Diferente é interessante

Diferente é interessante

Peculiar eu acho que é o que você chamaria dele.

Quando ele tinha 1 ano, ele se apegou a essas botas de neve fofas.

Usou-os direto até 2009.

Mesmo durante o ver√£o, com shorts.

Sem meias.

Os pés de bebê de 1 ano mais cheirosos que encontrei na vida.

Fiz meus ouvidos queimarem, eram t√£o ruins.

Ele passou disso para um par de botas de chuva para bombeiros que um de nossos vizinhos lhe deu.

Ele sempre estava tão orgulhoso de sua preparação quando chovia.

Ele conseguiu fazer uma quantidade ridícula de saltos entre 2 e 3 anos.

Todas as suas peculiaridades n√£o se manifestaram na moda.

Ele tinha outros também.

Lembro que uma vez abri a caixa de brinquedos e estava quase vazia.

Como se eu pudesse ver o fundo devido à falta de brinquedos.

Levei dias para perceber que ele tinha guardado todas as suas coisas em v√°rias mochilas.

Que ele trabalhou para levar a toda parte com ele.

Até adormecer no chão com eles amarrados nas costas.

Ele ainda aprecia uma bolsa artisticamente empacotada.

Quando ele ficou doente, suas peculiaridades ficaram arraigadas em seu ser.

Como todas as coisinhas fofas que ele costumava fazer, assumiram sua mente e se tornaram tarefas n√£o t√£o fofas e frustrantes que ele precisava concluir.

√Č assim que o TOC √© quando voc√™ √© pequeno.

Você tem todas essas coisas que seu cérebro está lhe dizendo para fazer e elas estão lá, não importa o quanto tente ignorá-las, cutucando, insistindo e depois batendo no seu interior para sair.

E ent√£o eles se sentem e voc√™ se sente melhor, mas meio pior, porque OMG ALGU√ČM viu isso? Eu realmente espero que ningu√©m tenha visto isso.

E se eles tiram sarro de mim ?!

Seu TOC √© exasperado por um dist√ļrbio de tique, o que significa que ele executa muitos movimentos (tudo, desde piscar os olhos at√© mancar) ou sons (ele est√° limpando a garganta e zumbindo) repetidamente.

Quando é realmente esmagador, ele se preocupa mais com as pessoas percebendo.

Porque enquanto ele gosta de ser diferente – bom, ele n√£o quer ser diferente – ruim.

E ele sabe que as pessoas fazem essa distinção.

Recentemente, ele ficou melhor em conviver com seu dist√ļrbio (eu odeio essa palavra, porque parece uma coisa ruim e, embora algumas vezes seja, tamb√©m √© apenas uma parte dessa pessoa que amo).

Ele pode controlá-lo melhor, ele pode gerenciá-lo de forma mais eficaz, ele pode aceitar o que é e isso faz parte de sua vida.

Sua capacidade de fazer isso (graças às visitas semanais a seu terapeuta cognitivo-comportamental neste verão e a mais mudanças de vida do que você pode contar com todos os seus apêndices), o torna menos difundido, o que, por sua vez, torna mais fácil ainda para ele .

√Č um c√≠rculo vicioso e bonito em que eu gostaria que ele n√£o estivesse, mas tamb√©m adoro fazer parte.

Ainda temos dias difíceis semanas, meses, mas também temos dias incríveis.

Aqueles em que sinto que, mesmo que desejasse que sua vida fosse mais fácil, também amo quem ele se tornou.

Aqueles em que eu percebo que o seu diferente é o tipo de diferente que todos devemos querer ser.

Ele se preocupa mais com coisas que outras crianças nem pensam, como a morte, a velhice, o mundo e seus problemas.

Ele aceita mais as coisas que os outros questionam.

Ele é mais aberto com seu carinho.

E ele não tem um filtro que o torne honesto, mas também cativante.

Na semana passada, ele começou a segunda série.

No segundo dia de aula, ele desceu com a camisa de dentro para fora e para tr√°s, provocando uma breve discuss√£o

Eu: Ah, então você está fazendo isso? Eu também não sabia que era uma coisa da escola. (Ele os usava assim durante todo o verão.)

Ele: Sim, eu gosto desse jeito.

Eu: Você sabe que terá muitas perguntas, certo?

Ele: Talvez, mas acho que vai ficar bem.

Quando chegou em casa, ele vestiu a camisa ainda do avesso, mas não também para trás

Eu: Ah, você mudou?

Ele: Eu cansei de ser interrogado.

Todo mundo pensou que eu estava confuso, mas realmente, eram eles.

E ele est√° certo.

Ele consegue, é todo mundo que não consegue acompanhar.

Ele costumava ser a tor√ß√£o na mangueira, a chave inglesa no plano, a * inser√ß√£o aleat√≥ria de outros ditos usados ‚Äč‚Äčpara descrever a pessoa que quebra o molde e rejeita o status quo aqui *.

E sua diferença é ao mesmo tempo confusa e intrigante para os que o rodeiam.

Ele tem uma grande personalidade acentuada por todas essas peculiaridades especiais que o tornam interessante e atraente, √ļnico e at√© legal.

O que me leva às meias.

Eles nunca combinam e realmente nunca têm outro senão quando ele era um bebê.

E por um breve per√≠odo no jardim de inf√Ęncia, quando eu queria estar no controle de algo em um momento em que todos os meus filhos estavam deixando meu ninho.

Ele costumava desdobrar todos os pares correspondentes que fiz e selecionar dois pares n√£o correspondentes.

Quando percebi que não precisava mais me preocupar em dobrar, ele entrava na lavanderia e pegava duas meias, sem levar em conta a cor, a forma ou até o dono, e as colocava em pé.

Recentemente, ele ficou mais intencional, pelo menos um deve ser alto; estampados ou coloridos s√£o os melhores; e nunca, sempre brancos, esses s√£o chatos.

Tornou-se algo que outras mães vieram até mim e me agradeceram por aliviar a carga de roupa deles desde que, agora que seus filhos não usam mais meias iguais, eles não precisam se preocupar em dobrar as meias.

De nada.

Mas não me agradeça.

√Č tudo ele, totalmente.

De fato, até eu fiquei perplexo com isso.

Ent√£o eu perguntei

Eu: Então, qual é o problema com as meias?

Ele: Eles n√£o combinam.

Eu: Bem, eu sei disso. Mas por que?

Ele: Porque tudo na vida n√£o precisa ser exatamente perfeito.

Tudo bem que as coisas sejam diferentes.

Porque diferente é interessante e eu quero uma vida interessante.

Além disso, nunca consigo encontrar as correspondências.

E ent√£o eu chorei.

Todas as l√°grimas.

Derramando dos meus olhos.

Porque tenho sorte de ter essa alma na minha vida.

Não sei por que ele veio até mim, mas sinto medo e empolgação e ansiedade e alegria ao mesmo tempo.

Eu perguntei a ele sobre isso também

Eu: Estou tão feliz que você me escolheu para sua mamãe.

Ele: eu n√£o.

Deus me enviou porque sabia que seríamos bons juntos.

N√£o posso discutir com isso.