Por que crianças do ensino fundamental provocam seus amigos e como domá-lo

Por que crianças do ensino fundamental provocam seus amigos e como domá-lo

Por que crianças do ensino fundamental provocam seus amigos e como domá-lo

Ilustração de Brett Mosser

Ohmigosh, tia Becky! Esse cara da minha turma começa o dia todo e é tão engraçado!

Esta foi a resposta do meu sobrinho de 7 anos à minha pergunta aparentemente simples: “Como você gosta da escola?”

Por um segundo, fiquei preocupado que o garoto estivesse sendo provocado e meu sobrinho se juntou. Ele me garantiu que o garoto começou a brincadeira por conta própria.

Dito isto, crianças, especialmente meninos, parece que nessa idade são propensas a provocar. Até amigos jogam frases como “Você é um bebê!” ou “Você é péssimo!” um ao outro.

O bom humor é uma coisa, mas, com o tempo, essas observações podem prejudicar a auto-estima, diz Jillian Gismondi, conselheira profissional licenciada do Centro de Soluções para Crianças e Famílias em Farmington Hills.

Aqui, ela esclarece por que as brincadeiras são tão comuns entre crianças em idade escolar, como pode ser útil de algumas maneiras e como garantir que seu filho não esteja cruzando uma linha.

Desenvolvendo habilidades linguísticas

As crianças podem se provocar por uma série de razões e cada caso é diferente, diz Gismondi. Poderia ser de boa índole, uma tentativa de humor ou um teste de situações sociais.

Por que as crianças fazem isso? Algumas razões principais estão frequentemente na raiz, observa HealthDay. Primeiro, eles estão aprendendo um novo idioma e cada vez mais impressionados com o jogo de palavras, como trocadilhos ou insultos.

Segundo, as crianças estão começando a perceber quais habilidades e características de seus colegas são admiráveis ​​e quais são diferentes das suas.

E um terceiro fator, o site da addshealth Verywell Family, poderia ser o ambiente de uma criança. Se pais e irmãos se provocam, é mais provável que uma criança entre na escola com o mesmo idioma e comportamento.

Seja qual for o motivo, fica claro que as crianças que provocam não pretendem necessariamente ser más. “Provocar não costuma prejudicar os sentimentos de alguém, enquanto a intenção por trás do bullying está tentando responder: ‘Como faço para prejudicar alguém?’, Seja físico, verbal ou emocional”, explica Gismondi.

Tirando a conversa do lixo

Provocar e intimidar sua contraparte mais sinistra pode ter efeitos terríveis na auto-estima das crianças ao longo do tempo. Vítimas e autores têm problemas na escola, diz Gismondi. As vítimas podem ter uma queda repentina nas notas, começar a se recusar a ir à escola ou até mesmo aumentar a depressão ou a ansiedade. Os agressores terão problemas para se controlar em salas de aula, extracurriculares e ambientes sociais.

“Eles não são capazes de aprender ou ter o maior sucesso possível porque estão preocupados com o que mais está acontecendo”, diz ela.

Se seu filho foi provocado, Gismondi sugere explorar maneiras de aumentar sua auto-estima.

“Encontre uma atividade que melhor se ajuste ao conjunto de habilidades, algo que eles sabem que podem se destacar”, diz ela, e verifique se a criança está 100% envolvida. “Você pode fazer isso fazendo uma lista (de atividades), analisando cada atividade separadamente e deixando a criança escolher uma ou duas.”

Se seu filho está recebendo ou entregando o fim da provocação, Gismondi enfatiza a discussão das diferenças no lar.

“É importante permitir que as crianças aprendam que todos temos experiências positivas e negativas; para ajudá-los a aprender como seguir em frente a partir de experiências negativas e ser a melhor pessoa que pudermos ”, diz ela. “Ensine as crianças a aceitar quem são e que precisamos aceitar os outros por quem eles são, mesmo que sejam diferentes.”

Sinais para observar em crianças

Não tem certeza se seu filho está sendo provocado? Lembre-se de algumas pistas, especialmente se ele ou ela não estiver disponível com detalhes.

Quando as crianças são provocadas a longo prazo, elas podem desenvolver ansiedades sociais. Esses problemas tendem a ter uma escalada lenta. Enquanto são provocadas, as crianças inicialmente tentam rebater insultos ou evitar o conflito. No entanto, se houver uma falta de intervenção de adultos, as crianças podem começar a agir, sabendo que não estão sendo ouvidas.

Gismondi sugere tentar resolver as coisas entre as crianças, provocando uma à outra, fazendo com que o teaser escreva uma nota de desculpas (ou orate uma para os pais escreverem) ou peça desculpas pessoalmente.

Se pedir desculpas não funcionar, procure ajuda da administração da escola ou mesmo através de aconselhamento.

“Em todas as situações com crianças, o aconselhamento pode ajudar a despertar sentimentos e ensina métodos de enfrentamento”, diz Gismondi.