Como se tornar um pai adotivo em Michigan

Como se tornar um pai adotivo em Michigan

Como se tornar um pai adotivo em Michigan

Talvez voc√™ sempre tenha pensado em estender sua fam√≠lia um dia abrindo sua casa para uma crian√ßa que n√£o tem. Ou talvez voc√™ tenha lutado para ter seu pr√≥prio filho e tenha pensado em como se tornar um pai adotivo ou talvez at√© adot√°-lo. Seja qual for a sua situa√ß√£o, h√° muitas pessoas que n√£o passam do est√°gio “sonhar” ou “pensar” de se tornar um pai adotivo. Impressionados com o que fazer ou como come√ßar, eles nunca agem ou se aprofundam na possibilidade. Se voc√™ √© uma dessas pessoas, aqui est√° seu guia para come√ßar a ver se a promo√ß√£o √© a escolha certa para voc√™.

Etapa 1: faça uma chamada simples

Uma das primeiras e mais f√°ceis etapas √© ligar para o 855-MICHKIDS, onde voc√™ estar√° conectado com pais adotivos experientes que podem solucionar d√ļvidas ou ajudar a explicar o processo de se tornar licenciado para ser um pai adotivo.

Katie Page-Sander, que anteriormente gerenciava o Programa de Navegação Foster Care (FCNP), que é financiado pelo Departamento de Serviços Humanos de Michigan (DHS). Ela supervisionou a equipe de pessoas que atendem a essas chamadas e que, além da experiência pessoal como famílias adotivas, foram treinadas no processo de licenciamento de assistência social.

“N√£o somos uma ag√™ncia de licenciamento”, enfatiza. “Ajudamos em todos os momentos do processo.”

Com mais de 13.000 crianças em um orfanato em Michigan, a necessidade de famílias adotivas é grande, afirma Page-Sander. Ela gosta de se referir à sua equipe de navegadores como concierges de assistência social que ajudam a navegar no roteiro para promover a licença de assistência social.

“√Äs vezes nos referimos a n√≥s mesmos como amigos por dentro”, diz ela.

Muitas pessoas t√™m id√©ias erradas sobre o sistema de assist√™ncia social. O programa navegador ajuda a dissipar mitos, responder a perguntas e fornecer instru√ß√Ķes para come√ßar.

“Muitas pessoas n√£o percebem que voc√™ pode ser solteiro e ser pai adotivo, pode alugar sua casa, ter outros filhos ou n√£o ter filhos, trabalhar em per√≠odo integral”, diz Page-Sander. “H√° uma enorme variedade de cen√°rios, e precisamos dessa enorme variedade, pois temos uma popula√ß√£o ampla e diversificada de crian√ßas que precisam de uma casa em todo o estado”.

Etapa 2: participar de uma orientação

Um primeiro passo importante depois que uma fam√≠lia ou indiv√≠duo tiver perguntas iniciais respondidas por um Navegador Foster Care √© selecionar uma ag√™ncia local com a qual trabalhar e depois participar de uma das sess√Ķes de orienta√ß√£o da ag√™ncia.

‚ÄúAconselhamos que as pessoas visitem uma ou mais ag√™ncias e se encontrem com as pessoas cara a cara para ter uma ideia de cada uma‚ÄĚ, diz Page-Sander.

Embora todas as agências sejam regulamentadas pelo estado e exijam o mesmo treinamento dos pais adotivos, algumas são maiores, outras menores.

“Existe a ag√™ncia DHS do seu condado local e existem ag√™ncias privadas em todo o estado contratadas pelo DHS”, explica Page-Sander. ‚ÄúAlguns s√£o religiosos e outros n√£o-seculares. As pessoas n√£o percebem que voc√™ pode selecionar sua ag√™ncia; voc√™ tem uma escolha.”

Ao tomar essa decisão, os pais devem desenvolver uma lista de perguntas que possam ser respondidas pelo navegador antes da orientação da agência. Essas perguntas podem afetar a disponibilidade de grupos de apoio para pais adotivos por meio da agência, serviços para famílias adotivas dentro da agência, acesso a um terapeuta infantil e apoio educacional.

“Voc√™ deve sentir que est√° recebendo um bom atendimento ao cliente”, insiste Page-Sander. ‚ÄúA ag√™ncia responde √†s suas preocupa√ß√Ķes? Eles ligam para voc√™ de volta? O estado precisa desesperadamente de lares adotivos. Voc√™ deve ser tratado como se fosse necess√°rio.

