contador gratuito Saltar al contenido

Depressão, ansiedade e TOC podem desencadear pensamentos suicidas em crianças

Pensamentos suicidas

Pais, tomem nota. Depressão, ansiedade e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) são as principais razões pelas quais as crianças pensam em suicídio, alertam os pesquisadores. Leia também – Sentindo náuseas o tempo todo? Aqui estão 13 causas que você deve conhecer!

O estudo, publicado na revista Arquivos de pesquisa sobre suicídio, revela os fatores que podem desencadear idéias de suicídio na faixa etária pré-adolescente. Leia também – O estudo mostra alta prevalência de sintomas depressivos em crianças após quarentena de COVID-19

“Nos meninos, são os sintomas depressivos anteriores que determinam a ideia suicida subsequente, enquanto nas meninas é uma combinação de sintomas de ansiedade, TOC e a situação socioeconômica da família”, disse Nuria Voltas, da Universidade Rovira I Virgili, na Espanha. Leia também – Funcionário das ferrovias em quarentena se enforca: saiba como manter afastados os pensamentos suicidas

Os pesquisadores estudaram um grupo de 720 meninos e 794 meninas que estudaram em 13 escolas de Reus. Eles foram monitorados durante três períodos de desenvolvimento, de acordo com faixas etárias de 10 anos, 11 anos e 13 anos.

No início do estudo, os estudantes responderam a uma série de testes psicológicos para detectar quais deles apresentavam sintomas emocionais relacionados à depressão, ansiedade e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

A partir de suas respostas, foram criados dois grupos: um grupo com risco de problemas emocionais e um grupo controle.

Segundo os pesquisadores, os números eram bastante estáveis. Durante o primeiro período, 16% dos estudantes afirmaram ter pensado em suicídio, dos quais 33% declararam o mesmo um ano depois. No segundo e no terceiro período, as idéias de suicídio foram expressas por 18% dos estudantes pesquisados.

O risco de suicídio foi determinado em uma entrevista pessoal e esteve presente em 12,2% das crianças com idade média de 11 anos. Embora não houvesse diferenças entre os sexos, a gravidade do comportamento suicida foi maior nos meninos.

“Nossos resultados nos permitirão ter maior controle sobre esse aspecto em particular e tomar medidas preventivas em pré-adolescentes, que estão passando por um período de considerável vulnerabilidade”, concluiu.

13 de julho de 2019 às 11:34