Como falar com seu bebê, falando parentese

Como falar com seu bebê, falando parentese

Como falar com seu bebê, falando parentese

Eunão é segredo que os bebês absorvem tudo como uma esponja. De fato, nos primeiros três anos de vida, o cérebro de um bebê quase triplica de tamanho, mas isso não acontece por si só. Isso acontece quando seu bebê interage com o mundo e as pessoas ao seu redor. Qual é a melhor maneira de interagir com outro ser humano? Falando, é claro!

A conversa com o bebê pode ser incrivelmente benéfica para o desenvolvimento cognitivo do seu filho. Os bebês começarão a distinguir as vozes de sua mãe e outros sons importantes nos primeiros meses de vida e, com o passar do tempo, começarão a responder a esses sons, diz a Dra. Stefanie Hines, chefe de pediatria do desenvolvimento e comportamento e diretora da o Centro de Desenvolvimento Humano de Beaumont.

Infelizmente, alguns pais acham que conversar com alguém que não vai responder é um pouco tolo e se abstém de envolver o filho na conversa até que fiquem mais velhos. Um estudo divulgado recentemente na revista Pediatria descobriram que as mães têm quase três vezes mais chances do que os pais de se envolver em conversas sobre bebês.

Ent√£o, quais s√£o as melhores maneiras de envolver seu filho em “conversa”, o que voc√™ deve evitar e como pode envolver o pai? A Dra. Hines concorda com suas principais dicas.

Mantenha breve

N√£o √© necess√°rio ter uma discuss√£o de uma hora sobre o mais recente esc√Ęndalo mundial. Frases curtas sobre o que est√° acontecendo ao longo do dia funcionar√° bem.

“Uma coisa que eu faria √© mant√™-lo muito simples e n√£o constantemente bombardear com palavras”, diz Hines.

Ela recomenda que os pais conversem com os filhos sobre qualquer coisa ao longo do dia – dizendo coisas como “Faz sol l√° fora” ou “Mam√£e est√° lavando a lou√ßa”.

As crianças processam a linguagem à medida que avançam, diz Hines, e até mesmo bobagens podem ser benéficas. Apenas certifique-se de usar as palavras que deseja repetir mais tarde.

Leia em voz alta

Claro, o bebê pode não saber que você não deveria Hop on Pop, mas isso não significa que eles não tirem nada da leitura do Dr. Seuss.

“Ler para o seu beb√™ tamb√©m faz parte das conversas sobre o beb√™”, diz o Dr. Hines.

De fato, existem muitos benefícios que a leitura em voz alta pode trazer para o seu bebê fora das habilidades de comunicação.

O Kidshealth.org descobriu que a leitura em voz alta pode desenvolver habilidades de escuta e mem√≥ria, fornecer informa√ß√Ķes aos beb√™s e at√© come√ßar√° a ensinar-lhes conceitos como cor, n√ļmeros, letras e formas.

Como um benefício adicional, as crianças que são lidas aprendem a falar sua língua nativa na hora certa Рe isso até fortalecerá o vínculo entre pai e bebê.

Dê ao bebê a chance de responder

¬ęQuando atingem os seis meses de idade, come√ßam a reconhecer a pausa e essa conversa d√° e recebe¬Ľ, diz Hines.

√Č importante dar ao seu filho a chance de responder com seus pr√≥prios sons. Dessa forma, o beb√™ continua a crescer e entende como manter uma conversa.

Permitir a eles uma chance de responder reforça a ideia de que, quando os pais param de falar, é a vez do bebê falar e, quando o bebê para de falar, é a vez da mãe ou do pai para conversar, explica Hines.

N√£o substitua uma tela

Na sociedade altamente dependente de tecnologia de hoje, pode ser fácil colocar Baby Einstein ou outro programa educacional e deixe o bebê acontecer, mas Hines e a Academia Americana de Pediatria desaconselham o uso de um tablet ou televisão para substituir as conversas reais sobre bebês.

“A intera√ß√£o entre o cuidador e a crian√ßa √© o que √© importante”, diz Hines. “A TV ou a tela n√£o s√£o um bom substituto, porque voc√™ n√£o entende o lado interativo”.

Suba no nível deles

Quanto aos pais que simplesmente não serão tolos, Hines recomenda que os pais caiam no chão para brincar com o bebê.

“Role por a√≠, se quiser, brinque com os brinquedos, mantenha as m√£os e apenas converse com eles enquanto estiver fazendo”, diz ela.

Um artigo publicado pelo Boston.com, respondendo à Pediatria estudo, apoia o pai a conversar com o bebê à sua maneira. Ele não precisa imitar a mãe ou fazer tudo o que ela faz.

Simplesmente encontre o que funciona para você e continue fazendo isso.