Eu tinha hiperêmese gravídica e foi um pesadelo real

Eu tinha hiperêmese gravídica e foi um pesadelo real

Mam√£e assustador e pexels

Fui diagnosticado com hiperêmese gravídica (HG) quando estava grávida de sete semanas. Naquele momento, eu estava vomitando 15 a 20 vezes por dia, perdi seis quilos e estava extremamente desidratado e desnutrido. Não aguentei mais de um minuto e perdi quase toda a minha força. HG me bateu de repente e me bateu com força. Eu estava com medo e não tinha ideia do que estava acontecendo com meu corpo.

Naquela √©poca, eu n√£o sabia muito sobre HG, mas lembrei-me de ouvir que a princesa Kate foi diagnosticada com isso durante a gravidez. Ent√£o o que eu fiz? Fui direto ao Google confi√°vel. Uma r√°pida pesquisa no Google revelou que o HG √© uma doen√ßa grav√≠dica debilitante e potencialmente fatal, marcada por r√°pida perda de peso, desnutri√ß√£o e desidrata√ß√£o devido a n√°useas e / ou v√īmitos implac√°veis ‚Äč‚Äče implac√°veis ‚Äč‚Äče conseq√ľ√™ncias adversas em potencial para a futura m√£e e o rec√©m-nascido. (s) A hiperemese grav√≠dica afeta 0,5% a 2% das mulheres gr√°vidas.

Ao longo da minha jornada de HG, as pessoas dirão: Isso é o que Kate Middleton teve, certo? Ou essa é a doença da princesa! (EUnsert olho rolar aqui.) Esses comentários me enlouquecem e fico cada vez mais irritado cada vez que os ouço. Embora eu esteja agradecido pela terminologia ser agora mais familiar por causa da princesa Kate, também estou ressentido porque ela fez HG parecer glamourosa e fácil, nenhuma das quais retrata com precisão a realidade e as dificuldades que as mulheres com esta doença e suas famílias enfrentam.

Cortesia de Kari Dermer

Partilho minha história crua e honesta, não pela sua simpatia, mas porque acredito que é importante que você conheça realhistória. HG é horrível. Isso é péssimo. Absolutamente, é péssimo. E se a família real não falar sobre isso, eu irei Рporque existem milhares de mulheres em todo o mundo com HG sofrendo isoladamente. Eles estão lutando todos os dias pela sobrevivência e pela sobrevivência do feto. Espero poder fazer minha parte para fazer com que essas mulheres se sintam menos sozinhas, para que se sintam entendidas e para lhes dar forças para avançar em sua própria jornada.

A hiperemese gravídica (HG) tirou tudo de mim da noite para o dia. HG roubou minha identidade. HG roubou minha capacidade de trabalhar. HG roubou minha independência. Graças ao HG, não posso mais tomar banho, andar, dirigir, ir ao banheiro ou fazer qualquer coisa sem ajuda. Esta doença roubou minhas esperanças para uma grande família. HG roubou e esvaziou minha alegria durante um período em que a maioria das mulheres está cheia de alegria. HG também roubou a minha família desse tempo feliz e transformou instantaneamente meu marido em meu cuidador de tempo integral.

Embora eu esteja agradecido pela terminologia ser agora mais familiar por causa da princesa Kate, também estou ressentido porque ela fez HG parecer fascinante e fácil, nada disso é verdade.

Eu odeio HG por transformar minha casa, antes quente e cheia de tanta felicidade, em um lugar escuro que mais parece um quarto de hospital. Eu odeio HG por encher minha sala de estar com caixas de v√īmito. Eu odeio o HG por manchar as mem√≥rias que tenho da minha comunidade porque vomitei em muitos lugares, incluindo escrit√≥rio, academia, shopping, supermercado, cinema, Walgreens e muitos restaurantes para listar. Por causa da HG, agora tenho que usar os cobertores quentes e aconchegantes no meu sof√° para proteger minhas m√£os e joelhos de contus√Ķes quando vomito violentamente no ch√£o. Por causa de HG, n√£o posso mais jantar com meu marido – um tempo que eu apreciei antes de ser destru√≠do por HG. Eu odeio que meu marido n√£o consiga comer uma refei√ß√£o caseira h√° mais de seis meses porque o cheiro da comida me faz vomitar ou, pior ainda, come√ßar a ficar seco. Eu odeio o HG por queimar meu es√īfago devido ao √°cido estomacal constante que estou vomitando – n√£o h√° mais nada no meu est√īmago.

Cortesia de Kari Dermer

Eu odeio HG por me consumir toda a minha energia. Eu não posso nem subir minhas escadas. Por causa de HG, nosso banheiro de hóspedes no térreo tem uma escova de dentes e uma pasta de dente para que, quando terminar de vomitar, pelo menos por alguns minutos, alguém possa entregá-las facilmente para mim. Eu odeio o gosto de vomitar na minha boca. Eu odeio que eu não posso cortar o cabelo, porque eu preciso garantir que meu cabelo possa ser penteado com um rabo de cavalo e feito rapidamente, para evitar vomitar no meu cabelo.

Mike Marsland / WireImage

Eu odeio ter que pensar em cada gole ou mordida que tomo e que o primeiro pensamento é sempre: Qual será o sabor ou a sensação que está chegando? Eu odeio poder dizer-lhe os melhores alimentos para comer, não porque tenham um bom sabor, mas quão pouco eles queimam no caminho de volta.

