contador gratuito Skip to content

Ataques de Pânico e Transtorno do Pânico

Ataques de Pânico e Transtorno do Pânico

Já experimentou uma súbita onda de ansiedade e medo esmagadores? Explore este guia para ataques de pânico, incluindo sintomas, tratamento e dicas de auto-ajuda.

o que é um ataque de pânico?

Um ataque de pânico é uma intensa onda de medo caracterizada por sua inesperada e debilitante, intensidade imobilizadora. Seu coração bate forte, você não consegue respirar e pode sentir como se estivesse morrendo ou enlouquecendo. Os ataques de pânico geralmente surgem do nada, sem nenhum aviso e, às vezes, sem um gatilho claro. Eles podem até ocorrer quando você está relaxado ou dormindo.

Um ataque de pânico pode ser uma ocorrência única, embora muitas pessoas experimentem episódios repetidos. Os ataques de pânico recorrentes geralmente são desencadeados por uma situação específica, como atravessar uma ponte ou falar em publicações, especialmente se essa situação já causou um ataque de pânico antes. Geralmente, a situação de indução de pânico é aquela em que você se sente ameaçado e incapaz de escapar, desencadeando a resposta de luta ou fuga do corpo.

Você pode experimentar um ou mais ataques de pânico, mas, de outra forma, é perfeitamente feliz e saudável. Ou seus ataques de pânico podem ocorrer como parte de outro distúrbio, como transtorno do pânico, fobia social ou depressão. Independentemente da causa, ataques de pânico são tratáveis. Existem estratégias que você pode usar para reduzir ou eliminar os sintomas de pânico, recuperar sua confiança e retomar o controle de sua vida.

A histĂłria de Paula

Paula teve seu primeiro ataque de pânico seis meses atrás. Ela estava em seu escritório se preparando para uma importante apresentação de trabalho quando, de repente, sentiu uma intensa onda de medo. Então a sala começou a girar e ela sentiu que ia vomitar. Seu corpo inteiro estava tremendo, ela não conseguia recuperar o fôlego e seu coração estava batendo forte no peito. Ela agarrou sua mesa até o episódio passar, mas a deixou profundamente abalada.

Paula teve seu próximo ataque de pânico três semanas depois e, desde então, eles vêm ocorrendo com crescente frequência. Ela nunca sabe quando ou onde sofrerá um ataque, mas tem medo de ter um em público. Consequentemente, ela fica em casa depois do trabalho, em vez de sair com os amigos. Ela também se recusa a subir no elevador até o escritório do 12º andar, com medo de ficar presa se tiver um ataque de pânico.

Sinais e sintomas de ataque de pânico

Os sinais e sintomas de um ataque de pânico se desenvolvem abruptamente e geralmente atingem seu pico em 10 minutos. Eles raramente duram mais de uma hora, com a maioria terminando em 20 a 30 minutos. Ataques de pânico podem acontecer em qualquer lugar e a qualquer momento. Você pode ter um enquanto está em uma loja, caminhando pela rua, dirigindo seu carro ou até sentado no sofá em casa.

Os sintomas do ataque de pânico incluem:

  • Falta de ar ou hiperventilação
  • Palpitações cardĂ­acas ou coração acelerado
  • Dor ou desconforto no peito
  • Tremendo ou tremendo
  • Sensação de asfixia
  • Sentindo-se irreal ou desapegado do seu entorno
  • Sudorese
  • Náusea ou dor de estĂ´mago
  • Tonturas, tonturas ou desmaios
  • Sensações de dormĂŞncia ou formigamento
  • Flashes quentes ou frios
  • Medo de morrer, perder o controle ou enlouquecer

É um ataque cardíaco ou um ataque de pânico?

