Finalmente reconheço o trauma do nascimento do meu filho

Finalmente reconheço o trauma do nascimento do meu filho

Elizabeth Joyce

Eu nunca chamei isso de trauma. O termo parecia reservado para cat√°strofes muito maiores do que eu sofri e eu nunca iria querer parecer excessivamente dram√°tico. Mas aqui estamos, mais de uma d√©cada depois, e ainda estou lidando com as repercuss√Ķes emocionais e mentais de meus filhos nascidos, daquilo que agora reconhe√ßo como uma das experi√™ncias traum√°ticas mais importantes da minha vida.

Depois de todos os nossos desafios com c√Ęncer e infertilidade, eu e meu marido ficamos emocionados por esperar nosso primeiro filho em junho de 2008. Minha gravidez foi quase sem complica√ß√Ķes, mas terrivelmente desconfort√°vel, e eu estava mais do que pronta quando chegou a hora de ir ao hospital.

Eu trabalhei a noite toda e dia. Eu empurrei por horas antes de dar à luz vaginal nosso filho de 13 kg com assistência a vácuo somente depois que uma episiotomia em uma direção falhou em impedir uma ruptura de terceiro grau em outra direção e implorei por ajuda.

Minha experiência de parto não foi como eu esperava que fosse.

Meu filho nasceu mole e azul. Cord√£o umbilical enrolado no pesco√ßo e exposto ao mec√īnio, ele foi imediatamente levado pelas enfermeiras. V√°rios momentos se passaram antes de ouvirmos seus primeiros gemidos do outro lado da sala.

Eu era uma pessoa exausta e as coisas só pioraram a partir daí.

Quando o médico começou a costurar a episiotomia e as lágrimas, mantive os olhos fechados e continuei a focar na respiração. Eu nunca tinha nascido antes, mas sabia que as coisas não estavam indo bem para mim. Ouvi o que parecia copos cheios de líquido derramando no chão em jorros. A cada movimento que o médico fazia, mais jorra.

Eu sabia que havia um problema.

Meus olhos ainda estavam fechados, mas meu marido (que tinha ido para o outro lado da sala para ficar com nosso filho) testemunhou todo o sangue derramando de mim, acumulando-se no ch√£o.

Ele sabia que havia um problema.

Vinte minutos se passaram. Eu não tinha entregue a placenta. Senti o médico atingindo jatos de dentro de casa.

O médico sabia que havia um problema.

Precisamos de uma sala de cirurgia agora!

Tenha 2 unidades de sangue prontas!

Page Doctor

Eu ouvi a urgência na voz dos médicos enquanto ele gritava ordens.

Eu n√£o consegui abrir meus olhos. Chamei meu marido e ouvi sua voz fracamente conseguir dizer, eu te amo quando eu estava sendo empurrada para fora da sala.

Ele ficou sentado no chão do quarto do hospital, a alguns metros de uma poça de sangue, a enfermeira ainda cuidando do nosso filho.

Quando fui levada às pressas para a sala de cirurgia, o médico explicou o quão severamente eu estava com a hemorragia, com risco de vida e que ele faria tudo o que pudesse, mas eu poderia precisar de uma histerectomia.

Faça o que você precisa fazer.

Cerca de seis horas depois que meu filho nasceu, eu estava acordando em uma UTI, ainda intubada e conectada a m√°quinas n√£o contadas. A primeira coisa que fiz quando os tubos foram removidos, foi a minha m√£e na minha cabeceira.

Eu tive que fazer uma histerectomia?

L√°grimas brotaram em seus olhos quando ela simplesmente disse: Sim.

Eu pensei que sim.

Em um ponto, minha família foi informada de que o médico havia tentado tudo o resto. Foi-me dada uma chance estimada de 10% de sobrevivência sem cirurgia. Depois de oito unidades de sangue total, duas unidades de plaquetas, duas unidades de plasma e esforços exaustivos para interromper a hemorragia, uma histerectomia de emergência salvou minha vida.

Acordei novamente seis horas depois, ainda na UTI, com meus dias e noites confusos. Fui bombeado com tantos líquidos na tentativa de manter minha pressão sanguínea elevada durante a cirurgia que fiquei dolorosamente inchado da cabeça aos pés. Novas estrias estragavam a pele do meu braço. Meu rosto estava tão inchado que minhas pálpebras estavam viradas, expondo a parte de baixo.

Meu filho tinha agora 12 horas e eu ainda n√£o o tinha visto nem segurado. Meu marido me mostrou uma foto do nosso beb√™ na tela da nossa c√Ęmera.

Eu ficava perguntando quando eu poderia segurar meu bebê. Várias horas se passaram antes que eu fosse liberada para ir para uma sala para ficar com meu filho.

