Meu marido e eu continuamos discutindo sobre quando conseguir um telefone para nossa filha

Meu marido e eu continuamos discutindo sobre quando conseguir um telefone para nossa filha

Meu marido e eu continuamos discutindo sobre quando conseguir um telefone para nossa filha

Blake Barlow / Unsplash

A certa altura, durante a recente festa do pijama das minhas filhas de 11 anos, meu marido Joe e eu fizemos uma ronda na nossa sala cheia de sacos de dormir – em um hor√°rio pr√©-designado para o toque de recolher dos eletr√īnicos – e reunimos nossos jovens convidados tablets e telefones, dizendo que devolver√≠amos os dispositivos pela manh√£.

Por quê? Porque antes de nós os recolhermos, as meninas estavam fisicamente juntas na sala, mas todos os olhos estavam colados a telas individuais.

A cena me assustou. Parecia mais um bando de adultos focados em laptops na Starbucks do que um grupo empolgado de namoradas da quinta série.

Cristina Zaragoza / Unsplash

E embora meu marido e eu realmente não conversássemos sobre essa cena da festa do pijama até mais tarde, pude sentir a correnteza zumbindo de nossa longa discussão: com que idade nossa filha deveria ter seu próprio telefone?

Joes está pronto para entregar um em um futuro próximo, mas estou pensando no ensino médio o mais cedo possível Рe estava meio que preso nesse impasse.

Quero dizer, estávamos na mesma página sobre conseguir que as meninas se envolvessem cara a cara na festa do pijama. Mas eu também sabia que Joe provavelmente pensava que Lily, nossa filha, devia se sentir excluída porque ela não tinha seu próprio dispositivo, enquanto eu pensava, graças a Deus, ainda não cedemos à pressão dos colegas.

E a resist√™ncia est√° ficando cada vez mais dif√≠cil. O cen√°rio dos pais, em rela√ß√£o √† tecnologia, est√° mudando rapidamente, de modo que, enquanto apenas alguns dos participantes de 10 anos da festa do pijama dos √ļltimos anos tinham um telefone ou tablet, todas as oito crian√ßas de 11 anos da celebra√ß√£o deste ano chegaram com pelo menos um dispositivo (se n√£o mais).

Além disso, a idade média de quando uma criança recebe um telefone nos Estados Unidos hoje em dia é dez, enquanto menos de uma década atrás era mais do que doze ou treze, de acordo com o Pew Research Center.

Este √© o mundo em que vivemos agora, Joe dir√° quando estavam preparando o jantar juntos, ou saindo para um fim de semana. (Lily, √© claro, nos pediu para comprar um telefone para ela este ano como presente de anivers√°rio.) √Č assim que os amigos de Lily se comunicam. N√£o podemos mudar isso.

Eu sei, eu digo. Mas ela não precisa ter seu próprio telefone. Ela é 11, pelo amor de Deus. Ficamos bem sem eles quando tínhamos a idade dela.

Joe tentará argumentar comigo, à sua maneira super-racional de advogado, que os tempos mudaram.

Além disso, Lilys está ficando mais velha e haverá momentos em que ela precisa nos alcançar, diz ele.

Quando? Quando ficaremos longe dela por tanto tempo, em uma situação em que ela não poderia pedir emprestado um telefone de amigos ou um adulto? Eu digo, antes de deixar escapar, não vamos falar sobre isso agora.

Pixabay / Pexels

√Č assim que eu sempre interrompo a discuss√£o e chuto diretamente na estrada. (√Č interessante para mim que eu, uma pessoa altamente avessa a conflitos, me apaixonei e acabei me casando com um homem que argumenta n√£o apenas para viver, mas para se divertir.)

No entanto, quando temos essa conversa, inevitavelmente questiono a mim e a meu julgamento, porque Joe, um homem inteligente e atencioso com quem eu frequentemente concordo quando se trata de escolhas de pais, discorda de mim t√£o profundamente.

Então, novamente, digo a mim mesmo, sobre esse tópico específico, que talvez eu esteja mais informado.