Eu odeio HG por me debilitar n√£o apenas fisicamente, mas mental e emocionalmente tamb√©m. Eu odeio a ansiedade que HG me deu. Eu odeio como estou consumida pelo medo toda vez que me sinto prestes a vomitar mais uma vez. Perdi a no√ß√£o do n√ļmero de vezes que vomitei; √© muito dif√≠cil acompanhar quando tudo o que fa√ßo. Eu odeio os jogos mentais que HG brinca com mestiva√ß√£o, n√°usea e v√īmito, todos jogam truques sujos na mente.

Odeio n√£o ter pensado no meu beb√™ por causa do HG. Eu s√≥ pensei em mim e na minha sobreviv√™ncia. Que tipo de m√£e eu sou? Eu odeio que outras mulheres no meu escrit√≥rio da OBGYN olhem para mim e para o meu suporte de soro. Eu odeio absolutamente que eu tenho um tubo de alimenta√ß√£o e um IV no meu bra√ßo. N√£o √© assim que as mulheres gr√°vidas devem se parecer. Eu odeio ver outras mulheres entrando correndo no consult√≥rio m√©dico com suas roupas de trabalho e digitando nos laptops enquanto aguardam as consultas. Era pra ser eu. Quando vejo isso, s√≥ consigo pensar em como sou sortuda por ter sa√≠do de casa e consegui andar os 50 p√©s (com v√°rias pausas) na sala de espera. Eu odeio que os outros me digam constantemente que valer√° a pena, como se eu estivesse fazendo isso por outras raz√Ķes, al√©m de tudo valer a pena. Eles conhecem o pesadelo infernal que vive com HG todos os dias por quase um ano inteiro? √Č um fato que 15% das mulheres que sofrem com HG optam por interromper pelo menos uma gravidez. Eu entendo totalmente o porqu√™. Entendi. Pensei em terminar v√°rias vezes e poderia facilmente ter estado nessa estat√≠stica. Eu odeio HG e o que isso fez comigo.

A hiperemese gravídica (HG) tirou tudo de mim da noite para o dia. HG roubou minha identidade. HG roubou minha capacidade de trabalhar. HG roubou minha independência.

Mas … eu tamb√©m amo HG. Enquanto HG tirava tudo de mim, ao mesmo tempo me dava tudo: me fazia m√£e. Eu amo que, apesar de toda a escurid√£o, HG tamb√©m me mostrou a luz. Esta doen√ßa me ensinou a estar atento. Quando voc√™ fica apenas uma hora livre de vomitar, ou um n√≠vel mais baixo de n√°usea, aprende rapidamente a ser grato por essa hora e a viver o momento. Eu amo HG por fortalecer o j√° forte v√≠nculo entre meu marido e eu. Podemos e vamos superar qualquer coisa depois disso. Eu amo HG por me mostrar todos os dias o qu√£o duro eu sou. Eu amo HG por me fazer sentir como um guerreiro. Agora eu sei que posso realmente conquistar qualquer coisa.

Cortesia de Kari Dermer

Eu amo que HG me ensinou a apreciar pequenos progressos. Nem sempre tenho que alcançar grandes objetivos para sentir que realizei algo em minha vida. Hoje, subi as escadas sem ajuda, sem pausas. Foi uma conquista enorme e um progresso enorme de onde eu estava meses atrás. Eu amo HG por me ensinar a ser paciente com meu corpo. Eu nunca sei como meu corpo vai se sentir a cada dia, a cada hora ou a cada minuto. Está mudando constantemente e estou aprendendo a abraçar as incógnitas, o que devo confessar que não é uma tarefa fácil para essa garota do tipo A que adora planejar.

Por causa do HG, não tenho controle sobre meu corpo, nem sobre meus fluidos corporais. Enquanto eu odeio isso, eu amo que estou aprendendo a cada dia a ser melhor em deixar ir e deixar meu corpo ditar o dia. Eu amo HG por me forçar a mudar minha perspectiva de vida e saber o que é realmente realmente importante. Eu amo que agora paro para apreciar o sabor da água que escorre pela minha garganta e me sinto muito grata por ter água limpa e corrente para beber. Eu amo que, mesmo nos meus momentos mais fracos, HG me ensinou a ser paciente e gentil comigo mesmo.

Cortesia de Kari Dermer

Eu amo ter um médico que foi meu campeão e me faz sentir completamente compreendido. Eu amo que ele entenda não apenas o preço físico que HG cobrou do meu corpo, mas também o psicológico. Isso é incrivelmente difícil de encontrar, pois a maioria dos profissionais médicos não tem compaixão das mulheres que sofrem de HG e não entende completamente seus sintomas debilitantes. Eu amo que minha família tenha tomado um tempo para aprender sobre HG, a fim de me apoiar melhor. Sorrio toda vez que ouço minha mãe dizer hiperêmese gravídica porque sei que quanto mais falamos sobre essa doença rara, mais podemos educar os outros, um pequeno passo de cada vez.

Eu amo o orgulho que já sinto pelo meu futuro filho ou filha. Eles realizaram mais em sua curta vida do que a maioria das pessoas fará. Eles estão sobrevivendo a HG e toda a sua malícia. Este bebê está cheio de coragem, um coração em luta e talvez até um pouco de teimosia (não sabe de onde eles conseguiram isso?). Estou tão orgulhoso de sua resistência e espírito de luta. Continue lutando, baby, você conseguiu isso e mamãe está brigando com você!

Por tudo isso e muito mais, sou grato por HG. Eu estranhamente amo HG. At√© a minha pr√≥xima sess√£o de v√īmito terr√≠vel e incrivelmente dif√≠cil, quando come√ßo a odiar o HG novamente, √© isso.

Para obter mais informa√ß√Ķes ou obter suporte se voc√™ sofre de hiper√™mese grav√≠dica, consulte a Funda√ß√£o de Educa√ß√£o e Pesquisa em Hiper√™mese (HER) em www.hyperemesis.org.