Pare de pagar seus filhos por tudo

Pare de pagar seus filhos por tudo

Pare de pagar seus filhos por tudo

Mam√£e assustadora e Malte Mueller / Getty

Meus tr√™s filhos s√£o ativos e atl√©ticos e cada um pratica tr√™s esportes por ano. Little League, futebol e basquete est√£o repetindo. Minha filha mais velha tem quase nove anos e meus g√™meos, seis. Portanto, o n√≠vel de competi√ß√£o e a press√£o para vencer n√£o s√£o da intensidade que sei que se tornar√° se eles continuarem praticando esportes no ensino m√©dio e m√©dio. As crian√ßas querem vencer, mas os objetivos agora s√£o foco e esfor√ßo. Para algumas crian√ßas, esses objetivos s√£o alcan√ßados apenas atrav√©s de nega√ß√Ķes e subornos. Vou te dar um d√≥lar se voc√™ balan√ßar o bast√£o. Vou comprar uma casquinha de sorvete se voc√™ marcar um gol. Basta chegar l√° com sua equipe hoje e comprarei um pr√™mio para voc√™ no caminho de casa.

Não. Não. Pare com isso. Não devemos pagar nossos filhos por conquistas esportivas. O mesmo vale para notas e decência humana básica.

Não estou nem perto de ser um pai perfeito, nem quero ser, mas tenho alguns resultados desejados que quero ver em meus filhos com base em meus pais. Uma dessas características é a capacidade de se motivar para trabalhar duro e fazer boas escolhas. Em nossa casa, boas escolhas incluem se recompor, ser respeitoso na escola e nos campos ou quadras esportivas e fazer o seu melhor, não importa qual seja a sua melhor aparência no momento.

Ser humano √© complicado e, √†s vezes, o melhor esfor√ßo da crian√ßa resulta em uma pontua√ß√£o abaixo da m√©dia, em um jogo de basquete de merda ou em um colapso na hora de dormir enquanto escovar os dentes. Alguns dias s√£o mais f√°ceis que outros; expectativas e consequ√™ncias podem existir, mas nunca h√° recompensas por bom comportamento, notas ou realiza√ß√Ķes esportivas.

Além de ser um sinal de privilégio que muitos não têm, recompensas monetárias ou tangíveis não são suficientes para manter as crianças motivadas. A motivação interna, ou motivação intrínseca, vem de um lugar de gratificação e orgulho. A motivação externa, ou motivação extrínseca, vem de uma recompensa. Ambas as formas de motivação podem levar a sentir-se bem e a obter resultados que os pais desejam (ou seja, boas notas, um atleta de destaque, uma criança que lava a louça), mas a motivação extrínseca não leva a resultados de qualidade a longo prazo.

Pagar nossos filhos para tirar boas notas ou marcar mais gols pode ser uma solu√ß√£o r√°pida para o que √© visto como um d√©ficit, mas uma crian√ßa que encontra motiva√ß√£o dentro de si √© mais propensa a desenvolver h√°bitos e habilidades saud√°veis ‚Äč‚Äčpara obter os resultados desejados e necess√°rios. alcan√ßar seus objetivos.

Nesse sentido, um artigo da Atlantic argumentou contra os gr√°ficos de adesivos porque eles criaram um “o que h√° nele para mim?” mentalidade, criando uma economia de recompensa dentro de casa. Nossas intera√ß√Ķes e motivadores s√£o transacionais e materialistas. A certa altura, as recompensas precisam aumentar para que uma tarefa ou resultado valha a pena. Esta √© uma √≥tima maneira de preparar voc√™ e seu filho para fracassos e decep√ß√Ķes.

Como ex-treinador de rugby do ensino m√©dio, nem eu nem meus jogadores medimos o sucesso de uma temporada nas realiza√ß√Ķes individuais ou de equipe que aconteceram no dia do jogo. Os objetivos da equipe nunca inclu√≠ram campeonatos ou estat√≠sticas. O foco n√£o estava nos pontos marcados ou no n√ļmero de tackles ou vit√≥rias; n√≥s n√£o nos preocupamos com a quantidade. Eu preguei e eles praticavam a qualidade de suas pe√ßas. Tamb√©m conversamos sobre confian√ßa e suporte. Ningu√©m na equipe tinha como objetivo salvar algu√©m, mas todos eles tinham que aparecer e fazer o seu trabalho como um companheiro de equipe. Se eles quisessem fazer isso em campo, eles precisariam faz√™-lo na sala de aula e em casa tamb√©m. Passar notas e atender √†s expectativas de comportamento em casa foram o que permitiu aos meus atletas praticar e jogar no dia do jogo.

Jose Luis Pelaez Inc / Getty

Conclusão: se você queria fazer parte da equipe, precisava ganhar.

Como a maioria dos meus jogadores não veio de famílias que tinham recursos extras para subornar seus filhos para se saírem bem na escola ou em casa, a motivação teve que vir de dentro. O esporte em si se tornou o motivador, o que poderia ser considerado uma motivação extrínseca, mas, neste caso, foi o melhor para muitas das meninas que eu treinei. Foi divertido estar no time. Havia um enorme orgulho de uma prática difícil. Havia um sentimento de pertença e o desejo de contar. Não me lembro de temporadas baseadas em vitórias, mas sempre lembrarei do diretor atlético me dizendo o quanto ele valorizava o programa de rugby porque meus jogadores eram os que corriam maior risco de não se formar. Eles corriam o risco de outros comportamentos arriscados também, e o esporte os mantinha longe de problemas.

√Č mais prov√°vel que voc√™ crie pirralhos autorizados que s√≥ fazem a coisa certa se os beneficia do que criar humanos conscientes que pensam nos outros e v√™em a realiza√ß√£o real como recompensa.

Meus jogadores desenvolveram h√°bitos de trabalho saud√°veis ‚Äč‚Äče foram mostrados os benef√≠cios desses h√°bitos. N√£o havia trof√©us ou pr√™mios a serem ganhos. Eles tiveram que encontrar uma maneira de fazer isso por si mesmos. N√£o h√° problema em pedir ajuda e precisar de raz√Ķes para ter sucesso, porque qual √© o sentido do sangue, suor e l√°grimas se n√£o encontrarmos prazer ou vermos pelo menos alguns dos resultados que desejamos? Mas os motivos devem se basear na qualidade e n√£o na quantidade. Os jogadores do meu time foram embora com dignidade e diplomas do ensino m√©dio.

√Č totalmente bom sair para comer pizza ou sorvete ap√≥s o jogo, mas nossos filhos n√£o devem esperar recompensas por desempenho. E estudar para obter US $ 20 por boas notas n√£o ensina h√°bitos ao longo da vida de trabalho duro e disciplina. Pare de pagar seus filhos, porque vai sair pela culatra. √Č mais prov√°vel que voc√™ crie pirralhos autorizados que s√≥ fazem a coisa certa se os beneficia do que criar humanos conscientes que pensam nos outros e v√™em a realiza√ß√£o real como recompensa.

Nossos filhos ser√£o companheiros de quarto, colegas de trabalho e poss√≠veis parceiros ou c√īnjuges algum dia. Ningu√©m quer lidar com um idiota que joga a toalha quando as situa√ß√Ķes s√£o dif√≠ceis ou assustadoras se elas n√£o forem prometidas primeiro fama e fortuna.