Confiss√Ķes de um pai reformado cortador de grama
Psicologia

Confiss√Ķes de um pai reformado cortador de grama

Confiss√Ķes de um pai reformado cortador de grama

Creativel / iStock

Quando ela se aproximou de mim, eu percebi que ela estava chateada. Minha filha de 11 anos, geralmente corajosa, caminhou lentamente em minha dire√ß√£o depois de descer do √īnibus, e seus olhos estavam cheios de l√°grimas. Era o come√ßo do ano letivo e, como sempre, come√ßava dif√≠cil porque sua timidez sempre eleva sua cabe√ßa feia nos primeiros dias de uma nova situa√ß√£o escolar. Este ano, era o refeit√≥rio que estava causando sua ang√ļstia. N√£o familiarizado com a maioria das crian√ßas de sua nova turma, o almo√ßo havia se tornado uma situa√ß√£o estressante e perturbadora para ela. N√£o porque ela √© uma crian√ßa que n√£o tem amigos, mas porque ela √© uma crian√ßa que tem problemas para iniciar conversas com outras crian√ßas. Uma vez que algu√©m quebra o gelo, sua personalidade radiante brilha.

Este ano foi particularmente dif√≠cil porque as meninas pr√©-adolescentes s√£o uma multid√£o dif√≠cil. Se voc√™ n√£o se encaixa no molde borbulhante t√≠pico feminino, pode ser dif√≠cil invadir uma turma de garotas da quinta s√©rie. Eu sei disso muito bem, pois eu era a garota t√≠mida e livre da minha classe da quinta s√©rie e, al√©m disso, muitas vezes a nova garota da escola. Eu podia me sentir voltando √†quele garoto desajeitado e dolorosamente t√≠mido no refeit√≥rio, enquanto ela detalhava as prova√ß√Ķes de seu pr√≥prio almo√ßo solit√°rio naquele dia.

Meu primeiro instinto foi torn√°-lo melhor de alguma forma. Para quem eu poderia ligar? Quem eu conhecia na escola que poderia ajud√°-la a navegar pelas √°guas agitadas do refeit√≥rio da quinta s√©rie? O que eu poderia fazer neste momento para aliviar imediatamente sua √≥bvia ang√ļstia, para que ela n√£o tivesse que sofrer a indignidade de ter que comer em sil√™ncio sozinha, como eu fiz tantas vezes na quinta s√©rie?

Enquanto esses pensamentos passavam pela minha cabeça, eu sabia que era errado manipular o que estava acontecendo no refeitório. Tentei me impedir de interferir e microgerenciar sua experiência escolar. Mas eu simplesmente não consegui esquecer, e me vi chamando um amigo que trabalhava na lanchonete para discutir a situação e elaborar um plano para que minha filha não passasse tanto tempo na escola.

E eu me odiava pelo que agora sei que chamamos de pais cortadores de grama. ‚ÄĚ

Diferente do termo mais conhecido como pais de helic√≥ptero ‚ÄĚ, onde os pais pairam sobre seus filhos e se envolvem demais em suas atividades cotidianas, os pais de cortadores de grama s√£o uma ra√ßa totalmente diferente. Pais de helic√≥ptero na velocidade, se voc√™ quiser. Esses pais ficam obcecados com os obst√°culos que podem surgir em todos os est√°gios do desenvolvimento e tentam criar maneiras de abrir caminho para que seus filhos tenham uma navega√ß√£o tranq√ľila e nenhum conflito. Basicamente, eles cortam um caminho perfeito para que seus preciosos n√£o tenham nem um pouco de ang√ļstia, criando assim uma esperan√ßa de inf√Ęncia perfeita.

E se eu sou culpado de queimar o velho cortador de grama, você provavelmente também é, e precisamos acabar com isso, pais.

Porque n√£o estamos fazendo nenhum favor aos nossos filhos, facilitando a vida deles.

A vida √© dif√≠cil √†s vezes, especialmente durante o in√≠cio da adolesc√™ncia. Todos nos encolhemos quando olhamos para as fotos do ensino m√©dio e vemos os √≥culos, a acne e o arn√™s (cale a boca, voc√™ tamb√©m tinha, eu sei). Todos trememos quando pensamos naqueles momentos estranhos com os primeiros beijos e cora√ß√Ķes partidos devastadores. Lembramos a solid√£o que acompanha uma briga com um bom amigo. E co√ßamos a cabe√ßa e nos perguntamos o que diabos est√°vamos pensando quando olhamos para as roupas que insistimos serem legais.

Todos nós sobrevivemos embora.

E nossos filhos também.

Sim, haverá lágrimas ao longo do caminho e você desejará marchar e rasgar o garoto que partiu seu coração de garotinha. Você assistirá seu filho se debater em álgebra e falhar em um teste de francês que sabe que ele poderia ter passado com cores vivas se ele realmente estudasse. Você segurará seu filho enquanto eles choram por não fazer parte do time de basquete e se perguntará como você sobreviveu ao moinho de fofocas do ensino médio. E você nunca entenderá o assédio do Snapchat. Sempre. Com cada solavanco ao longo do caminho, você será instantaneamente levado de volta ao tempo que gostaria de terminar, o tempo no ensino médio em que desejaria poder passear pelos corredores com o conhecimento que tem agora como adulto.

Mas não é sobre nós.

√Č sobre eles.

Nossos filhos precisam ter as mesmas experi√™ncias que tivemos para obter a perspectiva necess√°ria para a vida adulta. Eles precisam sentir vergonha e vergonha para que possam ser lembrados de que querem fazer o melhor por si mesmos. Eles precisam sentir o constrangimento das situa√ß√Ķes sociais para que sejam for√ßados a olhar al√©m da zona de conforto, a alcan√ßar algo que realmente desejam. Sim, temos que ajud√°-los, mas n√£o pavimentando todo o caminho. N√£o √© t√£o f√°cil que eles s√£o for√ßados a se esfor√ßar para melhorar suas situa√ß√Ķes ou aprender com seus erros. Em vez disso, precisamos fornecer a eles as ferramentas para descobrir tudo. E deix√°-los cair ocasionalmente.

Porque cair n√£o √© a parte mais dif√≠cil. √Č o apoio, a luta pelo que √© certo e o fortalecimento diante da adversidade, que √© crucial para que nossos filhos dominem. E abrir um caminho para nossos filhos pularem a vida s√≥ os tornar√° imbecis com direito. E temos muitos deles, pessoas.

Portanto, afaste os cortadores de grama, pais, e deixe seus filhos fazerem o trabalho duro de crescer. Por mais dif√≠cil que seja, n√£o podemos microgerenciar a inf√Ęncia deles. Temos que guardar nosso envolvimento para quando eles realmente precisarem de n√≥s, e que eles saibam que estaremos l√° quando for importante. Porque, francamente, empurrar um cortador de grama √© um trabalho √°rduo e sentar no p√°tio com uma ta√ßa de vinho enquanto seu filho corta a grama (li√ß√Ķes de vida, pessoas) √© muito mais agrad√°vel.