Autismo em crianças: razões, sinais e tratamento

Autismo em crianças: razões, sinais e tratamento

Autismo em crianças: razões, sinais e tratamento

Última atualização em 15 de junho de 2018

Descobrir que seu filho tem autismo deixará você envolvido em muitas emoções, como raiva, tristeza, medo, preocupação e nervosismo. No entanto, existem muitas pessoas navegando no mesmo barco que você. É crucial que você supere essas emoções em prol do seu filho que mais precisa de você. Neste artigo, veremos o autismo, suas causas, sintomas, diagnóstico e tratamentos.

O que é o Transtorno do Espectro do Autismo em Crianças?

Autismo é um termo genérico usado para categorizar uma série de distúrbios que incluem diferentes síndromes e condições diagnosticadas classicamente no DSM (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais). Abrange um conjunto de defeitos cognitivos e comportamentais que incluem integração social, desenvolvimento linguístico e comprometimento da comunicação. O espectro no nome Transtorno do Espectro do Autismo implica que não há maneira ou grau fixo que limite os sintomas. Crianças diferentes mostram diferentes extensões do distúrbio, o que significa que todas elas têm habilidades e desafios especiais a enfrentar. A criança pode apresentar sintomas leves, moderados ou graves.

ASDs não têm um viés racial ou socioeconômico. Com base nos dados do CDC nos Estados Unidos, a probabilidade de uma criança adquirir uma dessas condições varia de 0,3% a 1% da população. Os meninos correm um risco maior de ter um TEA, com uma taxa quatro vezes maior que a das meninas; embora as meninas apresentem sintomas muito mais graves.

Embora as taxas de TEA estejam aumentando cerca de 15% ao ano, os cientistas não têm certeza se o aumento é em termos reais ou se os métodos de diagnóstico para identificá-los melhoraram. Agora, existem vários distúrbios que se enquadram no termo Transtorno do Espectro do Autismo. Esses são:

1. Autismo

Também conhecido como transtorno autista, as crianças que o apresentam apresentam principalmente dificuldade em dominar as habilidades de comunicação. Além disso, eles exibem graus mais baixos de empatia, ou seja, eles acham difícil ler as respostas emocionais das pessoas ao seu redor. As crianças autistas acham muito difícil expressar claramente seus pensamentos, sentimentos e desejos. Também é bastante comum encontrar crianças com autismo com talentos e habilidades em diferentes áreas, como matemática, memorização, música, arte, dança, etc.

2. Transtorno desintegrativo da infância

Uma condição extremamente incomum, manifesta-se em crianças que se desenvolveram sem apresentar sintomas por 2-3 anos e, depois disso, começam a mostrar níveis mais baixos de capacidade de comunicação.

3. Síndrome de Asperger

Crianças com essa síndrome têm habilidades linguísticas normais a melhores que a média. No entanto, eles têm problemas para socializar e se comunicar. Portanto, o Asperger também é chamado de autismo de alto funcionamento.

4. Transtorno Pervasivo do Desenvolvimento

PDD é um termo genérico usado para crianças que apresentam sintomas de um TEA, mas não correspondem exatamente às outras condições.

Se seu filho apresentar alguns sintomas de autismo, isso não significa imediatamente que ele tem TEA. Por exemplo, seu filho pode não conseguir compreender palavras simples, recusar-se a mudar hábitos, mostrar comportamentos repetitivos, ter dificuldade em se dar bem com outras crianças e assim por diante. No entanto, muitas crianças são assim e isso não significa necessariamente nada. Se você sentir que seu filho tem diferenças marcantes na comunicação em comparação com outras crianças da idade dela, você pode procurar um especialista médico certificado para um diagnóstico.

