As crianças aprendem a usar as 'ferramentas' sem tanta ajuda dos pais quanto você imagina

As crian√ßas aprendem a usar as ‘ferramentas’ sem tanta ajuda dos pais quanto voc√™ imagina

As crianças aprendem a usar as 'ferramentas' sem tanta ajuda dos pais quanto você imagina

De martelos a escovas de cabelo, os seres humanos descobriram dispositivos engenhosos para lidar com os problemas do dia a dia. Eles são chamados de ferramentas. E as crianças são muito boas em descobrir como usar as mais simples, sem ajuda externa, como grandes símios.

Foi o que descobriu um estudo recente do Reino Unido sobre tykes com idades entre 2 e 3 1/2. √Č uma “cren√ßa popular de que o uso b√°sico de ferramentas em humanos requer aprendizado social”, disseram os pesquisadores em um comunicado.

Ent√£o, o que isso significa para os pais e como eles devem introduzir “ferramentas” nos pequenos?

Por que é legal

Primeiro, um pouco sobre o estudo. Ele colocou 50 crian√ßas em 12 tarefas de solu√ß√£o de problemas, na verdade baseadas em coisas que os macacos fazem na natureza (para que as tarefas n√£o fossem familiares). Em cada caso, eles sabiam que poderiam usar uma ferramenta semelhante a um bast√£o para fazer coisas como, por exemplo, remover bolas de Play-Doh de um tubo. Para 11 tarefas, os tykes intrigaram as solu√ß√Ķes em um a tr√™s minutos.

“As crian√ßas que envelhecem tendem a tentar resolver esses problemas com as m√£os”, disse a pesquisadora Eva Reindl, do departamento de psicologia da Universidade de Birmingham, √† Metro Parent. Portanto, todo o conceito de usar um graveto como ferramenta ‚Äúj√° √© uma conquista‚ÄĚ para essas crian√ßas, acrescenta ela.

Dito isto, Reindl n√£o ficou surpreso. Aqui em casa, nem Stacy Santamaria, coordenadora da primeira inf√Ęncia no Warren Woods Early Childhood Center.

“√Č o que j√° sab√≠amos”, diz ela. “Eu acho que (as habilidades adquiridas no estudo) s√£o totalmente aceit√°veis, em termos de desenvolvimento, para essa faixa et√°ria”.

Fora da ‘caixa de ferramentas’

Ao escolher as ferramentas para o seu filho explorar, procure aquelas que ajudam a desenvolver habilidades motoras finas que ser√£o essenciais no jardim de inf√Ęncia, diz Santamaria. “Clipes de papel, martelos de brinquedo, ferramentas de brinquedo e outras coisas assim podem ajudar”, diz ela. As atividades de ‚Äúcorte‚ÄĚ tamb√©m s√£o √≥timas: use uma ferramenta de pl√°stico segura para modelar a massa em diferentes formas. Ou, para outro jogo divertido, pe√ßa √†s crian√ßas que comprem pompons com um prendedor de roupa.

Seja criativo jogando fora tamb√©m. “Afinal, folhas e galhos podem ser boas ferramentas”, observa Reindl, “como mostra a pesquisa sobre grandes macacos”.

Incentive a experimentação

Se seu filho pedir ajuda, incentive o pensamento criativo e permita-lhe tentar maneiras diferentes de resolver a tarefa por conta pr√≥pria, primeiro. “Deixe as crian√ßas explorarem”, sugere Reindl. “As crian√ßas s√£o realmente boas em aprender com os outros e, como os adultos s√£o t√£o propensos a mostrar √†s crian√ßas como o mundo funciona, as crian√ßas √†s vezes t√™m relativamente pouco espa√ßo para explorar por conta pr√≥pria”.

No entanto, se seu filho estiver com problemas, n√£o h√° problema em intervir e ajudar depois de tentar. A comunica√ß√£o ajuda a encontrar esse equil√≠brio, diz Santamaria. “Tudo depende da crian√ßa”, diz ela. “Se alguma modelagem precisar ser feita, tudo bem.”

Arte por Mary Kinsora