Como a gravidez me fez amar meu corpo

Como a gravidez me fez amar meu corpo

Como a gravidez me fez amar meu corpo

Youproduction / Shutterstock

Lembro-me de ficar nua na frente do espelho quando estava no ensino médio, examinando a realidade do meu corpo recentemente alterado. Eu me inclino e aperto meus cotovelos juntos, tentando empurrar meus copos A perto o suficiente para fazer uma aparência de decote. Eu voltaria para trás e puxaria a pele das minhas coxas por trás, imaginando como seria ter pernas longas e flexíveis como meu amigo Mandi.

Como é o caso de muitas mulheres jovens, nunca fiquei totalmente satisfeito com minha figura nos anos anteriores ao bebê. Eu não detestava, mas certamente não a amava. Definitivamente, havia coisas que eu teria mudado se eu tivesse a opção. Um pouco mais em cima para encher meu sutiã, um pouco menos lixo no meu tronco. Eu sempre pensei que meu corpo em forma de pêra pudesse usar uma redistribuição de riqueza.

Quando engravidei aos 24 anos, assumi que tinha os mesmos sentimentos que ouvira tantas mulheres expressarem sobre seus corpos em transforma√ß√£o. As perguntas pairaram: Eu lutaria para perder os quilos de beb√™? Eu sempre tive um est√īmago bastante plano. Eu perderia isso para sempre? Meus quadris f√©rteis ficariam ainda mais amplos? Meus seios cederiam ap√≥s o beb√™, como tantas mulheres descrevem? Eu tinha seios suficientes? para sag?

Eu sabia que meu corpo mudaria e esperei que os sentimentos de frumpiness me atingissem durante a gravidez e depois, mas eles nunca vieram. Nenhuma das mudanças na minha figura me pareceu negativa. Quando minha barriga deu a volta, tudo o que vi foram evidências impressionantes de que eu poderia criar uma pessoa real lá. Enquanto meus seios se enchiam, eu me senti mais feminina, mais ferozmente feminina do que eu jamais senti em minha vida. Meus quadris férteis pareciam perfeitamente adequados quando finalmente cumpriram seu objetivo. Eu amei o que estava acontecendo com meu corpo e, pela primeira vez, senti uma sensação de orgulho por sua propriedade.

E, no entanto, também me senti desconectado de uma maneira que nunca antes. Não era apenas meucorpo mais. Era o local de algo sagrado, o lar de um milagre, o berço de outros seres humanos começando nesta terra. Era algo novo, mudado para sempre.

Percebi que nunca mais poderia olhar para minha estrutura física apenas como uma manifestação material de mim mesma. Tornou-se muitíssimo mais moral e eu o assistia passar pelo mesmo processo transformador mais duas vezes. Meu corpo era uma magnífica máquina de fazer bebês. Cresceu e alimentou três pessoas inteiras praticamente do zero. E nesse processo, todo o espaço para críticas corporais foi empurrado e substituído por reverência e admiração.

Como posso reclamar da forma do navio que me trouxe meus filhos? Como posso desejar afastar meus quadris largos, o portal atrav√©s do qual meus beb√™s vieram ao mundo? Como posso olhar para os meus peitos pequenos com uma x√≠cara de copa como algo al√©m de dur√Ķes quando nutriram e nutriram meus filhos? Como posso me preocupar com um pequeno vira-lata quando essa pele foi esticada sobre o edif√≠cio invis√≠vel de tr√™s seres humanos inteiros?

Odiar qualquer coisa sobre o meu corpo agora parece meio irreverente. √Č como odiar a Capela Sistina por descascar tinta. H√° uma beleza sagrada no corpo da m√£e, uma profundidade e uma hist√≥ria incorporadas em suas aparentes imperfei√ß√Ķes. Todos os corpos s√£o obras de arte quando voc√™ realmente os olha. Gravidez e parto me deram a lente que eu precisava para ver isso.

Se todo corpo √© uma obra de arte, que tipo de obra-prima √© uma m√£es corpo? Algu√©m que se sacrifica tanto para criar, abrigar e dar vida a uma nova vida? Um que abriga, alimenta, estica e sangra para fazer mais arte? √Č insond√°vel que algu√©m veja o corpo de uma mulher diminu√≠do de alguma forma depois de ter filhos. Essa beleza pode n√£o corresponder aos padr√Ķes da ind√ļstria do entretenimento, mas quem se importa. H√° muito mais em nossos corpos do que se eles parecem ou n√£o perfeitos em biqu√≠nis.

Eu sei que nem toda m√£e se sente bem com seu corpo depois dos beb√™s. Tenho certeza de que alguns tomar√£o essas palavras como santificadoras ou pollyannaish ou como um julgamento sobre mulheres que t√™m carne de verdade com a maneira como seus corpos mudaram. Mas acho importante saber que nem todas as mulheres sentem que a gravidez arruinou seus n√ļmeros. Para mim, a gravidez me mostrou o qu√£o forte, capaz e incr√≠vel meu corpo realmente √©, e sempre foi. Desde que seja saud√°vel, sua apar√™ncia √© de pouca import√Ęncia.

Depois de três bebês, sou grato por dizer que realmente amo meus seios pequenos, quadris grandes e tudo.