Minha filha é mártir emocional e estou preocupado

Minha filha é mártir emocional e estou preocupado

Minha filha é mártir emocional e estou preocupado

nadia_bormotova / Getty

Minha filha é o que eu chamo de mártir emocional. Ela sacrifica seus próprios sentimentos, seus próprios desejos, para fazer outras pessoas felizes ou evitar conflitos. Concedido, ela não faz isso todos A Hora. Se estava tentando decidir onde ir comer, e ela quer macarrão e todo mundo quer asas, provavelmente acabaremos no Olive Garden.

Mas sua assertividade termina com seu amor pelos carboidratos. Sua vontade de subverter seus pr√≥prios desejos e necessidades aparece mais em suas intera√ß√Ķes com o irm√£o mais velho. Ele tem TDAH e, por causa de sua impulsividade, √© frequentemente repreendido. Se estava atrasado porque ele est√° arrastando os p√©s, se ele esquece de fazer as tarefas ou n√£o as conclui da maneira que deveriam ser conclu√≠das, se as crian√ßas brigam, de alguma forma minha filha sempre acaba se desculpando. Ela me ouve gritando ou dando palestras, fica ansiosa e d√° desculpas por ele ou tenta assumir a culpa. Shell diz que estava atrasado por causa de algo que estava fazendo, estava indo muito devagar, n√£o conseguia encontrar seus sapatos – mesmo quando n√£o √© verdade.

E às vezes, quando as crianças têm uma lista de tarefas, elas me anunciam que terminaram e irei verificar o trabalho delas, como sempre faço. Uma vez, recentemente, elogiei-os porque eles fizeram um trabalho tão bom ao concluir suas tarefas. Até a sala da família estava arrumada como se tivéssemos companhia vindo, os cobertores dobrados, os travesseiros no lugar, os controles remotos de MP3 carregando nas docas. Eu nem pedi para eles fazerem essas coisas. E quando chequei debaixo da mesa dos meus filhos em seu quarto, que geralmente é uma bagunça de meias sujas, palhetas e embalagens de comida, descobri que estava perfeitamente limpo Рpela primeira vez. Dei um abraço enorme ao meu filho porque tinha muito orgulho dele.

Alguns dias depois, porém, de alguma forma, soube que minha filha tinha limpado debaixo da mesa dos meus filhos. Ela estava preocupada que ele tivesse problemas se não estivesse limpo e viu que ele não estava fazendo isso, então ela fez isso por ele. Ela também limpou a sala sozinha. Na verdade, ela havia feito a maior parte do trabalho para o meu filho, porque estava preocupada que ele tivesse problemas. Ele limpou o banheiro sozinho, o que minha filha odeia fazer, mas estava claro para mim que havia feito muito mais da metade das tarefas.

Eu tive que ter uma longa conversa com os dois, com minha filha sobre não fazer os outros trabalharem para eles, e com meu filho sobre como é horrível tirar vantagem da irmã dessa maneira. Eu o castiguei por um dia com isso e dei-lhe tarefas extras para fazer por conta própria. Mas então, é claro, minha filha se sentiu culpada. Eu sinto que não posso ganhar.

FotoAlto / Anne-Sophie Bost / Getty

O mart√≠rio emocional da minha filha vai al√©m do de uma irm√£ que defende o irm√£o. Eu a testemunhei fazendo isso em outros ambientes tamb√©m. Se estava tentando decidir qual jogo jogar para uma noite de jogos em fam√≠lia, ela costuma desistir do que quer evitar conflitos. Ela me contou hist√≥rias sobre como tamb√©m evita conflitos no parquinho. Seus amigos v√£o tentar decidir o que jogar e ela abdica para evitar confrontos. Se surgir uma discuss√£o, minha filha muitas vezes desistir√° do que deseja manter a paz e tentar√° amenizar qualquer desacordo dentro do grupo. Eu testemunhei isso acontecer algumas vezes – eu vejo o p√Ęnico em seus olhos, a tens√£o em seus ombros. Ela realmente n√£o quer testemunhar conflitos, muito menos fazer parte dele. Ela s√≥ quer que todos sejam felizes. O que n√£o seria t√£o terr√≠vel se ela n√£o subvertesse seus pr√≥prios desejos para que isso acontecesse.

Suas dicas de comportamento passam do ponto de agradar as pessoas. Eu tamb√©m n√£o gostaria que ela fosse uma pessoa que agrada as pessoas, mas essa propens√£o a desistir do que quer, ou at√© culpar-se quando n√£o deveria, me preocupa. Em uma cultura em que as mulheres ainda n√£o s√£o vistas como iguais, onde ainda nos dizem que parecemos mais bonitas quando sorrimos, onde somos vistos como agressivos se falarmos diretamente, onde ainda existe uma diferen√ßa salarial, onde as mulheres carregam t√£o frequentemente a maior parte do emocional trabalho em suas fam√≠lias, quero que minha filha abandone essa inclina√ß√£o que tem para evitar conflitos. Ou, pelo menos, canaliz√°-lo de uma maneira que n√£o coloca suas pr√≥prias necessidades por √ļltimo.

Mas como convencer uma criança a não assumir a culpa quando essa é sua reação brusca? Tento construí-la o máximo que posso, para deixar claro que seus desejos e necessidades são tão importantes quanto qualquer um. Eu digo a ela para não pedir desculpas quando ela não fez nada de errado. Quando a vejo calada, peço que ela fale, se afirme, faça sua voz ser ouvida. Eu comprei os livros dela sobre mulheres fortes e tento modelar como é a aparência forte, mesmo que eu tenha medo que a ansiedade dela sobre o confronto tenha sido herdada diretamente de mim. Eu lutei para evitar conflitos por grande parte da minha vida, e minha ansiedade ainda dispara pelo telhado a qualquer momento que eu ache que vou ter que enfrentar um confronto.

Eu não quero isso para minha filha. Quero que ela defenda o que quer e o que acredita. Não quero que ela peça desculpas quando não fez nada de errado. Não quero que ela sorria só porque deixa as outras pessoas mais confortáveis. Não quero que ela assuma a carga emocional de outras pessoas simplesmente para manter a paz.

Eu a vejo come√ßando a absorver essas li√ß√Ķes. Eu a vejo mostrando for√ßa de pequenas maneiras, quando ela se sente segura o suficiente para faz√™-lo. Tamb√©m estou tentando ser mais forte e mais assertivo. Suponho que n√≥s dois teremos que crescer juntos.