contador gratuito Skip to content

Atletas e gerenciamento de ansiedade.

No in√≠cio do s√©culo 20, os psic√≥logos Robert Yerkes e John Dodson caracterizaram a rela√ß√£o entre excita√ß√£o ansiosa e a√ß√£o (ou desempenho) em suas pesquisas seminais. Suas descobertas: que quando as pessoas t√™m muito ou Muito pouco se sabe sobre a excita√ß√£o fisiol√≥gica para um bom desempenho; √Č conhecida como lei de Yerkes-Dodson e destaca a import√Ęncia de alcan√ßar um equil√≠brio ideal entre ativa√ß√£o e relaxamento para obter melhores resultados.

Se voc√™ deseja "otimizar seus resultados", seja um sucesso profissional ou pessoal, como voc√™ o define, observe as pessoas que frequentemente atrapalham a ansiedade e aprendem a jogar bem com ela (em vez de combat√™-la). ) pode oferecer id√©ias √ļteis.

O conceito "Vida como esporte".

Empres√°rios em blocos de partida.

Westend61 / Getty Images

O Dr. Jonathan Fader, psic√≥logo esportivo da equipe da Major League Baseball NY Mets e co-fundador da Union Square Practice em Nova York, nos lembra que h√° muito a aprender sobre como brincar com a ansiedade daqueles Eles fazem isso com freq√ľ√™ncia, incluindo atletas de elite. Bombeiros, policiais e militares.

O que esses "profissionais da ansiedade" têm em comum é que praticam regularmente a melhoria da consciência emocional e fisiológica, gerenciam esses estados e são expostos repetidamente a pistas (por exemplo, a bola de tênis servida em sua direção, a som de um alarme de incêndio). ou o cheiro de fumaça no ar). Em seu livro, o Dr. Fader enfatiza que, quando o estresse ocorre, e certamente o fará ", o objetivo não é uma resposta emocional". Em vez disso, o objetivo é identificar um grau de excitação adaptável a você, que a ativa. Uma maneira positiva sem se sobrecarregar.

Como os profissionais alcançam esse equilíbrio para se esforçarem durante os momentos estressantes da vida?

Mind the Mindset

Mulher de esportes na raquete de tênis

Tara Moore / Getty Images

Usando o diálogo interno, as ameaças podem ser reconceptualizadas como desafios. Isso é tão verdadeiro para o tenista quanto ele se prepara para um jogo de desempate, assim como para o aluno que comparece a um exame mais difícil do que o esperado ou para um empresário que cumpre o prazo de projeto que foi avançado.

Adotar uma mentalidade de crescimento (termo cunhado pela psic√≥loga Carol Dweck, da Universidade de Stanford) √© um primeiro passo importante no desenvolvimento de uma nova narrativa √ļtil. Uma mentalidade de crescimento √© aquela em que voc√™ acredita que esfor√ßo, aprendizado e persist√™ncia levar√£o a um melhor desempenho.

Isso contrasta com uma mentalidade fixa in√ļtil, na qual se acredita que habilidades, sejam elas intelig√™ncia ou talentos, sejam imut√°veis. A mentalidade fixa (por exemplo, "eu sou um p√©ssimo orador p√ļblico" ou "eu n√£o sou uma pessoa criativa") pode levar a evitar experi√™ncias em que voc√™ pode se sentir um fracasso. Mas ent√£o voc√™ n√£o aprende tanto ou aprimora suas habilidades.

As mentalidades de crescimento podem levar a conversas inspiradoras e motivadoras, uma ênfase no processo e não no resultado e na busca de oportunidades para praticar e melhorar em uma área específica.

Aguarde e prepare-se para o estresse

Atleta examinando a parede de pedra no gin√°sio

John Fedele / Getty Images

Atletas profissionais, socorristas e membros das forças armadas devem participar de exercícios práticos por um motivo. A prática de rebatidas pode melhorar o tempo de resposta a um arremesso, praticar um saque de tênis pode melhorar a velocidade, preparar a escalada pode desenvolver força e estratégia. Além do desenvolvimento de força e habilidade, essas práticas são oportunidades para as pessoas aprenderem a melhor maneira de lidar com o estresse físico e psicológico.

Uma das maneiras cr√≠ticas pelas quais voc√™ pode controlar a resposta aut√īnoma do seu corpo √† ansiedade, escreve o Dr. Fader, √© praticando exerc√≠cios respirat√≥rios (leia aqui para obter mais informa√ß√Ķes sobre exerc√≠cios respirat√≥rios que abordar especificamente os sintomas f√≠sicos da ansiedade.)

