Por que n√£o levaremos nosso filho com ASD para tirar uma foto com o Papai Noel

Por que n√£o levaremos nosso filho com ASD para tirar uma foto com o Papai Noel

Por que n√£o levaremos nosso filho com ASD para tirar uma foto com o Papai Noel

Jorge Villalba / iStock

Recentemente, uma amiga minha postou online uma foto do filho sentado no colo do Papai Noel quando ele era bebê. Era uma foto querida, do tipo que muitos pais esperam, cheia de doçura e deleite.

Não temos uma foto assim, porque nunca levamos nosso filho para sentar no colo do Papai Noel. Nós nunca tentamos.

Mesmo antes de seu diagnóstico de transtorno do espectro autista, eu sabia que tentar tirar uma foto falharia. Carregá-lo no carro fora de sua rotina habitual o deixaria tenso. Se tivéssemos tentado à noite, acrescentaria um elemento de um incomum indesejado além de um dia de estímulo sensorial.

O shopping lotado, com ruídos ecoantes, cheiros estranhos, iluminação fluorescente incessante, lampejos de cores e movimento de muitas pessoas, poderia tê-lo levado a uma sobrecarga sensorial. Acrescente a isso o que poderia ter sido uma fila sem fim, cheia de crianças chorando potencialmente igualmente infelizes e isso poderia desencadear ainda mais estresse para o nosso filho.

E ainda por cima, sendo entregue a um estranho potencialmente aterrorizante que mal podia ser visto atr√°s de uma barba falsa. Tinha todos os ingredientes de uma cat√°strofe de colapso, e eu n√£o estava disposto a nos colocar nisso.

Ainda assim, vendo a foto ador√°vel do filho de meus amigos, sabendo que h√° um elemento cultural e tradicional para criar essa mem√≥ria e vendo os sentimentos ador√°veis ‚Äč‚Äčcapturados naquele momento, fiquei pensando por um momento se perd√≠amos alguma coisa.

Mas só por um momento.

Mesmo que eu não tivesse um nome para ela na época, o autismo sempre senti que a memória tradicional de uma foto no colo do Papai Noel não valeria a pena para mim quando eu sabia, por qualquer motivo, que poderia fazer meu filho ficar infeliz.

Tomei uma decisão no início de meus pais de renunciar às espécies tradicionais de coisas, se parecesse que tentar alcançá-lo não valeria o custo para obtê-lo.

Às vezes, temos um primeiro dia de aula na escola. Muitas vezes não, mas tiramos uma foto no final do ano. Tínhamos uma memória fotográfica, mas não no primeiro dia.

E tudo bem.

Se eu parasse para pensar sobre isso, provavelmente perdemos alguns eventos e experiências comuns porque escolhemos o conforto de nossos filhos em detrimento de uma tradição.

Mas qual é o sentido de participar de experiências tradicionais se não estamos realmente gostando delas? Ou pior, causando danos potenciais, forçando-nos a fazê-los, porque é uma tradição?

Acho que o √ļnico sentimento de que me lembraria seria a mis√©ria que experimentamos e a culpa por for√ß√°-la a acontecer.

Ent√£o, sim, nenhuma foto no colo do Papai Noel.

O que temos, em vez disso, é que nossos filhos confiam em nós que não o forçaremos através do inferno por uma tradição.

Para mim, esse é o melhor sentimento de todos.