Eu estou lendo freneticamenteatl√Ęnticoartigos como Os smartphones destru√≠ram uma gera√ß√£o? que explora como as taxas de depress√£o entre os adolescentes dispararam em conjunto com esses dados demogr√°ficos de uso pesado de smartphones e livros como Maryanne Wolfs Reader, Come Home: o c√©rebro da leitura em um mundo digital e Catherine Prices Como terminar com o telefone.

Por quê? Porque quando notei minha própria capacidade de sustentar o foco enquanto lia ou escrevia (ou até mesmo assistia a um filme), apesar da minha paixão por essas atividades, fiquei preocupada com o impacto inevitável dos dispositivos digitais em meus filhos jovens e ainda em desenvolvimento.

Além disso, a pesquisa mostrou que os momentos de foco sustentado, seja na conexão cara a cara ou na leitura, estão entre as coisas que proporcionam mais satisfação em nossas vidas. Mas se coletivamente perdemos nossa capacidade de alcançar regularmente esse tipo de alegria, como serão nossas vidas?

Essas são as coisas pelas quais obceco enquanto estou acordado à noite.

Joe, enquanto isso, n√£o compartilha nenhuma das minhas neuroses em rela√ß√£o a esse t√≥pico; e quando exprimo minhas preocupa√ß√Ķes, ele encolhe os ombros com resigna√ß√£o zen, como se ele estivesse me assistindo freneticamente empilhando sacos de areia na cara de um tsunami do tamanho da Torre da Liberdade.

Você nunca teve algo que seus amigos tinham quando você era criança? ele me pergunta. Você não se lembra como é isso?

Eu digo sim. Mas n√£o parecia que havia tanta coisa em jogo quando eu queria jeans Jordache. N√£o parecia que minha sa√ļde mental e capacidade intelectual estavam pendentes na balan√ßa.

N√£o podemos manter Lily em pl√°stico bolha, Joe me diz.

E esse é o problema. Como mãe, o mundo que aparece através das lentes da Internet me aterroriza, e eu odeio a ideia de colocar minha filha nesse reino antes que eu pareça que ela está pronta e madura o suficiente para lidar com tudo o que vem com ele.

Porque essa janela irresistivelmente sedutora para conex√£o virtual e engajamento casual tamb√©m √© inevitavelmente uma janela para odiar, intimida√ß√£o on-line, dist√ļrbios alimentares e todas as outras coisas horr√≠veis por a√≠. Quanto mais viciados compulsivamente nos tornamos, mais nossas vidas on-line tendem a ofuscar nossas experi√™ncias de IRL.

O que é muito ruim, porque minha família tem muita sorte. Vivemos em uma cidade pequena, onde nossos vizinhos cuidam (e conversam regularmente com) nossas filhas. Costumamos caminhar juntos até o centro da cidade para ir à padaria, ao cinema de segunda execução, a um restaurante ou ao mercado de agricultores; e sempre encontramos mais pessoas que conhecemos, passeando com o cachorro ou apenas curtindo (ou reclamando) o clima.

Quero que meus filhos vejam e realmente apreciem o micro-mundo de coração aberto ao seu redor Рe que seja esse o fundamento deles Рantes de tropeçarem nos becos tóxicos do mundo virtual.

Porque, se eu, como uma mulher de 48 anos, lutando para reduzir meu próprio uso reflexivo do telefone, tenho muitos problemas em processar psiquicamente o que está na minha tela, como diabos posso esperar que minha filha de 11 anos o faça e ainda manter algum senso de esperança?

Eu não posso, e é exatamente por isso que eu continuo discutindo para manter um telefone fora do alcance das minhas filhas pré-adolescentes pelo maior tempo possível.

Sei que voltarei a ter a mesma conversa com Joe ainda este ano, à medida que o Hanukkah e o Natal se aproximam. E ele e eu provavelmente exploraremos compromissos, como conseguir um telefone flip para Lily, que ela pode usar para ligar ou enviar mensagens apenas de texto.

Mas, por enquanto, evitei esse problema, deixando Lily, no anivers√°rio dela, perfurar seus ouvidos.