contador gratuito Saltar al contenido

O pré-natal inadequado em gestações subsequentes é mais provável, revela estudo

O pré-natal inadequado em gestações subsequentes é mais provável, revela estudo

As mães cujo primeiro filho foi levado para cuidados fora de casa tiveram um pré-natal inadequado ou nenhum durante as gestações subsequentes, diz um novo estudo. Leia também – Diabetes aumenta seu risco de câncer: especialistas culpam danos no DNA

Leia também – Você é diabético? Cuidado com desordens da pele

Os cuidados fora de casa são um regime temporário, médio ou longo prazo para crianças e jovens que não podem morar na casa da família. Leia também – Você está experimentando um rápido ganho de peso? 5 condições médicas que podem estar por trás disso

O estudo mostrou que as chances de ter um pré-natal inadequado eram quatro vezes maiores para as mulheres que tiveram seu primeiro filho sob cuidados do que para as mulheres que não tiveram seu primeiro filho sob cuidados.

Foi conduzido na província canadense de Manitoba, que possui uma das maiores taxas de crianças em atendimento domiciliar nos países desenvolvidos.

Cerca de 3% das crianças vivem em casas sem cuidadores parentais, em comparação com uma taxa de 1% das crianças na maioria dos países desenvolvidos.

Para o estudo, foram incluídas 52.438 mães, das quais 1.284 tiveram seu primeiro filho em tratamento fora de casa antes de conceber um segundo filho.

Essas mães eram mais propensas a ter um transtorno pelo uso de substâncias, moram em bairros urbanos e de baixa renda, recebem assistência de renda e têm diabetes.

Eles também têm 46% mais chances de receber assistência pré-natal inadequada do que as mulheres cujos filhos não foram atendidos, disse o estudo publicado na Jornal da Associação Médica Canadense.

“Pesquisas anteriores identificaram o medo de detecção ou envolvimento com os serviços de proteção à criança como uma barreira importante para mulheres grávidas em risco, potencialmente levando ao desligamento, à evitação ou atraso na apresentação ao pré-natal”, observou Elizabeth Wall-Wieler, da Universidade de Stanford nos E.U.A.

Fonte: IANS

Publicado: 25 de fevereiro de 2019 21:09