Causas do autismo em crianças

As causas do autismo ainda são debatidas por pesquisadores médicos e profissionais. No entanto, todos concordam em uma coisa – que é provável que haja várias causas de autismo. Pesquisas mostram que o comportamento autista em alguns casos pode ser causado pela rubéola durante a gravidez, fenilcetonúria no bebê e encefalite (inchaço do cérebro). Geralmente, o consenso é que as seguintes coisas podem ser responsáveis ​​pelo autismo:

1. Genética

Estudos sobre gêmeos idênticos mostram que o autismo aparece no outro gêmeo mais do que apareceria se fossem fraternos. Além disso, ter um filho autista aumenta suas chances de ter um segundo filho autista em 5%; que é significativamente superior à taxa média de 1,5. Alguns estudos identificaram um conjunto de genes ligados ao autismo, especialmente na presença de outros fatores como desequilíbrio hormonal, anóxia e exposição a toxinas. Uma condição genética conhecida como síndrome do X frágil também é conhecida por estar ligada ao autismo.

2. Fatores Ambientais

Existem vários fatores ambientais possíveis envolvidos com o autismo, como parto prematuro, síndrome alcoólica fetal, obesidade materna, diabetes na gravidez e certos medicamentos para convulsões. Outro conjunto de culpados poderia ser produtos químicos tóxicos, como pesticidas, herbicidas, mercúrio e chumbo.

3. Idade dos Pais

A pesquisa ligou a idade dos pais ao autismo na criança. Curiosamente, mães adolescentes e mulheres com mais de 40 anos tendem a ter mais filhos autistas do que mulheres entre essas idades. A idade do pai também desempenha um papel importante, com um salto de 50 a 70% no risco de ter um filho autista para pais com mais de 50 anos de idade.

4. Outros problemas de saúde

Foi demonstrado que várias condições têm links para o autismo. Alguns deles são neurofibromatose, síndrome de Down, distrofia muscular, paralisia cerebral e epilepsia infantil.

Uma coisa extremamente crucial a lembrar é que não há ligação entre o autismo no seu filho e a vacinação. Nos últimos anos, tem sido uma tendência para as pessoas não vacinarem seus filhos por medo de a vacina causar autismo. Isso ocorreu devido a um estudo agora bem desmembrado que ligava um preservativo de mercúrio, chamado timerosal encontrado na vacina MMR, ao autismo. Embora o timerosal não seja mais usado, vários estudos em larga escala mostraram que não há conexão entre vacinas e qualquer TEA.

Sinais de autismo em crianças

Os sinais de autismo em crianças podem ser observados desde muito jovens. No entanto, aqui você pode encontrar sinais de autismo em crianças de diferentes faixas etárias:

1. Em crianças pré-escolares

O autismo pode ser observado em crianças de 6 meses a 4 anos de idade. Aqui estão os sinais a serem observados se seu bebê tiver menos de um ano de idade.

  • Seu bebê não está interessado em jogos ou rostos de bebês
  • Seu bebê não está sorrindo, rindo ou reagindo a vozes e outros sons
  • Seu bebê não está interessado em falar ou emitir sons e gestos
  • Seu bebê não se sente confortável ao ser tocado por longos períodos de tempo

Para crianças entre um e dois anos, aqui estão alguns sinais importantes a serem observados:

  • Seu filho não está empregando nenhuma linguagem corporal
  • Seu filho não está usando pelo menos duas palavras por vez quando ele tem dois
  • Seu filho mostrou uma regressão na capacidade verbal e fala menos do que antes
  • Seu bebê prefere viver em sua própria zona, afastando-se das interações humanas
  • Seu filho não gosta de andar muito ou, mesmo que o faça, é apenas na ponta dos pés

Crianças com autismo entre dois e quatro anos de idade apresentam os seguintes sintomas:

  • Uma criança acha difícil se expressar em palavras e pode até não falar completamente
  • Problema de fala, a criança fala, mas com um ritmo incomum, que é com gagueira, vocalização aguda ou aguda ou em tom achatado

  • Uma criança não está compreendendo instruções ou instruções dadas a ela por seus pais, familiares ou professores
  • Expressa emoções em voz alta e em público sem motivo óbvio
  • Uma criança mostra sinais de hiperfocagem, o que significa que olha para um único objeto ou fala sobre uma coisa por horas a fio
  • Prefere sua própria empresa, muitas vezes evitando outros filhos da sua idade
  • Uma criança faz repetidamente coisas como abrir e fechar portas, andar em círculos, bater palmas ou alinhar brinquedos de uma maneira específica
  • Comportamento teimoso, especialmente sobre seu gosto por comida e hábitos
  • Mostra medo de coisas simples, como cadeiras ou brinquedos de pelúcia, mas pode não ter medo de veículos ou altura.
  • Ela é incapaz de dormir confortavelmente durante a noite

2. Em crianças em idade escolar

Em muitos casos, os sintomas de autismo em crianças não aparecem cedo. No entanto, como ainda existe o risco de desenvolver um TEA mais tarde na vida, é importante prestar atenção aos seguintes sinais em seu filho em idade escolar.

