contador gratuito Saltar al contenido

Dia Mundial da Pré-eclâmpsia: tudo o que você precisa saber sobre esta complicação da gravidez

Mulheres grávidas

De acordo com uma estimativa divulgada pelo Portal Nacional de Saúde da Índia, a prevalência de pré-eclâmpsia na Índia oscila entre 8 e 10%. É um distúrbio hipertensivo da gravidez caracterizado por pressão alta e aumento dos níveis de proteína na urina. O transtorno hipertensivo da gravidez é predominante entre 8 a 10% das mulheres grávidas em todo o mundo. Portanto, é imperativo aumentar a conscientização sobre essa condição. O Dia Mundial da Pré-eclâmpsia é comemorado globalmente em 22 de maio com esta intenção. O tema para este ano é Verificar, conhecer, compartilhar. Ao observarmos hoje o Dia Mundial da Pré-eclâmpsia, orientamos você sobre os sintomas da doença e as formas de gerenciá-la. Leia também – Cuidado: 9 horas ou mais de sono não perturbado durante a gravidez pode levar a um parto prematuro

O QUE É PRÉ-ECLAMPSIA?

Essa condição, que ocorre após 20 semanas de gestação, os vasos sanguíneos da futura mãe se apertam em várias partes do corpo, incluindo rins e cérebro. Os sintomas se manifestam nos órgãos do corpo que possuem esses vasos sanguíneos presos. A pré-eclâmpsia também pode levar à constrição de grandes vasos sanguíneos. Mas a boa notícia é que, apesar da gravidade da condição, você pode esperar uma entrega saudável e bem-sucedida se administrada adequadamente. No entanto, um caso não tratado de pré-eclâmpsia pode ter consequências fatais para a mãe e o bebê. Leia também – Evite complicações no primeiro trimestre com nossas dicas de gravidez

SINTOMAS PRÉ-ECLAMPSIA PARA ATENDER A

Como já mencionado, a intervenção médica imediata é essencial para o gerenciamento bem-sucedido desse distúrbio da gravidez. O acesso oportuno ao tratamento só é possível se você conseguir detectar os sintomas logo no início. Aqui estão os sinais reveladores da pré-eclâmpsia que você deve compartilhar com seu ginecologista imediatamente: Leia também – Evite complicações no segundo trimestre com nossas dicas de gravidez

Rápido ganho de peso desencadeado pela retenção de água

Um aumento nos níveis de pressão arterial em que a leitura está acima de 140/90

Mãos e rosto inchados

Inchaço dos tornozelos que persiste além de 12 horas de descanso

Dor de cabeça severa

Presença de altos volumes de proteína na urina

Anormalidades visuais, como luzes piscantes ou visão turva

Dor no abdome superior direito acompanhada e ombro

Dor ou sensação de queimação atrás do esterno

Falta de ar

O QUE A PRÉ-ECLAMPSIA FAZ À MÃE E AO BEBÊ?

Se a pré-eclâmpsia não for bem administrada, pode piorar e levar a conseqüências com risco de vida para a mãe e o bebê. A mãe pode apresentar sangramento no cérebro ou derrame hemorrágico, convulsões e até coma. Se os sintomas da pré-eclâmpsia avançam para convulsão, isso é conhecido como eclâmpsia. O outro sério impacto dessa condição é a síndrome HELLP. Nessa condição, suas enzimas hepáticas aumentam e sua contagem de plaquetas diminui enquanto as células sanguíneas que transportam sangue para os pulmões se rompem. Estes podem danificar permanentemente o sistema nervoso, pulmões e rins.

A pré-eclâmpsia grave pode afetar o bebê, especialmente durante o processo de parto. As complicações para o bebê incluem fluxo insuficiente de sangue e oxigênio para a placenta, descolamento prematuro da placenta do útero, nascimento prematuro, pulmões subdesenvolvidos e até morte. Além disso, a apreensão da mãe pode resultar em asfixia do bebê por nascer.

GERENCIAMENTO DA PRÉ-ECLAMPSIA

A análise da urina para monitoramento da pressão arterial é uma obrigação para as mulheres com essa complicação da gravidez. Em caso de pré-eclâmpsia leve, seu médico pode sugerir uma verificação completa da pressão arterial em repouso no repouso em casa. No entanto, talvez você precise visitar a sala do médico com frequência exames de urina, ultrassom e monitoramento eletrônico dos batimentos cardíacos fetais. Casos graves, por outro lado, podem requerer hospitalização para reduzir o risco de morte ou dano cerebral. O seu médico irá sugerir medicamentos para evitar convulsões e até parto prematuro para proteger o bebê de graves consequências para a saúde. O parto vaginal é mais provável no caso de mulheres com pré-eclâmpsia. Na maioria dos casos, a condição desaparece dentro de 24 horas após a entrega. No entanto, seu médico irá monitorar você e o bebê de perto após o parto.

Publicado em: 22 de maio de 2020 14h14.