A maioria dos sintomas de um ataque de pânico é física e, muitas vezes, esses sintomas são tão graves que você pode pensar que está tendo um ataque cardíaco. De fato, muitas pessoas que sofrem de ataques de pânico fazem viagens repetidas ao médico ou à sala de emergência na tentativa de obter tratamento para o que acreditam ser um problema médico com risco de vida. Embora seja importante descartar possíveis causas médicas de sintomas como dor no peito, batimentos cardíacos elevados ou dificuldade em respirar, geralmente é o pânico que é negligenciado como uma causa potencial e não o contrário.

Sinais e sintomas de transtorno do pânico

Enquanto muitas pessoas experimentam apenas um ou dois ataques de pânico sem mais episódios ou complicações e há poucas razões para se preocupar se essas são algumas pessoas que desenvolvem transtorno do pânico. O transtorno do pânico é caracterizado por ataques de pânico repetidos, combinados com grandes mudanças de comportamento ou ansiedade persistente por causa de novos ataques.

Você pode estar sofrendo de transtorno do pânico se:

  • Experimente ataques de pânico frequentes e inesperados que nĂŁo estĂŁo vinculados a uma situação especĂ­fica
  • Preocupe-se muito em ter outro ataque de pânico
  • Comportam-se de maneira diferente devido aos ataques de pânico, como evitar lugares onde vocĂŞ já entrou em pânico

Enquanto um único ataque de pânico pode durar apenas alguns minutos, os efeitos da experiência podem deixar uma impressão duradoura. Se você tem transtorno do pânico, os ataques de pânico recorrentes têm um custo emocional. A lembrança do intenso medo e terror que você sentiu durante os ataques pode afetar negativamente sua autoconfiança e causar sérias perturbações em sua vida cotidiana. Eventualmente, isso leva aos seguintes sintomas do transtorno do pânico:

Ansiedade antecipatĂłria Em vez de se sentir relaxado e como seu eu normal entre ataques de pânico, vocĂŞ se sente ansioso e tenso. Essa ansiedade decorre do medo de futuros ataques de pânico. Esse “medo do medo” está presente a maior parte do tempo e pode ser extremamente incapacitante.

Evitação fóbica Você começa a evitar certas situações ou ambientes. Essa prevenção pode ser baseada na crença de que a situação que você está evitando causou um ataque de pânico anterior. Ou você pode evitar lugares onde a fuga seria difícil ou a ajuda não estaria disponível se você tivesse um ataque de pânico. Levada ao extremo, a evitação fóbica torna-se agorafobia.

Transtorno do pânico com agorafobia

A agorafobia era tradicionalmente considerada um medo de lugares públicos e espaços abertos. No entanto, acredita-se agora que a agorafobia se desenvolva como uma complicação dos ataques de pânico e do transtorno do pânico. Embora possa se desenvolver a qualquer momento, a agorafobia geralmente aparece dentro de um ano após seus primeiros ataques de pânico recorrentes.

Se você tem agorafobia, tem medo de sofrer um ataque de pânico em uma situação em que a fuga seria difícil ou embaraçosa. Você também pode ter medo de ter um ataque de pânico em que não seria capaz de obter ajuda. Por causa desses medos, você começa a evitar mais e mais situações.

Por exemplo, você pode começar a evitar:

  • Lugares lotados, como shopping centers ou arenas esportivas.
  • Carros, aviões, metrĂ´s e outras formas de viagem.
  • Reuniões sociais, restaurantes ou outras situações em que seria embaraçoso ter um ataque de pânico.
  • ExercĂ­cio fĂ­sico, caso provoque pânico.
  • Certos alimentos ou bebidas que podem provocar pânico, como álcool, cafeĂ­na, açúcar ou medicamentos especĂ­ficos.
  • Ir a qualquer lugar sem a companhia de alguĂ©m que faça vocĂŞ se sentir seguro. Em casos mais graves, vocĂŞ pode se sentir seguro apenas em casa.

Causas de ataques de pânico e transtorno do pânico

Embora as causas exatas dos ataques de pânico e do transtorno do pânico não sejam claras, a tendência a ter ataques de pânico ocorre nas famílias. Também parece haver uma conexão com as principais transições da vida, como se formar na faculdade e entrar no local de trabalho, casar ou ter um bebê. Estresse severo, como a morte de um ente querido, o divórcio ou a perda de emprego também pode desencadear ataques de pânico.

