√Č assim que √© ser v√≠tima de agress√£o sexual

√Č assim que √© ser v√≠tima de agress√£o sexual

Arman Zhenikeyev / Getty

Impotente.

Dormente.

Negação.

Culpa.

Embaraço.

Medo.

Ansiedade.

Hostilidade.

E acima de tudo, raiva.

Essas emo√ß√Ķes me dominaram 23 de dezembro, o dia em que fui agredida sexualmente.

Beber torna você vulnerável.

Vestir roupas reveladoras torna sua culpa.

Andar sozinho em lugares escuros coloca você em risco.

A agressão sexual é pintada de uma maneira que a coloca como a culpa das meninas.

Mas esse n√£o foi o meu caso.

Na verdade, eu estava vestindo jeans justos não muito justos e uma camisa azul de manga longa que ia até o meu pescoço, surpreendentemente certo?

Os flashbacks são vívidos.

Eu vejo um lugar que deveria me manter seguro, mas, infelizmente, era o contr√°rio.

Este lugar, que deveria estar cheio de lembranças divertidas e transformadoras, tornou-se uma fonte da pior experiência, da pior lembrança da minha vida.

Este lugar, minha escola, parece grande e ameaçador em minha mente.

Não era um dia típico da escola.

Era um dia antes das férias de inverno e eu estava encarregado da minha primeira campanha anti-intimidação: dia do filme.

Por meio da captação de recursos e do preço do ingresso, levantei US $ 300 para o Know Resolve, uma organização que trabalha para reduzir os suicídios de jovens.

Tudo o que é bom, porém, se perde na feiura que se seguiu.

O garoto era um amigo, um conhecido desde a nona série.

Em quem eu confiava.

Na cabine de controle do auditório das escolas, fiquei empolgado com o início do filme.

Terminar com seu namorado.

Vou trat√°-lo melhor.

Suas m√£os me dominaram.

Eu estava preso.

Empurrado contra uma mesa, não consegui encontrar força suficiente para empurrá-lo para fora de mim.

Desamparado, assustado, sem palavras, percebi que não era apenas vítima de bullying.

Agora eu fui vítima de agressão sexual.

Eu queria gritar.

Eu queria revidar.

Eu queria que meu amigo que estava ao nosso lado o fizesse parar.

Eu queria que as 200 pessoas que estavam sentadas a um metro da parede contra a qual meu corpo estava pressionado o cortassem.

Mas meu corpo congelou e as palavras que encheram minha boca se foram.

Naquele momento, minhas palavras pareciam desaparecer para sempre.

O constrangimento encheu minha cabeça.

Eu não queria que ninguém descobrisse.

Em vez de empurrá-lo para fora de mim, meu amigo piorou a situação.

Ela confrontou os diretores.

Naquele momento, meu pesadelo se tornou realidade.

Ele admitiu que estava errado, mas tudo depende de você.

Se você for à polícia, nós o suspenderemos.

Caso contr√°rio, n√£o vamos.

Por que essa foi minha escolha? Isso n√£o deveria ser a decis√£o deles?

Eu fui a vítima, não eles.

Novas emo√ß√Ķes encheram minha mente.

Ele estava escapando prejudicando meu bem-estar emocional.

Nessa situação, eu não importava.

Tudo o que importava era a reputação das escolas.

A agress√£o sexual n√£o pode acontecer na escola.

Verificação da realidade: sim.

Para mim.

Duas semanas depois, meus pais foram informados.

Aquele dia foi a primeira vez que vi meu pai chorar.

Um dia.

Ele recebeu uma suspens√£o de um dia.

Minha mãe é o que foi preciso para fazer cinco.

Seus poderes superprotetores da m√£e foram revelados.

As m√£os do diretor tremeram quando minha m√£e fez o que o conselho escolar deveria ter feito – se envolveu.

Eu nunca quis pisar naquela escola novamente.

Quando o diretor descobriu que eu estava transferindo, ele reduziu minhas aulas para três.

Tudo o que me restava eram três aulas para me formar.

Eu amei a escola.

Por que eu só queria ir à escola por três horas porque eu era a vítima? Perdi um tempo valioso em minha própria educação.

O √ļltimo ano deveria ser feito de risadas, sorrisos e o ano para fazer todas as lembran√ßas de despedida.

Meu √ļltimo ano n√£o foi nada disso.

Chorei mais do que sorri.

Minhas lembranças positivas se transformaram em um pesadelo.

Todos os dias, os flashbacks continuavam enquanto eu corria para ele no corredor.

Eu queria me esconder dos sentimentos que estavam me comendo vivo.

Ele conhecia minha agenda.

N√£o havia para onde correr.

O baile foi cortado duas horas.

Porque em todo lugar que eu olhava, ele aparecia √† dist√Ęncia.

Olhando, talvez n√£o olhando para mim, mas na minha mente eu n√£o conseguia fugir.

Eu tive que sair de l√°.

Quando o processo legal começou, ele constantemente me lembrou os eventos em 23 de dezembro.

Eu não tinha forças para enfrentá-lo no tribunal.

Dei a ele um acordo judicial: a conduta criminal sexual de quarto grau foi acusada.

O fato é que nenhuma história de agressão sexual é semelhante.

Nossas feridas precisam ser curadas, nossas histórias precisam ser entendidas e nossas palavras precisam ser ouvidas.

Todos nós precisamos de apoio.