Estudo encontra ligação herpes-autismo

Estudo encontra ligação herpes-autismo

Estudo encontra ligação herpes-autismo

Um estudo de 2017 descobriu que a infecção de uma mãe pelo vírus do herpes pode ser um gatilho para o autismo.

De acordo com um artigo da revista Science, o estudo norueguês encontrou uma correlação entre a infecção ativa pelo vírus do herpes simplex tipo 2 durante a gravidez precoce e a chance de um feto do sexo masculino desenvolver autismo. De fato, o risco de autismo foi dobrado neste grupo de meninos.

A pesquisa envolveu a coleta de amostras de sangue de mais de 900 mães, testando as amostras quanto a anticorpos para cinco micróbios que danificam os fetos. Altos níveis de anticorpos contra o HSV-2 durante o meio da gravidez foram associados a um risco dobrado de autismo entre meninos, enquanto os outros quatro micróbios estudados não tiveram esse efeito, dizem os pesquisadores.

O estudo concluiu que, embora nem todas as mulheres grávidas com HSV-2 tenham um filho com autismo, uma infecção por herpes pode ser um gatilho para o autismo em um subconjunto de mulheres geneticamente predispostas a fortes respostas imunes a certos organismos, relata a Science.

Nenhuma conclusão foi feita sobre o efeito sobre as meninas, diz o relatório, já que o estudo envolveu muito poucas mulheres.

“Se for v√°lido, √© um ponto interessante e intrigante”, diz o Dr. David Obudzinski, pediatra do Hospital Royal Oak de Beaumont. “Sabemos h√° anos que o autismo √© provavelmente gen√©tico, uma carga gen√©tica, o que significa que provavelmente h√° predisposi√ß√£o para algu√©m e, em seguida, junto com uma les√£o ou agress√£o ambiental”.

Os pais devem ter em mente que não é necessariamente causa e efeito.

“Pode n√£o ser o v√≠rus propriamente dito”, diz Obudzinski, que n√£o estava envolvido no estudo. “O estudo realmente diz que pode ser a resposta imunol√≥gica que se tem ao v√≠rus e se isso pode ser algo que tenha alguma rea√ß√£o no pr√©-natal”.

O vírus herpes simplex é classificado em dois tipos; o tipo 1 causa herpes oral e o tipo 2 é mais comumente encontrado na área genital.

“A parte dif√≠cil sobre o v√≠rus do herpes √© que as m√£es podem n√£o perceber que elas o t√™m at√© a gravidez”, diz ele. “√Äs vezes, as m√£es t√™m e t√™m um hist√≥rico disso, mas elas podem n√£o ter nenhuma doen√ßa ativa.”

Outros estudos analisaram outros poss√≠veis gatilhos para o autismo, observa Obudzinski, como um que encontrou uma liga√ß√£o entre exposi√ß√Ķes ambientais e autismo.

“Acho que precisamos nos preocupar muito com isso tamb√©m”, diz ele.

A possível relação entre herpes simplex 2 e autismo precisará ser mais estudada, diz ele.

‚ÄúIsso n√£o √© causa e efeito dif√≠cil e r√°pido. Voc√™ s√≥ precisa se lembrar disso ‚ÄĚ, ele diz. “Temos algumas possibilidades teorizadas de como isso pode acontecer, mas n√£o sabemos qual √© o relacionamento”.

√Ä medida que mais pesquisas continuam sendo divulgadas sobre as poss√≠veis causas do autismo, mulheres gr√°vidas e pais devem trabalhar com seus m√©dicos para resolver quaisquer preocupa√ß√Ķes e fazer o melhor poss√≠vel para limitar as exposi√ß√Ķes.

“Definitivamente, seria importante evitar o que puder em termos de meio ambiente e em torno de onde voc√™ mora”, diz Obudzinski. Quanto √†s mulheres que tiveram herpes simplex tipo 2, “converse com seu m√©dico e informe-as, caso o m√©dico n√£o saiba e repasse o que poderia ser feito ou o que deveria ser durante a gravidez”.

E importante, todos os pais devem estar cientes dos sinais precoces de autismo nas crian√ßas e da import√Ęncia da interven√ß√£o precoce.

“Um dos primeiros sinais √© que, quando as crian√ßas n√£o respondem ao nome por volta de um ano, voc√™ deve conversar com seu pediatra”, diz ele. “A interven√ß√£o e o tratamento precoces quanto √† terapia ABA para o autismo preveriam o melhor resultado e o melhor para o seu filho”.

Esta postagem foi publicada originalmente em 2017 e é atualizada regularmente.