Meu conselho para as novas mães: “Fica melhor”

Meu conselho para as novas mães:

Cortesia de Kaley Branch

A vida é difícil. Mãe, a vida é mais difícil. Claro, você ama seu filho mais do que a própria vida. Seu doce bebê é o eixo em que seu mundo gira. Mas mamãe, está tudo bem. Não há problema em querer que esse eixo diminua um pouco. Não há problema em desejar um tempo fora. Não há problema em ficar sozinho … ou tente se lembrar de como era a sensação sozinha. Não há problema em se permitir sentimentos de tristeza, raiva, desejo. Você é responsável por um ser humano inteiro. Uma vida 100% fora da sua.

Talvez você olhe para as antigas memórias do Facebook de anos passados ​​e se pergunte ondeaquelemulher foi. Onde está essa faísca? Essa personalidade borbulhante? Essa liberdade de ir e vir como quiser, dormir até a hora que você quiser, economizar dinheiro para ingressos de concertos ou talvez apenas alguns drinques com as garotas? E Deus sabe que eu vejo essas memórias e me pergunto “Ok, mas onde foi que corpo vai?!” É verdade o que eles dizem: você não sabe o que tem até que se acabe.

Mas mamãe, fica melhor.

Bomba da verdade: sofro muito com a depressão desde os sete meses de idade. Estou sofrendo disso enquanto falamos. Seu inesperado diagnóstico médico aos um mês de idade me levou a uma espécie de queda. Eu sempre fui uma pessoa sensível e emocional, mas isso? Isso me testou e ainda me testa. Eu duvidei da minha força. Eu questionei minha capacidade de cuidar de uma vida considerada “clinicamente frágil”. Sentei e segurei meu bebê e fui tomada por sentimentos de medo e ansiedade. Eu acordo todos os dias e a preocupação me bate bem na cara. Primeira coisa. Até hoje. O estresse ultrapassou a felicidade às vezes. A vida calma, estável e previsível que uma vez conheci se foi.

Mas mamãe, fica melhor.

Senti inveja quando vi outras pessoas viajando, vivendo vidas despreocupadas com roupas limpas e sem cuspir, bolsas que não estão cheias de fraldas, mamadeiras e creme de bunda. Eu até (e não tenho orgulho disso!) Me permiti sentir ciúmes de mães cujos filhos não estão lutando com uma doença como a minha, mães que não precisam dar medicamentos aos bebês três vezes ao dia , crianças que correm livremente sem qualquer preocupação real com estomacais e ossos quebrados.

Mas mamãe, fica melhor.

Às vezes é difícil vê-lo. Eu admito. Sentei-me no sofá depois de colocar um bebê agitado, chorando e exausto para dormir uma sesta e chorei. Eu me inclinei contra a parede do chuveiro, a água escorrendo pelas minhas costas enquanto lágrimas escorriam pelo meu rosto. Deitei-me na cama e me perguntei como eu conseguiria reunir forças para sair debaixo do cobertor, encontrar coragem para enfrentar um novo dia.

E então, começou a melhorar.

Eu ouço a risada do meu bebê. Ou eu o vejo descobrir algo novo. Observo com admiração quando ele atinge um novo marco, supera uma meta de crescimento ou produz um novo som. Ele é inocência. Ele é amor. Ele é felicidade. Ele é meu.

Deus me deu um novo propósito quando ele me deu meu filho. Eu tenho que acreditar nisso. Ele sabe que eu sou capaz. Ele sabe que eu sou capaz. Ele me vê sob uma luz que eu ainda tenho que me ver, mas estou tentando. Ele sabe exatamente o que está fazendo e sabe exatamente o que eu farei. Ele sabe que eu lata. Mamãe, você também pode.

Cortesia de Kaley Branch

É uma pílula difícil de engolir para deixar a pessoa que você era antes e se tornar a pessoa que você deveria ser agora. Mas cara. Esse garoto. Esse garoto é uma alegria descarada. Ele é ileso pela vida, ele é intocado. Ele não tem cicatrizes, não se preocupa. Mas ele me tem.

Ele tem sua mãe para segurar, para protegê-lo. Ele tem que me admirar, alcançar. Nem sempre será assim. Um dia, ele não vai aninhar a cabeça na dobra do meu braço, adormecer profundamente no meu peito. Ele não grita por mim, examina a sala até que seus olhos encontrem os meus e um sorriso se espalha por seu rosto minúsculo.

Ele nem sempre precisa de mim. Mas eu sempre vou precisar dele. Ele me ensina altruísmo. Ele me permite ver o mundo através dos olhos de uma criança, cheia de admiração e satisfação. Ele me lembra de respirar. Para saborear as pequenas coisas. Para agradecer. Para segurar firme as pessoas que eu amo. Rir alto, sentir felicidade com total abandono. Para ser bobo, solte-se, dance pela cozinha tarde da noite e sinta-se verdadeiramente vivo. Nem sempre será fácil, nunca será perfeito. Não há problema em perder o “velho você”.

Mas mamãe, isso é muito melhor.