Pensamento distorcido e transtorno do pânico

Pensamento distorcido e transtorno do pânico

Pessoas com transtorno do pânico costumam ter pensamentos negativos com crenças contraproducentes. Este é especialmente o caso durante um ataque de pânico, quando sua voz interior pode amplificar seus medos e ansiedade. Por exemplo, quando o pânico se instala, você pode acreditar que realmente vai parar de respirar ou que está realmente ficando louco.

Listados abaixo estão alguns pensamentos irracionais que são comuns entre pessoas com transtornos de ansiedade. Para mudar sua mentalidade, você deve primeiro tomar consciência desses padrões de pensamento que são uma parte subjacente do seu pânico.

Previsão

Quando você está prevendo, está prevendo um evento futuro que não aconteceu. Pessoas com transtorno do pânico costumam prever que o pior vai acontecer. Por exemplo, se você tem medo de voar, enquanto estiver em um avião, pode pensar: “Essa turbulência é assustadora, eu sei que algo está errado com o avião”. Ou se você tem agorafobia e tem medo de sair de casa, pode pensar: “Se eu for, sei que terei um ataque de pânico”.

O problema do prognóstico é que ele apenas alimenta sua ansiedade, deixando você com mais medo. À medida que crescem os sentimentos de pânico, seu padrão de pensamento fica mais fora de controle. Sua perspectiva pode se transformar em crenças como “Eu sei que este avião cairá” ou “Se eu tiver um ataque de pânico em público, ficarei louco e preciso me comprometer”.

Auto-derrota

As pessoas propensas à ansiedade e ao pânico tendem a usar as palavras “deveriam”, “deveriam” ou “deveriam” ao descrever a si mesmas e sua situação. Você tem crenças como: “Devo ter calma nos aviões”, “Devo me sentir à vontade em público” ou “Devo ser um fracasso”. Tais auto-julgamentos não são úteis para reduzir sua ansiedade.

Em vez disso, você se sente sobrecarregado por pensamentos contraproducentes. Você pode começar a se culpar por ter um distúrbio de pânico, acreditando ser algum tipo de defeito de sua parte. Você também pode usar insultos, como dizer a si mesmo que é “patético” ou “fraco”. Isso pode até levar a generalizações excessivas nas quais você pensa que “nunca se sentirá bem em público” ou que “sempre se sentirá desconfortável”. Todos esses pensamentos destrutivos aumentam a sensação de desamparo, tornando o transtorno do pânico ainda mais avassalador.

Leitura de mente

O nervosismo é geralmente aumentado quando acreditamos que estamos sendo julgados pelos outros. Aqueles com transtorno do pânico muitas vezes sentem que os desaprovam, alimentando ainda mais sentimentos de culpa e preocupação. Mesmo que não haja evidências de que outras pessoas o estejam avaliando criticamente, você ainda acredita que os outros têm aversão a você. Você pode agradar as pessoas, querer ser amado e visto como perfeito pelos outros. Você também pode se sentir inferior aos outros, pensando que não está à altura.

Quando você lê mentalmente, pensa: “Posso dizer pelo rosto da aeromoça que há um problema sério com o avião”. Ou, enquanto você está em público, pensa: “Essa pessoa pode dizer que estou nervoso. Ele me acha neurótico.” Como você pode ver, essas declarações internas apenas fazem crescer sua apreensão.

Como mudar seu pensamento

Esses processos destrutivos de pensamento estão contribuindo para a sua experiência com o transtorno do pânico. Você reconhece seus padrões de pensamento em algum desses sistemas de crenças? Para mudar sua maneira de pensar, você deve primeiro reconhecer seus pensamentos típicos. Para começar a trocar, leve consigo um caderno e uma caneta e, ao longo do dia, tente anotar todos os pensamentos prejudiciais que notar. No final do dia, você pode se surpreender com o número de vezes que teve pensamentos negativos semelhantes aos listados aqui.

Agora que você os escreveu, reserve um tempo para escrever uma declaração mais construtiva. Por exemplo, digamos que você escreveu “Devo me preocupar menos e controlar”. Tente substituir esse pensamento negativo por uma afirmação do tipo: “Alguns dias são melhores que outros, mas sei que estou fazendo o possível para superar a ansiedade e o pânico”. Enquanto você estiver em público, você pode pensar: “Eu sei que ela apenas olhou para mim e acha que sinto muito”. Substitua por “Ela apenas olhou para mim porque eu entrei na loja. Tenho certeza que ela estava pensando em sua própria vida”. Quanto mais você se conscientizar do seu processo de pensamento, mais fácil será mudá-lo. Com o tempo, suas visões de você e do mundo ao seu redor se tornarão uma imagem mais otimista.