Ataques de pânico também podem ser causados ​​por condições médicas e outras causas físicas. Se você sofre de sintomas de pânico, é importante consultar um médico para descartar as seguintes possibilidades:

  1. Prolapso da válvula mitral, um pequeno problema cardíaco que ocorre quando uma das válvulas do coração não fecha corretamente
  2. Hipertireoidismo (glândula tireóide hiperativa)
  3. Hipoglicemia (baixo nível de açúcar no sangue)
  4. Uso de estimulantes (anfetaminas, cocaĂ­na, cafeĂ­na)
  5. Retirada de medicamentos

Dicas de auto-ajuda para ataques de pânico

Não importa o quão impotente ou descontrolado você possa se sentir sobre seus ataques de pânico, é importante saber que há muitas coisas que você pode fazer para se ajudar. As seguintes técnicas de auto-ajuda podem fazer uma grande diferença para ajudá-lo a superar o pânico:

Aprenda sobre o pânico e ansiedade. Simplesmente saber mais sobre o pânico pode ajudar bastante a aliviar sua angústia. Leia sobre ansiedade, transtorno do pânico e a resposta de luta ou fuga experimentada durante um ataque de pânico. Você aprenderá que as sensações e sentimentos que você sente quando entra em pânico são normais e que não está ficando louco.

Evite fumar, álcool e cafeína. Todos eles podem provocar ataques de pânico em pessoas suscetíveis. Se você precisar de ajuda para abandonar o hábito do cigarro, consulte Como parar de fumar. Além disso, tenha cuidado com medicamentos que contenham estimulantes, como pílulas dietéticas e medicamentos para resfriado não sonolentos.

Aprenda a controlar sua respiração. A hiperventilação causa muitas sensações (como tontura e aperto no peito) que ocorrem durante um ataque de pânico. A respiração profunda, por outro lado, pode aliviar os sintomas do pânico. Ao aprender a controlar sua respiração, você pode se acalmar quando começar a se sentir ansioso. E se você sabe como controlar sua respiração, também é menos provável que crie as mesmas sensações de que tem medo.

Pratique técnicas de relaxamento. Quando praticadas regularmente, atividades como ioga, meditação e relaxamento muscular progressivo fortalecem as respostas de relaxamento do corpo, o oposto da resposta ao estresse envolvida na ansiedade e no pânico. E não apenas essas práticas de relaxamento promovem o relaxamento, mas também aumentam os sentimentos de alegria e equanimidade.

Conecte-se pessoalmente com familiares e amigos. Os sintomas de ansiedade podem piorar quando você se sente isolado, então procure pessoas que se preocupam com você regularmente. Se você acha que não tem ninguém a quem recorrer, explore maneiras de conhecer novas pessoas e criar amizades solidárias.

Pratique exercícios regularmente. O exercício é um alívio natural da ansiedade, então tente se mover por pelo menos 30 minutos na maioria dos dias (três sessões de 10 minutos são tão boas). O exercício aeróbico rítmico, que exige mover os braços e as pernas, como caminhar, correr, nadar ou dançar, pode ser especialmente eficaz.

Durma bastante em repouso. Um sono de qualidade insuficiente ou insuficiente pode piorar a ansiedade, por isso tente dormir de sete a nove horas por noite. Se dormir bem Ă© um problema para vocĂŞ, essas dicas para dormir bem podem ajudar.

Tratamento para ataques de pânico e transtorno do pânico

A forma mais eficaz de tratamento profissional para combater ataques de pânico, transtorno do pânico e agorafobia é a terapia. Mesmo um curto curso de tratamento pode ajudar.