Etapa 3: preencher um aplicativo

Ap√≥s a orienta√ß√£o da ag√™ncia, os pais adotivos aspirantes precisar√£o preencher um pedido de licenciamento residencial adotivo. Eles tamb√©m precisam obter impress√Ķes digitais e preencher o formul√°rio de solicita√ß√£o de libera√ß√£o de registro de licenciamento, uma verifica√ß√£o de antecedentes para avaliar se o indiv√≠duo tem uma condena√ß√£o ou um registro comprovado de abuso ou neglig√™ncia infantil. Os candidatos tamb√©m precisar√£o fornecer registros m√©dicos para toda a fam√≠lia.

Etapa 4: faça um estudo em casa

Outra parte importante do processo de licenciamento é um estudo em casa. Durante essa visita à casa de um candidato por uma assistente social da agência de sua escolha, o candidato ou os orfanatos discutirão todos os aspectos de sua vida.

“Ao contr√°rio do que algumas pessoas pensam, n√£o somos muito exigentes quanto a uma casa perfeita”, diz Page-Sander. ‚ÄúExiste uma grande variedade de pais maravilhosos dedicados e seguros por a√≠. N√≥s apenas temos que garantir que o lar seja seguro, que os indiv√≠duos estejam dispostos a receber o treinamento necess√°rio e que entendam que o objetivo do acolhimento familiar √© a reunifica√ß√£o da crian√ßa com sua fam√≠lia biol√≥gica, se poss√≠vel. ‚ÄĚ

O estado exige que 40 pés quadrados de espaço no quarto estejam disponíveis para cada criança adotiva em casa.

“Um quarto tem que ser um quarto”, observa Page-Sander. “N√£o pode ser um arm√°rio ou a sala de estar. Al√©m disso, os assistentes sociais que conclu√≠ram o estudo em casa n√£o v√£o trazer luvas brancas e procurar poeira. Trata-se de garantir que a casa seja segura “.

Etapa 5: prepare-se

Outro componente essencial do processo de licenciamento de assist√™ncia social √© o treinamento obrigat√≥rio de 12 horas. Cada ag√™ncia segue um curr√≠culo padronizado conhecido como “PRIDE” ou Recursos para Pais para Desenvolvimento e Educa√ß√£o da Informa√ß√£o.

‚ÄúO treinamento do PRIDE aborda as raz√Ķes pelas quais as crian√ßas acabam em um orfanato, sofrimento e perda, apego, trabalhando com a fam√≠lia biol√≥gica da crian√ßa e a equipe profissional e com a disciplina apropriada‚ÄĚ, explica Page-Sander.

Os pais adotivos deverão concluir um treinamento adicional a cada ano para manter sua licença.

Depois que todos esses componentes da licença são concluídos, e o indivíduo ou a família recebe sua licença, pode ser uma questão de dias ou até horas para receber uma ligação sobre um filho adotivo que precisa de um lar.

“N√£o √© incomum as pessoas receberem uma liga√ß√£o no dia em que recebem sua licen√ßa”, observa Page-Sander. “Depende de onde voc√™ mora e do leque de crian√ßas adotivas que voc√™ est√° aberto a receber.”

Page-Sander observa que adolescentes, grupos de irmãos e crianças com deficiência precisam de casas em particular.

“Se voc√™ estiver aberto a receber um adolescente, poder√° receber a liga√ß√£o em poucas horas”, diz ela.

Crian√ßas e adolescentes que aguardam um lar adotivo ir√£o pular entre coloca√ß√Ķes tempor√°rias de curto prazo e, √†s vezes, abrigos, nenhum dos quais se destina a ser uma solu√ß√£o a longo prazo.

“Isso n√£o √© o ideal”, diz Page-Sander. “Estamos sempre procurando um ambiente familiar para crian√ßas.”

Os pais adotivos podem esperar visitas mensais, se não mais frequentes, do assistente social e a comunicação em geral será frequente com a agência.

“Fam√≠lias muito privadas podem ter dificuldades como pais adotivos”, reconhece Page-Sander. ‚ÄúMuitas pessoas ter√£o acesso a voc√™, seus filhos e sua casa. Haver√° muitas pessoas entrando e saindo de suas vidas entre o assistente social da crian√ßa, o respons√°vel pelo licenciamento dos pais adotivos e os pais biol√≥gicos da crian√ßa. “

Gostou deste post? Confira estes outros posts:

Promoção: Coisas a considerar Conheça Peggy Fiebelkorn Conheça os Majchrzaks

Esta postagem foi publicada originalmente em 2014 e é atualizada regularmente.