O que aprendi sobre bebês e sono

O que aprendi sobre bebês e sono

Minha introdução ao mundo misterioso das crianças e do sono foi meu enteado de 3 anos que costumava dar um rabo no raboao nascer do sol, o que me pareceu ímpio. Eu tinha certeza de que poderia ensinar meus próprios filhos a serem diferentes, mais razoáveis.

Minha primeira filha foi arrancada, voltada para o mundo um ano depois. Skin-on-skin estava com papai, porque fui levado para pontos e controle de danos.

Naquela noite, tentei aliment√°-la, troquei-a e envolvi-a e coloquei-a na cama de pl√°stico transparente ao lado da minha cama do hospital – uma dist√Ęncia recomendada e segura para dormir. Minha filha chorou. Eu queria fazer certo. Tentei aliment√°-la novamente e verifiquei se ela precisava mudar. Eu a envolvi e a coloquei na cama de pl√°stico ao lado da minha cama do hospital, a uma dist√Ęncia segura de mim para dormir. Minha filha continuou a chorar.

Uma parteira da enfermaria entrou, me colocou na cama e colocou minha filha na dobra do meu braço ao meu lado. Minha filha dormiu.

Eu estava apavorado. Eu pensei: não é assim que eu quero que seja.

Eu não queria co-dormir. Nós embalamos e usamos uma chupeta. Na idade recomendada, tirei a chupeta. Aos 5 meses, ela entrou em greve. Quando ela ficou mais velha, eu a deixei chorar. Eu estava determinado a criar um bom sono. Eu estava muito focado nos resultados para considerar se estava ou não feliz com o tipo de mãe que eu era no momento. Sendo acordado às 5:45 da manhã chorando por quase dois anos me salvou pilhas de despertadores de rádio.

Agora eu aprendi: Às vezes, os bebês apenas se preocupam em estar perto da mãe. Isso é o que os bebês fazem.

Minha segunda filha chegou calmamente à euforia de um gás epidural e risonho. A ruiva de aparência ardente era tão plácida quanto Gandhi. Durante pele a pele, eu a recebi em família e pedi desculpas pela violência no mundo, prometendo que ela estava em boas mãos.

Duas horas após o nascimento, ela era um maço de cobertores para dormir na cama ao lado da minha cama de hospital. Aos 3 meses, ela dormiu 19:00 às 7 da manhã. E aos 20 meses ainda desfruta de uma soneca de duas horas à tarde, mergulhando sob as cobertas, polegar na boca. Eu finalmente tinha quebrado essa coisa de dormir com a maternidade?

Agora eu aprendi: alguns bebês são bebês sonolentos. Alguns bebês não são.

Minha terceira filha surgiu com um punho cerrado acima da cabe√ßa como um guerreiro. Apertando meu mamilo, eu sabia que t√≠nhamos outro beb√™ amarrado na l√≠ngua. Uma pequena gigante ventosa com uma l√≠ngua curta que respirava muito durante as refei√ß√Ķes e subseq√ľentemente gritava aleatoriamente enquanto dormia.

Eu aprendi: alguns bebês precisam mamar. Isso é exatamente o que alguns bebês precisam fazer.

O stargazer. O pacifista. A Amaz√īnia.

Três meninas me ensinaram que os bebês também são pessoas. Indivíduos com suas próprias preferências e fraquezas. Não escolhemos quem são nossos bebês, nem a cor do cabelo, a cor dos olhos, o temperamento ou o ritmo circadiano.

Aprendi: dormir é como a água.

O sono pode ser dirigido, mas nunca controlado. Eu me arrependo de como eu fui mãe antes de entender isso, principalmente sobre o quanto eu estava duro comigo mesma, por ignorar meu instinto sobre com que tipo de parentalidade eu estava mais confortável. Nós não determinamos seus resultados. Nós escolhemos apenas que tipo de mãe somos no momento, não o resultado final.

Eu aprendi: Parenting n√£o est√° controlando. Parenting n√£o est√° criando. A paternidade est√° respondendo.

Embora possamos usar a ci√™ncia para influenciar nossas decis√Ķes, a paternidade n√£o √© uma ci√™ncia. Ser pai √© uma arte, se estiver fazendo certo. No entanto, tenho quase certeza de que n√£o.

Aprendi que ainda estou aprendendo. Eu posso dormir depois.