Terapia cognitiva comportamental concentra-se nos padrões de pensamento e comportamentos que estão sustentando ou desencadeando seus ataques de pânico e ajuda você a encarar seus medos sob uma luz mais realista. Por exemplo, se você tivesse um ataque de pânico enquanto dirigia, qual é a pior coisa que realmente aconteceria? Embora você precise parar ao lado da estrada, não é provável que você bata no carro ou tenha um ataque cardíaco. Depois que você aprende que nada realmente desastroso vai acontecer, a experiência do pânico se torna menos aterrorizante.

Terapia de exposição para transtorno do pânico permite que você experimente as sensações físicas do pânico em um ambiente seguro e controlado, oferecendo a oportunidade de aprender maneiras mais saudáveis ​​de lidar. Você pode ser solicitado a hiperventilar, sacudir a cabeça de um lado para o outro ou prender a respiração. Esses diferentes exercícios causam sensações semelhantes aos sintomas de pânico. A cada exposição, você fica com menos medo dessas sensações corporais internas e sente uma maior sensação de controle sobre o pânico.

Terapia de exposição para transtorno do pânico com agorafobia inclui a exposição às situações que você teme e evita também está incluído no tratamento. Como na terapia de exposição para fobias específicas, você enfrenta a situação temida até que o pânico comece a desaparecer. Com essa experiência, você aprende que a situação não é prejudicial e que você tem controle sobre suas emoções.

Medicação para ataques de pânico e transtorno do pânico

Os medicamentos podem ser usados ​​para controlar ou reduzir temporariamente alguns dos sintomas do transtorno do pânico. No entanto, ele não trata ou resolve o problema. A medicação pode ser útil em casos graves, mas não deve ser o único tratamento adotado. A medicação é mais eficaz quando combinada com outros tratamentos, como terapia e mudanças no estilo de vida, que abordam as causas subjacentes do transtorno do pânico.

Os medicamentos utilizados podem incluir:

Antidepressivos. Demora várias semanas antes que eles comecem a funcionar, então você deve tomá-los continuamente, não apenas durante um ataque de pânico.

Benzodiazepínicos. Estes são medicamentos anti-ansiedade que agem muito rapidamente (geralmente dentro de 30 minutos a uma hora). Tomá-los durante um ataque de pânico proporciona um alívio rápido dos sintomas. No entanto, os benzodiazepínicos são altamente viciantes e apresentam sintomas graves de abstinência, portanto devem ser usados ​​com cautela.

Como ajudar alguém com um ataque de pânico

Ver um amigo ou ente querido sofrer um ataque de pânico pode ser assustador. Sua respiração pode se tornar anormalmente rápida e superficial, eles podem ficar tontos ou tontos, tremer, suar, sentir náuseas ou pensar que estão tendo um ataque cardíaco. Não importa o quão irracional você ache a resposta de pânico a uma situação, é importante lembrar que o perigo parece muito real para a pessoa amada. Simplesmente dizer a eles para se acalmarem ou minimizar o medo não ajuda. Mas, ajudando seu ente querido a enfrentar um ataque de pânico, você pode ajudá-lo a sentir menos medo de futuros ataques.

Fique calmo. Ser calmo, compreensivo e sem julgar ajudará o pânico do seu ente querido a diminuir mais rapidamente.

Concentre seu ente querido na respiração deles. Encontre um lugar tranquilo para o seu amigo se sentar e depois oriente-o a respirar devagar e profundamente por alguns minutos.

Faça algo físico. Juntos, levante e abaixe os braços ou bata os pés. Pode ajudar a aliviar o estresse de seu ente querido.

Tire seu amigo da cabeça dele pedindo-lhes para citar cinco coisas ao seu redor ou conversando tranquilamente sobre um interesse comum.

Incentive seu ente querido a procurar ajuda. Depois que o ataque de pânico termina, seu ente querido pode se sentir envergonhado por ter um ataque na sua frente. Tranquilize-os e incentive-os a procurar ajuda para sua ansiedade.

Autores: Melinda Smith, M.A., Lawrence Robinson e Jeanne Segal, Ph.D. Última atualização: outubro de 2019.