Pais gentis nem sempre s√£o f√°ceis, mas s√£o gratificantes

Pais gentis nem sempre s√£o f√°ceis, mas s√£o gratificantes

Cortesia de Caila Smith

Acho que todos os pais foram informados de que estão estragando os filhos de uma maneira ou de outra. Se isso aconteceu cara a cara, através de alguma forma agressiva passiva nas mídias sociais, ou até mesmo um grupo de mamãe que nos fez afundar um pouco mais em nosso assento enquanto muitos globos oculares apontavam em nossa direção, todos nós estivemos lá.

Ainda assim, mesmo que estejamos todos juntos nessa infeliz vergonha dos pais, isso n√£o significa que a press√£o externa de cada Susan e Karen l√° fora n√£o fique sob a nossa pele – porque sim. √Č dif√≠cil ser pai quando tudo o que voc√™ faz √© criticado por pelo menos uma pessoa por a√≠, especialmente quando o que voc√™ mais critica √© o cuidador amoroso e atencioso que seu filho precisa que voc√™ seja.

Estou falando do julgamento que nos diz que n√£o devemos aconchegar nossos beb√™s para dormir. Voc√™ sabe, com medo de que eles se tornem “muito apegados” √† sua nova mam√£e ou papai. Disseram-nos que amamentar nosso beb√™ sob demanda, em vez de seguir um cronograma r√≠gido de tr√™s horas, tornar√° nosso beb√™ “mimado” (como se isso fosse uma coisa). Se acordarmos pela quinta vez em uma noite e decidirmos embalar nosso beb√™ para dormir mais uma vez, estaremos criando “maus h√°bitos”.

Cortesia de Caila Smith

Mesmo quando essa parentalidade gentil vem de um lugar de amor e um desejo de fazer tudo ao nosso alcance “certo”, novos pais ainda n√£o conseguem vencer a sociedade. Mas e se mudarmos a narrativa para se ajustar um pouco √† perspectiva de um adulto?

Quando os adultos estão chateados e derramando uma ou duas lágrimas, às vezes é necessário um toque suave ou um abraço apertado de um ente querido. Nas noites em que estamos muito inquietos para dormir, desfrutamos e apreciamos a proximidade do nosso parceiro para nos fazer companhia. Se acordamos doendo e diminuindo a contagem com febre, é reconfortante quando alguém está ao nosso lado e ansioso para cuidar de nós até ficarmos melhores.

Nenhuma dessas coisas é mal vista quando se trata de adultos; então, por que somos tão incrivelmente duros com crianças Рbebês, crianças pequenas e pré-escolares?

Cortesia de Caila Smith

N√£o acredito que tenho que reiterar isso, mas a √ļnica maneira de um beb√™ se comunicar √© atrav√©s do lamento e do choro. Podemos adivinhar o que eles querem e, sim, como pais, provavelmente avaliamos suas necessidades corretamente 99% das vezes, mas apenas um tolo admitiria ser onisciente.

Nos momentos em que nos sentimos inseguros e nosso cora√ß√£o se parte por nossos filhos, fazemos a √ļnica coisa que resta a fazer e estendemos os bra√ßos para eles. N√≥s os seguramos enquanto eles resolvem os problemas da barriga, apertamos-os com mais for√ßa enquanto cortam um grande dente malvado e os embalamos para dormir dez vezes por noite com p√°lpebras ca√≠das quando necess√°rio.

Isso não está errado. Essas são as coisas que os pais devemos fazer Рas coisas que nossos bebês precisar para fazermos, a fim de criar um vínculo saudável, duradouro e amoroso. A necessidade de nossos filhos por nós não tem limites (diz a mãe que ficava acordada a cada hora, na hora com sua filha de cinco anos nesta semana). Nunca estamos fora do gancho no que diz respeito às altas exigências impostas aos nossos ombros como pais de uma pessoa pequena, e isso realmente é tão curto.

Já podemos normalizar isso para o bem de nossos bebês?

N√£o existe um n√ļmero m√°gico na idade em que nossos filhos parem de precisar de n√≥s, nem devem se sentir “grandes demais” para que seus pais deixem de ser intencionais com a maneira como s√£o cuidados.

As crian√ßas pequenas ainda n√£o conseguem controlar suas emo√ß√Ķes, e at√© alguns (quase todos) adultos lutam com ela de tempos em tempos. Leva anos e anos para ensinar nossos filhos a viver neste mundo grande e grande que pode ser bastante intimidador, mesmo para os mais bravos de todos. E como pai, √© nossa responsabilidade ajud√°-los a navegar nele. Para n√£o dizer, desculpe, garoto. Voc√™ est√° por conta pr√≥pria para este.

Como devemos ensinar-lhes as cordas corretamente com uma mentalidade de “amor duro” t√£o constante?

Cortesia de Caila Smith

Nenhum de nossos filhos √© id√™ntico, e isso requer uma ampla gama de m√£es e pais que voam de todas as formas. Todos n√≥s somos pais √ļnicos, criando um enorme caleidosc√≥pio de educa√ß√£o, gera√ß√£o ap√≥s gera√ß√£o, e isso √© uma coisa de beleza para este mundo. Ao mesmo tempo, n√£o devemos ser t√£o intolerantes com os seres mais preciosos e valorizados do mundo porque vivemos em uma sociedade que n√£o economiza espa√ßo para as crian√ßas terem emo√ß√Ķes aut√™nticas, inseguran√ßas, medos e necessidades.

Serei o primeiro a admitir que nem sempre é divertido acordar com um bebê que grita muitas vezes durante a noite. Mas por mais que nem sempre seja divertido para mim, tenho que considerar o quão divertido não é para o meu filho ao mesmo tempo. Ninguém quer gritar até que a garganta esteja seca, arranhada e dolorida. Ninguém quer ser mal interpretado e, portanto, sozinho, por causa disso. E isso inclui um bebê também.

Cortesia de Caila Smith

√Äs vezes eu grito internamente: “Voc√™ est√° brincando comigo ?!” quando uma de minhas crian√ßas de cinco anos insiste em precisar de outra bebida no meio da noite. Ent√£o lembro quantas vezes encho minha x√≠cara do anoitecer at√© o amanhecer e qu√£o pouco √© necess√°rio para encher meus filhos. Frozen 2garrafa de √°gua uma √ļltima vez.

Essas são as coisas que faço pelos meus filhos que algumas pessoas podem considerar exageradas, mas não peço desculpas pela maneira como escolho ser mãe.

Se por nada mais, eu não quero olhar para trás nesses dias breves e fugazes que me foram dados com meus filhos com profundo pesar. Acredito que você nunca desejaria ter passado menos tempo cuidando e sendo intencional com seu filho.

Parentalidade gentil nem sempre é o caminho mais fácil, mas não se engane, é tão recompensador.