Um m√≠nimo de seis inala√ß√Ķes e exala√ß√Ķes completas pode ajudar a pessoa comum a reduzir sua resposta de ansiedade, explica o Dr. Fader, e a combina√ß√£o de exerc√≠cios respirat√≥rios com exerc√≠cios de visualiza√ß√£o (ou seja, descrevendo todos os aspectos do cen√°rio desafiador) Pode fortalecer seu estado fisiol√≥gico e mental. Funda√ß√£o em prepara√ß√£o. Para obter mais informa√ß√Ķes sobre como integrar uma pr√°tica di√°ria focada na respira√ß√£o em sua agenda lotada, consulte as recomenda√ß√Ķes do American Institute of Stress.

Recue antes de seguir em frente

Jogadores de futebol, revendo jogando no tablet digital

Thomas Barwick / Getty Images

No A vida como esporte, Existem v√°rias ilustra√ß√Ķes de como os atletas de elite se tornam um modo de observador, assumindo essencialmente o que o Dr. Fader considera um "ponto de vista de terceira pessoa" de suas performances. Esse pode ser um dos motivos da pr√°tica comum de revisar imagens de jogos em diferentes esportes.

Felizmente para os atletas n√£o profissionais entre n√≥s, uma perspectiva independente de si mesmo tamb√©m pode ser alcan√ßada. Imagina√ß√£o e visualiza√ß√£o podem ajudar, assim como voc√™ pode fazer algumas perguntas simples. Para praticar sair de si mesmo e do momento, o Dr. Fader recomenda desenvolver um ritual no qual voc√™ pergunta sobre (1) sua experi√™ncia f√≠sica de um momento, (2) como as sensa√ß√Ķes come√ßam e terminam e (3) se voc√™ pode identificar alguma reviravolta positiva na sua resposta ao desafio.

O objetivo deste exerc√≠cio √© promover um esp√≠rito de curiosidade, em vez de condena√ß√£o, na auto-reflex√£o. Com o tempo, isso pode ser traduzido de maneira mais ampla em uma conscientiza√ß√£o geral, sem preconceitos. O Dr. Fader elabora: "Quando voc√™ pode estar disposto a experimentar os sentimentos e sensa√ß√Ķes em rela√ß√£o √† sua ansiedade como normais e inofensivas, pode ter uma sensa√ß√£o de poder sobre elas, mesmo que elas n√£o tenham desaparecido".

Use o corpo para incorporar confiança

Finais da NBA 2016 - jogo sete

Esporte Ezra Shaw / Getty Images

O que não dizemos, nossa postura, tom de voz ou direção de nosso olhar, comunica os volumes aos outros e a nós mesmos. Considere um jogador de basquete que responde a um chute perdido, olhando para baixo, balançando a cabeça e curvando os ombros. Seu corpo pode estar reagindo a pensamentos e sentimentos desapontados de uma maneira compreensível, mas é provável que sua mente reaja ao seu corpo, talvez com sentimentos de desesperança e a crença de que é improvável que você obtenha oportunidades de três pontos. .

Compare isso com o melhor marcador da equipe. Se o tiro falhar, ele poderá rejeitar a decepção reunindo a multidão e a si próprio por extensão.

Para melhorar sua compostura sob pressão enquanto brinca com sua ansiedade, o Dr. Fader recomenda começar alterando um ou dois aspectos do comportamento. Isso pode estar um pouco mais alto, relaxando os ombros ou as sobrancelhas ou intencionalmente falando em um ritmo mais lento. Observe se uma mudança de comportamento leva a outra ou se ocorrem consequências fisiológicas positivas (por exemplo, respiração mais lenta, diminuição da frequência cardíaca).

Não esqueça a diversão

Crianças jogando futebol.

Christopher Futcher / Getty Images

Quando você começar a tocar com alguns dos exercícios descritos acima, lembre-se de que tocar significa tocar. Faça o seu melhor para trazer um pouco de leveza à tarefa em questão. Trabalhe contra o seu instinto humano natural para perceber o que está errado, aconselha o Dr. Fader em seu livro e concentre-se no que foi bom para você e seus colegas de vida. A recompensa não precisa ser grande, nem mesmo diretamente relacionada ao que você espera mudar; Só precisa ser algo positivo que você sinta que ganhou com seus esforços.

O editor forneceu uma amostra dos seguintes livros para sua revis√£o:

Fader, J. A vida como esporte: o que os melhores atletas podem ensinar sobre como vencer na vida. Da Capo Press: Boston, MA (2016).