contador gratuito Skip to content

Lidar com o coronavírus na Itália: uma mãe compartilha sua história

Lidar com o coronavírus na Itália: uma mãe compartilha sua história

No √ļltimo s√°bado de manh√£, minha filha de 6 anos de idade acordou gritando “M√£e!” porque ela teve um pesadelo. Ela sonhava que uma crian√ßa tinha o coronav√≠rus na m√£o e ele tocou meu bra√ßo e eu fiquei doente. Ela estava chorando de medo, e levei algum tempo para acalm√°-la e convenc√™-la de que era apenas um sonho e que tudo estava bem.

Apesar de todos os vídeos para crianças que mostramos a ela sobre o COVID-19, ela tem idade suficiente para sentir o medo dos adultos e entender o que está sendo dito nas notícias.

Sou natural de Mil√£o; meu marido √© originalmente do metr√ī de Detroit. E nossa fam√≠lia de quatro pessoas mora na It√°lia, um dos epicentros do surto de coronav√≠rus.

Ajustando-se a uma realidade pesada

Acabamos de terminar a terceira semana desde que as escolas foram fechadas e a primeira semana de isolamento máximo. Isso significa que já faz sete dias que não saímos do nosso portão. Desde 21 de fevereiro, o dia em que a Itália descobriu o primeiro local de reprodução de coronavírus, as coisas pioraram.

√Č algo assustador para adultos, muito menos para crian√ßas. O n√ļmero de infec√ß√Ķes cresceu visivelmente, assim como os mortos. Mais de 26.000 infectados, 2.500 mortos e cerca de 3.000 foram curados. A It√°lia, ao contr√°rio de outros pa√≠ses, fez muitos testes de zaragatoa imediatamente e foi transparente quanto ao n√ļmero da epidemia.

Como todos j√° devem saber, o problema √© que n√£o h√° mais espa√ßo nas unidades de terapia intensiva. E, se medidas restritivas r√≠gidas n√£o forem implementadas, nosso sistema de sa√ļde, um dos melhores do mundo, corre o risco de entrar em colapso. N√£o h√° camas suficientes para acomodar todos os doentes. Temos 3,2 leitos hospitalares por 1.000 pessoas; A Am√©rica tem 2,8.

Sabemos que o isolamento √© a √ļnica solu√ß√£o e, apesar do enorme sacrif√≠cio, estamos felizes que o governo tenha entendido mais r√°pido do que outros para colocar a sa√ļde antes da riqueza. Porque as pessoas realmente morrem.

Tornando-se “profissionais do isolamento”

Então, ficamos em casa. Observamos o mundo de nossas janelas sem saber quando poderemos ver nossas famílias e nossos amigos mais próximos novamente, mas sabemos que quanto mais respeitarmos as regras, mais rápido voltaremos ao normal.

Na terceira semana, podemos dizer que nos tornamos profissionais do isolamento. Aprendemos em primeira mão que é essencial encontrar algum tipo de rotina diária. Meu marido e eu trabalhamos em casa e dividimos o dia em dois: pela manhã trabalho, à tarde ele trabalha.

Manter regras estritas durante esse período estranho nem sempre é fácil; de fato, às vezes é difícil mantê-lo unido. E então acontece, o café da manhã dura mais do que o normal, você fica de pijama até as 11 da manhã e tudo começa um pouco mais tarde. Fizemos as pazes com ela e, na verdade, aprendemos a apreciá-la e a vivê-la como um presente.

Minha filha de 2 anos, que é realmente uma menina de mãe, sempre ficava presa a mim, se pudesse. Então, encontramos uma maneira de enganá-la. Antes de começar a escrever, visto a jaqueta e digo adeus, como se estivesse indo realmente para o escritório, mas em vez de sair pela porta me escondo no meu quarto.

Minha filha mais velha está na primeira série. Toda semana a professora nos envia o trabalho da escola que ela deve fazer dividido por dia. Ela compartilha vídeos e links para evitar que as crianças se sintam sozinhas, mas não é fácil. Fazemos a lição de casa dela à tarde, quando a pequena tira uma soneca.

Outra coisa que gostamos √© de cozinhar. N√≥s cozinhamos muito. Nhoque, macarr√£o, minestrone. No s√°bado passado, fizemos pizza caseira. √Č uma maneira de passar o tempo e √© um presente para o nosso paladar. Se f√īssemos comer inspirados pelo clima nas ruas, morrer√≠amos de fome.

Criando uma normalidade e mantendo a esperança

Às vezes nos sentimos em guerra; às vezes sentimos que estamos tendo umas férias forçadas estranhas. Ao longo do dia, brincamos de esconde-esconde, Barbies, fazemos quebra-cabeças, desenhamos, fazemos tudo isso duas ou três vezes.

Temos a sorte de ter um quintal e, em dias ensolarados, podemos sair e tomar um pouco de ar fresco. Entre risos e l√°grimas, h√° brigas, √© claro. Admito que as meninas assistem TV e tablet mais do que o habitual. A princ√≠pio, nos sentimos culpados, mas depois fizemos as pazes e entendemos que os dispositivos eletr√īnicos, √†s vezes, nos ajudam a manter nossa sanidade.

Sentimos falta de jantares com amigos, sentimos falta de abraçar nossos parentes. Por isso, costumamos conversar por vídeo em que não falamos muito, mas desfrutamos do prazer de olhar nos olhos um do outro. Costumamos conversar sobre o que está acontecendo e temos um pouco de medo; toda tosse suscita suspeitas. Conhecemos pessoas no hospital e pessoas que morreram.

Para superar esses tempos desanimadores, os bairros se re√ļnem pela janela para brincar e cantar juntos, para fazer companhia um ao outro.

Nossa família e amigos de Michigan escrevem e ligam para nós com frequência. Estamos muito felizes com o fato de o Estado ter adotado medidas mais rígidas: esse vírus se comporta igualmente em todos os países e, quanto mais cedo agirmos, mais cedo isso terminará.

Dizemos a eles para evitar contatos e iniciar o auto-isolamento o mais rápido possível. Perguntamo-nos quando poderemos voltar para Detroit, quando poderemos viajar sem medo.

Ainda n√£o sabemos, mas temos certeza de que, quando esse dia chegar, celebraremos juntos.