1. Sensibilidade

Crianças com autismo mostram reações estranhas a estímulos como luzes, sons, cheiros, gostos e toques. Eles podem parecer não prestar atenção naqueles que estão conversando diretamente com eles, mas às vezes se incomodam com sons suaves como papéis embaralhados ou pássaros cantando. Qualquer mudança repentina nos estímulos sensoriais ao seu redor, como uma aparência de luzes brilhantes, sons altos e texturas ásperas, pode incomodá-los bastante.

2. Comprometimento emocional

Crianças com autismo não podem expressar suas emoções de uma maneira socialmente aceitável. Eles podem começar a gritar, chorar ou rir sem nenhuma causa aparente. Se confrontado com ansiedade, seu filho pode até mostrar um comportamento histérico ou agressivo, como morder, arranhar, bater, quebrar objetos e assim por diante. Eles podem mostrar gestos ou expressões inadequados em um contexto social, optando por ignorar outras pessoas, tendo assim poucos ou nenhum amigo. Essas crianças tendem a mostrar comportamentos obsessivos, principalmente quando se trata de certos objetos que os preocupam constantemente.

3. Comprometimento neurológico

Se seu filho tiver autismo, provavelmente será mais esperto em tarefas não verbais do que verbais. Ela costuma usar frases curtas e acha muito difícil falar com gramática comum. Ela também tenderá a ser boa em tarefas visuais e espaciais, mas menos eficiente em questões que requerem pensamento abstrato. Essas crianças tendem a entender as coisas literalmente, pois acham difícil compreender expressões idiomáticas, símiles ou metáforas.

Como é feito o diagnóstico?

Etapas do diagnóstico

As crianças que têm autismo têm um padrão único de desenvolvimento. Embora às vezes o TEA possa ser notado desde o nascimento, geralmente a falta de habilidades linguísticas e sociais surge após um ano ou dois. Quanto mais rápido o autismo é diagnosticado, mais rápido você pode ajudar seu filho a lidar com o distúrbio.

O médico observará primeiro o comportamento único do seu filho. Para que o diagnóstico seja realizado, seu filho deve ter um problema em pelo menos um dos seguintes itens: comportamento social, capacidade linguística ou hipersensibilidade.

1. Rastreio

Os profissionais médicos geralmente tentam um diagnóstico em 18 meses. Isso ocorre porque os sinais de autismo flutuam. No entanto, várias crianças com autismo de alto funcionamento não podem ser diagnosticadas até que elas frequentem a escola e exibam comportamento social não convencional. Em outros casos, o teste de autismo para a criança pode ser feito muito mais cedo se os sintomas forem óbvios. O método mais comum de triagem de seu filho é através do M-CHAT-R ou da Lista de Verificação Modificada para Autismo em Crianças Revisadas. Geralmente é realizado para crianças com idades entre um e dois. Esse método observa todos os comportamentos e os analisa em relação a um controle padrão para essa idade específica. Para tornar o teste mais viável, é feita uma entrevista pós-teste. No entanto, como esse teste não é totalmente abrangente, se você suspeitar ou detectar fortes sintomas de autismo, faça uma triagem de desenvolvimento para seu filho, que informará sobre quaisquer deficiências de desenvolvimento que seu filho possa ter. Se houver algum problema, seu médico sugerirá uma avaliação diagnóstica abrangente.

