Policiais e ladr√Ķes: jogo infantil √© suspenso por aluno de primeiro grau

Policiais e ladr√Ķes: jogo infantil √© suspenso

Policiais e ladr√Ķes: jogo infantil √© suspenso por aluno de primeiro grau

Copera√ß√Ķes e ladr√Ķes √© – ou, devo dizer, era – um elemento b√°sico da experi√™ncia americana de recreio. Mas os tempos mudaram. E, especialmente √† luz dos recentes eventos violentos, o mesmo ocorre com o modo como vemos as crian√ßas brincarem.

Ap√≥s o massacre na Sandy Hook Elementary School, em Newtown, Connecticut, discuss√Ķes sobre leis sobre armas, seguran√ßa escolar e sa√ļde mental foram noticiadas por toda parte. Agora, o jogo de policiais e ladr√Ķes entrou na arena dessas quest√Ķes importantes: um estudante de Trappe, Maryland, de 6 anos de idade, foi suspenso por fazer gestos imagin√°rios com outro aluno durante o recreio.

Era um dia t√≠pico no parquinho, disse a m√£e da crian√ßa suspensa, Teri Bildstein, em um artigo publicado no The Star Democrat. Dois filhos – um deles filho – estavam brincando de policiais e ladr√Ķes. E, no decorrer do jogo, os estudantes estavam apontando suas figuras, criando gestos que imitam as armas, na tentativa de “capturar” um ao outro. Mas outro aluno, que estava assistindo, relatou o comportamento a um membro da equipe, que informou a diretora da Escola B√°sica White Marsh Marcia Sprankle.

Após o incidente, Sprankle suspendeu a primeira série envolvida no jogo no pátio da escola, causando indignação por parte de seus pais Рe muitos outros.

“Essa √© facilmente a coisa mais rid√≠cula que eu j√° ouvi”, o pai do aluno, sargento do Ex√©rcito. Stephen Grafton, disse ao The Star Democrat: “Este, um ato de brincadeira completamente inofensivo no recreio, n√£o foi de forma alguma uma ofensa que justificasse uma suspens√£o”.

Outros concordam com o pai zangado. “Se voc√™ pensou que ‘toler√Ęncia zero’ era ruim antes, ainda n√£o viu nada”, escreve o blogueiro Doug Johnson no Whizbang. “Maryland est√° lutando (e vencendo) uma guerra contra meninos pr√©-adolescentes e sua imagina√ß√£o.”

Alguns, no entanto, questionam o qu√£o assustador esse tipo de “brincadeira” pode realmente ser. “Eu me pergunto sobre o aluno que relatou (os) dois alunos da primeira s√©rie (que) estavam usando as m√£os para imitar uma arma”, comentou EmmyEmEmEm em um artigo publicado no New York Daily News. “Esse aluno se sentiu amea√ßado?”

Embora Sprankle n√£o tenha respondido publicamente sobre o incidente, ela garantiu aos pais do menino que sua suspens√£o seria revogada e removida de seu registro permanente, segundo o The Star Democrat.

Mas a realidade √© que esse incidente n√£o √© √ļnico. De fato, acrescenta The Star Democrat, a suspens√£o do White Marsh ocorreu depois que outro aluno de Maryland – tamb√©m com 6 anos de idade – da Escola Prim√°ria Roscoe R. Nix foi suspenso por apontar o dedo para outro aluno e dizer “pow”. (Essa escola fica em Silver Spring, Maryland, a cerca de 130 quil√īmetros de dist√Ęncia.)

“Em todo o pa√≠s, h√° pais passando por isso”, disse Bildstein ao The Star Democrat. “As coisas precisam mudar.”

√Č bastante evidente que a linha entre disciplina e rea√ß√£o exagerada √© cada vez menor. N√£o h√° d√ļvida de que o debate para definir a “linha” entre brincadeira e comportamento amea√ßador continuar√° aparecendo nas escolas, bairros – at√© mesmo em sua pr√≥pria casa.