N√£o consigo parar de dizer esta frase aos meus filhos por causa da minha ansiedade

N√£o consigo parar de dizer esta frase aos meus filhos por causa da minha ansiedade

N√£o consigo parar de dizer esta frase aos meus filhos por causa da minha ansiedade

Mam√£e assustadora e DmitriMaruta / Getty

Assim que as portas da minivan se abrem, digo aos meus filhos: vão direto para a calçada e esperam por mim. Acabamos de chegar ao nosso parque favorito, prontos para gastar uma energia séria.

Verdade seja dita, este parque √© o nosso favorito porque √© meu favorito. Est√° convenientemente localizado a apenas alguns quil√īmetros de nossa casa. Mas a verdadeira raz√£o de eu preferir este parque √© que sinto que √© o mais seguro. O playground fica longe do estacionamento, onde os motoristas distra√≠dos se viram quando est√£o perdidos. O lago de pesca est√° longe o suficiente para n√£o me preocupar que um dos meus filhos caia ao brincar de etiqueta com os amigos. Sempre h√° algumas fam√≠lias presentes, ent√£o o local n√£o est√° deserto, mas tamb√©m n√£o est√° lotado.

Pego minha bolsa e a bolsa térmica que contém garrafas de água e barras de granola e pego meu bebê pela mão. Meus três filhos mais velhos correm em direção ao parque infantil, correndo para ver quem pode ser o primeiro a descer o escorregador.

Quando chego ao parquinho e coloco nossas malas em um banco na sombra, minha criança puxa sua mão da minha, correndo com força total para seus irmãos mais velhos. E eu chamo a frase muito familiar, tenha cuidado!

tiburonstudios / Getty

A verdade √© que digo aos meus filhos para terem cuidado o tempo todo. Antes de entrarmos no estacionamento de uma loja ou entrarmos em uma piscina, estou gritando, implorando para que tomem consci√™ncia de suas a√ß√Ķes. Outras varia√ß√Ķes incluem incitar meus filhos a fazer escolhas seguras, cuidar de crian√ßas menores e menores e desacelerar.

Talvez pareça im paranóico e exagerado, mas a verdade é que sei exatamente por que sou a polícia de segurança vigilante e auto-identificada.

Por causa da minha batalha ao longo da vida com a ansiedade, sou perpetuamente atormentado pelo medo de que algo aconteça com um dos meus filhos. Eu ouvi muitas histórias de acidentes estranhos ao longo dos anos que me assombram, o que me levou a avisar meus filhos do perigo.

Por exemplo, h√° a hist√≥ria da jovem jogadora de softbol que deixou seu refrigerante sem vigil√Ęncia e voltou para tomar uma bebida, engolindo uma abelha. Ela era al√©rgica a abelhas. Ou o garotinho que estava assistindo seu pai consertar o carro quando a porta da garagem de alguma forma se soltou, esmagando o garoto at√© a morte. Ou a av√≥ que estacionou o carro e apertou os bot√Ķes da janela autom√°tica, estrangulando o neto cuja cabe√ßa estava pendurada pela janela.

Perturbador? Pode apostar. Memor√°vel. Definitivamente. Um pior pesadelo para as m√£es.

Ser hiper vigilante é sobre segurança, é claro, mas também sobre ansiedade. O que poderia acontecer é aterrorizante. Eu me perguntei se minha ansiedade, por todas as suas muitas falhas, me deu um presente. Seus acelerados instintos maternais e protetores. Afinal, não é um trabalho definitivo para os pais garantir que meus filhos estejam seguros?

Estou constantemente lutando contra a tenta√ß√£o de usar o modo m√£e de helic√≥ptero. E percebo que, se n√£o me controlar, vou advertir demais meus filhos de sua inf√Ęncia feliz.

Algumas das minhas preocupa√ß√Ķes s√£o v√°lidas, como a √ļnica vez em que meus filhos seguram estrelinhas. Deus me ajude. Fa√ßo-os manter os bra√ßos o mais firmes e estendidos o mais longe poss√≠vel, quando seguram o maldito bast√£o de fogo que praticamente grita queimadura de segundo grau.

√Č claro que lembro como era m√°gico segurar estrelinhas quando crian√ßa. Meus primos e eu nos alinhavamos e nossos pais desciam a linha iluminando as pontas. As m√£es tiravam fotos enquanto meus primos e eu escrev√≠amos nossos nomes durante a noite no ar.

Existem perigos muito reais que os pais modernos enfrentam quando se trata de nossos filhos. Um perigo mais estranho foi levado a um n√≠vel totalmente novo com o aumento do tr√°fico sexual de crian√ßas. Preocupamo-nos com o que o acesso √†s m√≠dias sociais far√° √† sa√ļde mental de nossas crian√ßas, bem como √† sua seguran√ßa f√≠sica. Conhecemos a realidade de que muitas pessoas n√£o armazenam armas adequadamente em suas casas, deixando-as acess√≠veis √†s crian√ßas.

Depois, h√° uma longa luta dos pais em ensinar nossos filhos sobre drogas e √°lcool. Temos que deix√°-los aprender a dirigir um carro. E depois h√° aqueles relacionamentos rom√Ęnticos entre adolescentes (ou seja, sexo).

N√£o quero desperdi√ßar nenhuma parte da inf√Ęncia de meus filhos com minha paran√≥ia sobre as coisas ruins que poderiam, mas provavelmente n√£o acontecer√£o. Mas n√£o posso desligar minha ansiedade. N√£o com medita√ß√£o, ou com sono e exerc√≠cios suficientes, ou com receita m√©dica, suplementos ou terapia.

tiburonstudios / Getty

Estou conectado como estou conectado. E embora eu certamente tenha muito menos medo do que tinha três filhos atrás, quando eu era uma nova mãe, ainda estou trabalhando duro para domar minha ansiedade. Quero garantir que meus filhos vejam oportunidades e as aproveitem, sem medo de experimentar coisas novas ou conhecer novas pessoas. Anseio por dizer sim e faço isso muito mais do que digo não e isso não é uma boa ideia.

À medida que meus filhos crescem, tenho mais e mais chances de ser a mãe que quero ser. Minha interpolação está recebendo convites para a esquerda e para a direita. E eu tenho mais três filhos logo atrás dela. Não há como parar o inevitável. Meus bebês estão crescendo.

N√£o acho que haja algo errado em ser um pai rigoroso e exigente. As crian√ßas precisam que seus pais sejam pais, n√£o amigos. Mas, como m√£e dos meus filhos, eu tamb√©m sou seu parceiro, o n√ļmero um deles. Eles est√£o aprendendo a ver o mundo como eu, porque est√£o sempre me observando e me imitando. Ent√£o, se eu n√£o estiver disposto a dizer sim, eles tamb√©m n√£o o ser√£o.

Podemos gastar nossa energia se preocupando e perguntando a n√≥s mesmos as perguntas aterrorizantes, ou podemos optar por dizer sim com responsabilidade. Tamb√©m podemos trabalhar para ensinar a nossos filhos o certo do errado, ouvir sua intui√ß√£o e nunca pensar duas vezes antes de nos mandar uma mensagem para busc√°-los se eles se sentirem desconfort√°veis ‚Äč‚Äčou inseguros.

Não tenho certeza se minha ansiedade diminuirá. Eu certamente não vou apostar nisso. Mas posso tomar a decisão de navegar nisto, dia após dia, situação por situação. E, em vez de optar por alguma versão de cuidado, posso ensinar meus filhos a abraçar aventuras de uma vida.

Eu sei que isso começa comigo. Eu estou trabalhando nisso.