2. Avaliação diagnóstica abrangente

Este método é uma melhoria significativa em relação à triagem. Isso inclui observar o desenvolvimento e os comportamentos de seu filho, além de realizar testes genéticos, auditivos, visuais e neurológicos. Para isso, pode ser necessário procurar um especialista como um pediatra de desenvolvimento ou um neurologista infantil. Para esta avaliação, um conjunto de ferramentas de diagnóstico está disponível. Alguns deles são o cronograma de observação para diagnóstico do autismo, genérico, a escala de classificação do autismo na infância e a escala de classificação do autismo na Gilliam – segunda edição.

Tratamentos para crianças com autismo

Infelizmente, o autismo não tem cura, mas há muitas coisas que você e seu médico podem fazer para ajudar a melhorar a condição do seu filho. Algumas das terapias e tratamentos para crianças com autismo são:

1. Comprometimento neurocomportamental

A terapia com um psicoterapeuta infantil treinado é a primeira opção. Nos casos em que crianças com autismo também apresentam sinais de depressão ou ansiedade, esse tratamento é altamente recomendado.

2. Medicação

Pode ser necessário tomar medicamentos para aliviar alguns dos sintomas pelos quais as crianças com autismo passam, como convulsões, agressões, depressão e insônia.

3. Tratamentos não recomendados

Há um número significativo de tratamentos recomendados para o autismo, mas deve ser fortemente evitado, pois eles não mostram muita eficácia e podem até ser prejudiciais. Alguns deles incluem dietas sem glúten, oxigenoterapia, monitoramento da atividade cerebral e uso de medicamentos para remover o mercúrio.

Complicações comuns de saúde

Crianças autistas podem ser suscetíveis a algumas condições de saúde comuns. Esses incluem:

1. Convulsões

Estes geralmente começam na infância ou adolescência e podem ocorrer a qualquer momento.

2. Distúrbios genéticos

Isso inclui a síndrome de Angelman, síndrome do X frágil, esclerose e síndrome da duplicação.

3. Problemas de sono

Estes podem ser causados ​​por apneia do sono ou distúrbios gastrointestinais.

4. Distúrbios gastrointestinais

Crianças autistas são suscetíveis a diarréia ou constipação crônica.

5. Pica

As crianças com autismo podem comer coisas que não são alimentos, como giz, argila ou sujeira, mesmo quando crescidas.

6. Disfunção de integração sensorial

Isso é causado por uma dificuldade no processamento de informações sensoriais e pode causar respostas incomuns a sons, visões e cheiros que podem parecer normais para outras pessoas.

Prevenção

O autismo infantil está além do controle dos pais, pois é amplamente determinado pela genética. Para aqueles que sentem que podem estar em risco, aqui estão algumas das precauções:

1. Dieta

Evitar o álcool e ingerir alimentos orgânicos ajudará, pois o álcool e os pesticidas têm sido associados ao autismo em crianças.

2. Idade

Para aqueles que têm histórico familiar de autismo, estudos têm mostrado que ter filhos entre 18 e 40 anos maximiza as chances de ter um filho não autista.

Pontas de Parenting

1. Eduque-se

É importante que você, como mãe, aprenda o máximo possível sobre o autismo para poder apoiar seu filho e ajudá-lo com sua condição. Existem também vários programas de apoio aos pais para pais com filhos diagnosticados com autismo.

2. Comunicar

Como essa é a principal habilidade que seu filho com autismo não tem, é importante ajudá-lo a se comunicar com clareza. Você pode fazer isso falando de forma clara e simples em um ambiente sem ruído. Você deve enunciar com pausas suficientes para que seu filho possa processar suas palavras em seu próprio tempo.

3. Grupos de Suporte

Felizmente, hoje em dia há muito apoio para crianças com TEA, e você deve perceber que não está sozinho. Se puder, encontre um grupo de pais na sua região ou on-line cujos filhos também tenham autismo. Você aprenderá muito sobre como criar filhos com autismo e poderá dar seu apoio a esses pais.

É doloroso aceitar o fato de que seu filho pode ter autismo. No entanto, a coisa mais importante a fazer é não perder a esperança. A principal coisa a lembrar aqui é que você precisa ajudar seu filho a viver uma vida gratificante.

Leia também: Transtorno de Conduta em Crianças