamb√©m perdida e desconectada de meus pr√≥prios amigos.

Tento moderar o quanto divulgo sobre as necessidades especiais de Amos; demais pode ser apenas isso demais. Tenho motivos para acreditar que é uma conversa que deve ser temperada, porque há quem evite a conversa profunda demais comigo. Sinto o peso de seus pensamentos, e dói quando eles não são ditos ou quando você tenta amenizar as lacunas em seu desenvolvimento. Não preciso de incentivo para fingir que tudo ficará bem, mas preciso de sua amizade, de fazer perguntas e de ouvir. Talvez minha abertura sobre a realidade de criar um filho com necessidades especiais seja assustadora demais e talvez pareça deprimente para você. Ou é apenas mais do que você pode lidar ou mais do que você esperava em nossa amizade leve e arejada? Independentemente dos fundamentos, minhas necessidades especiais parecem assustar alguns amigos.

Se alguém entende, sou eu. Amos é mais do que eu esperava também. Ele pertence a mim, no entanto, e fui eu quem seguiu quando ele se aventurou no mundo. Conheço melhor que ninguém os momentos realmente difíceis, especialmente quando os minutos se acumulam em horas de frustração interminável. Esses tempos estão transbordando de lágrimas sem fim e lamentos lamentáveis, os quais são resplandecentes com uma batida cuidadosa na cabeça que me impulsiona nem que seja por um instante para pensar em como a vida teria sido fácil se eu tivesse parado com três filhos. Talvez isso pareça mal ou terrivelmente insensível, mas ofereço esse vislumbre do meu coração para que você saiba que a verdade também é difícil para mim.

Voc√™ tentar√° entender que √© ainda mais dif√≠cil se permanecer em sil√™ncio? √Č um estado auto-induzido em que estou aparentemente est√≥ico, mas por baixo h√° uma mistura letal de emo√ß√Ķes que afasta a no√ß√£o de enfrentamento real. √Č tudo um encobrimento cuidadoso, e muito parecido com o jogo de fingir que uma crian√ßa n√£o pode durar para sempre. Sim, todos n√≥s temos que crescer algum dia e enfrentar as sombras que se escondem dentro de n√≥s. Veja bem, o falar e a revela√ß√£o os afasta em suas carruagens de medo. Estou com medo e, se alguma vez precisei de uma vila, agora √©. Sentir-se alienado √© muito mais dif√≠cil do que administrar meu Amos.

Por favor, n√£o fuja. Volte e n√£o sinta a press√£o de n√£o saber o que dizer ou o que fazer. Isso tudo √© novo para mim tamb√©m. Minha vida era como a sua apenas um tipo comum e t√≠pico de fam√≠lia grande com dilemas tradicionais comuns. Eu ainda entendo tudo isso; Eu tamb√©m tenho todos esses. Eu prometo que posso conversar sobre roupa com os melhores e, sim, o supermercado e as expectativas de cozinhar refei√ß√Ķes saud√°veis ‚Äč‚Äčpara crian√ßas que gritam, exigindo hits do Fruit Loopsstill perto de casa para mim. Tento respeitar o seu espa√ßo, pois preciso de todos os amigos que conseguir.

N√£o quero que minha palestra sobre necessidades especiais o afaste, embora saiba que cruzo a linha t√™nue com muita frequ√™ncia e, no entanto, n√£o consigo me conter. Voc√™ vai aguentar comigo, s√≥ mais um pouco? Voc√™ sorri e diz “me desculpe” se pare√ßo chateada, ou me deito no sof√° e me falo sobre as √ļltimas fofocas? Voc√™ n√£o precisa tentar consertar as coisas ou sentir que precisa ocultar os feitos de seus filhos. Adoro v√™-los, e sim, meu cora√ß√£o d√≥i, mas posso ser e ser feliz por voc√™. Eu preciso de suas palavras; o sil√™ncio √© ensurdecedor, e preciso da sua voz para me lembrar da alegria impenetr√°vel que √© minha por ser tomada.