Em retrospectiva, eles provavelmente apressaram a transfer√™ncia por causa do meu desejo de estar com meu beb√™. Honestamente, eu n√£o estava pronta para estar em uma sala p√≥s-parto regular. Eu n√£o conseguia me mexer facilmente. Eu n√£o tinha controle sobre minhas fun√ß√Ķes corporais. Eu estava envergonhado. Eu estava frustrado Eu n√£o era um caso t√≠pico de p√≥s-parto e ser tratado como um, pois a equipe fazia suas rotinas n√£o ajudava meu moral.

Depois de mais algumas noites no hospital, fomos liberados para ir para casa.

Mas esse n√£o foi o fim.

Aconteceu que minha episiotomia e lágrima foram infectadas, provavelmente como resultado dos pontos se separando devido a todo o inchaço que experimentei no pós-operatório.

Eu n√£o deveria levantar nada e, verdade seja dita, ainda tinha dificuldade em me mexer. Durante dias depois de voltarmos para casa, tive que me arrastar pela escada. Houve mais de uma ocasi√£o em que eu simplesmente n√£o consegui me mover r√°pido o suficiente para chegar ao nosso √ļnico banheiro a tempo. Eu precisava de ajuda para fazer tudo, mas queria fazer isso sozinho. Eu queria me relacionar com meu beb√™ como eu havia imaginado.

Meus planos para amamentar tamb√©m fracassaram. Por raz√Ķes √≥bvias, meu filho foi iniciado com a f√≥rmula desde o momento de sua primeira refei√ß√£o. Ent√£o, eu estava tomando v√°rios rem√©dios para dor e antibi√≥ticos. Senti a necessidade de bombear e despejar para que ainda pud√©ssemos tentar mais tarde. Olhando para tr√°s, esse foi um estressor adicional que era realmente desnecess√°rio. Mas eu senti que deveria amamentar, ent√£o fiz todo o trabalho extra de tentar manter um suprimento de leite quando deveria ter me dado permiss√£o para deix√°-lo ir.

Eventualmente, tentamos amamentar sem sucesso. O melhor que consegui foi bombear o suficiente para uma ou duas garrafas por dia. Foi apenas mais um ponto de frustração e decepção por meses.

Eu estava com dor por todo o meu corpo. A infecção não desapareceu com a primeira rodada de antibióticos, nem a segunda, e permaneceu por várias semanas. Eu tive calafrios e dores. Eu estava fraco. Eu estava inseguro. Fiquei desconcertado e descontente.

Eu me senti inadequado.

Meu marido estava de volta ao trabalho depois de alguns dias e eu estava contando com familiares e amigos muito mais do que me sentia confort√°vel.

Eu n√£o podia dirigir, mas tinha compromissos para o beb√™, p√≥s-parto e p√≥s-operat√≥rio para mim, e tamb√©m tinha que fazer exames, exames e outras consultas logo ap√≥s o parto, porque eu adiei o acompanhamento de c√Ęncer recomendado enquanto estava gr√°vida e agora estava atrasado.

Al√©m disso, eu estava tendo um tempo incrivelmente dif√≠cil de aceitar a histerectomia. Enquanto eu estava agradecido por ter sobrevivido, fiquei desesperado com o fato de que nunca seria capaz de dar aos embri√Ķes restantes uma chance na vida. A fam√≠lia que meu marido e eu sempre sonhamos parecia dolorosamente imposs√≠vel.

Fiz uma anotação no meu diário dizendo que o médico conversou comigo sobre o quão emocional eu tinha sido. Ele me disse que muitas mulheres que têm parto e parto normais têm problemas com depressão, considerando que eu tive uma situação muito difícil e também tive uma experiência de quase morte (suas palavras) e agora tinha que lidar com os efeitos de ter uma histerectomia , era perfeitamente compreensível que eu estivesse me sentindo emocional.

Ele me encaminhou a alguém para ver se eu sentia que precisava de ajuda para lidar com tudo isso. Nunca fui.

Olhando para trás, eu sei que deveria. Na época, parecia mais uma coisa e isso era demais.

Eu sei agora, nunca me recuperei totalmente.

As cicatrizes mentais e emocionais da experiência são muito mais profundas do que a cicatriz física torta esculpida às pressas na minha pélvis.

Finalmente estou em terapia e esse é apenas um dos problemas que estou trabalhando para curar.

Não é bom desejar que eu possa mudar as coisas que estão no passado. Mas, se houver um conselho que eu possa dar a outra mulher que pode passar por uma experiência traumática de parto, seria o seguinte: não há problema em admitir a si mesmo e a todos que acham que você foi traumatizado. Se você é como eu, pode conseguir avançar e evitar enfrentar a realidade da situação há anos. Obtenha a ajuda de que você precisa fisicamente, mentalmente e emocionalmente, conforme necessário. Não faz sentido lutar para administrá-lo por um ano ou uma década.