Amigos que s√£o familiares

Amigos que s√£o familiares

Amigos que s√£o familiares

WQuando muitas pessoas pensam na palavra fam√≠lia, pensam no paradigma tradicional de seus c√īnjuges, filhos, irm√£os, pais e assim por diante. Eles pensam nas pessoas que est√£o ligadas a eles por casamento ou sangue.

Mas a mãe de Clarkston, Nanette Greer, diz que esse é um modelo desatualizado.

“Eu tenho um irm√£o que mora a menos de uma hora com quem mal falo”, diz Greer, m√£e de dois filhos. ‚ÄúClaro, ele e eu compartilhamos pais, mas compartilhamos pouco mais. Minha fam√≠lia de verdade, as pessoas que incorporam esse esp√≠rito dessa palavra, s√£o alguns amigos queridos que tenho h√° anos. Essas s√£o as pessoas com quem me conecto, as que estariam l√° para mim em um belisc√£o. “

Greer diz que sua melhor amiga do ensino médio, Annette Hastings, é como uma irmã para ela. Ela conhece todas as suas histórias, segredos, boas e más características.

“Ela me conhece melhor do que meu marido, verdade seja dita e ele diria a mesma coisa”, diz Greer. “Ela e eu somos t√£o pr√≥ximos, ela significa muito para mim, que me incomoda que eu n√£o tenha um t√≠tulo melhor para ela. “Amigo” parece t√£o pequeno em compara√ß√£o com o que ela √© e “melhor amigo” parece infantil. Precisamos apresentar uma palavra melhor para amigos que s√£o da fam√≠lia. ‚ÄĚ

Tina B. Tessina, Ph.D., psicoterapeuta licenciada, concorda.

‚ÄúTrazer amigos para o c√≠rculo familiar √© apenas a vers√£o mais recente da antiga e extensa fam√≠lia‚ÄĚ, explica o autor de Dinheiro, sexo e crian√ßas: pare de brigar pelas tr√™s coisas que podem arruinar seu casamento. ‚ÄúOs seres humanos s√£o criaturas sociais; n√£o nos sa√≠mos bem isoladamente. “

Portanto, se você não tem um relacionamento próximo com sua família, eles moram longe, ou você simplesmente não tem família, os amigos podem suprir essa necessidade humana básica de um grupo unido para apoiar-se, rir com e compartilhe os altos e baixos da vida.

A família que você faz

‚ÄúO √ļltimo dia de a√ß√£o de gra√ßas foi um dos meus favoritos‚ÄĚ, lembra Julie Rose, m√£e de tr√™s filhos de Royal Oak, alguns anos atr√°s. Rose convidou alguns bons amigos e seus filhos para se juntar a ela em um banquete descontra√≠do.

“Todo mundo trouxe algo para compartilhar, ent√£o uma pessoa n√£o precisou fazer a coisa toda”, lembra Rose. O grupo de tr√™s fam√≠lias, com um total combinado de seis crian√ßas, sentou-se √† mesa do jantar, comendo, conversando e aproveitando o tempo juntos. Para Rose, que √© filha √ļnica e cujos pais s√£o falecidos, reunir-se com a “fam√≠lia” significa estar com as amigas.

Fazer da família um grupo de grandes amigos é algo que vem sendo feito há anos na comunidade gay, diz Frederick Barnes, da Royal Oak. Ele e seu parceiro, Jonathan Davies, estão juntos há quase 30 anos.

“Jon e eu nos tornamos p√°rias em nossas fam√≠lias quando sa√≠mos, e isso n√£o √© incomum”, diz Barnes. “Estamos entre muitas pessoas gays que criaram sua pr√≥pria fam√≠lia quando a pessoa em que nascemos nos deu as costas”.

Para Barnes, a família não é alguém com quem você compartilha sangue; é sobre o vínculo e o investimento de tempo e carinho.

“√Č como os pais biol√≥gicos”, diz ele. “Algu√©m pode gerar um filho, mas isso n√£o faz dele um pai. Algu√©m pode estar relacionado a mim, mas isso n√£o torna a pessoa familiar. H√° muito mais nisso.

Fazendo a conex√£o

Para Sarah Sopchak, da Novi, estar longe da família leva ela e o marido a se conectarem mais com os amigos.

“Passamos os √ļltimos cinco anos e meio viajando para a educa√ß√£o de meu marido em Nova York, Missouri, Ohio, Michigan”, diz Sopchak. ‚ÄúN√≥s fazemos novos amigos onde quer que vamos. Como nossas fam√≠lias n√£o est√£o aqui, precisamos que nossos amigos sejam como uma fam√≠lia! ‚ÄĚ

Vários anos atrás, quando Sopchak se mudou com o marido para uma pequena cidade de apenas 17.000 pessoas no Missouri, para que o marido pudesse cursar medicina, ela não sabia o que esperar. Sopchak descobriu que a cidade e a escola de medicina tinham uma rede interna de grupos aos quais estudantes e suas famílias podiam participar. Adicione a isso, ela fez amigos através do trabalho.

A variedade de amizades fez com que Sopchak se sentisse bem-vinda, embora n√£o tivesse fam√≠lia por perto. “Tivemos a sorte de fazer amigos de outras partes do pa√≠s e do mundo”, diz Sopchak. Tendo morado em tantos lugares, Sopchak observa que suas amigas foram inestim√°veis ‚Äč‚Äčpor outro motivo: “Elas s√£o realmente importantes quando se trata de um dia de mudan√ßa!”

Para Rose, m√£e solteira, sua rede de amigos se desenvolveu ao longo do tempo por meio de conex√Ķes com as atividades de seus filhos. Quando jovem, ela se juntou √† organiza√ß√£o de pais e professores e ajudou a trabalhar nas atividades da escola para poder conhecer melhor os outros pais.

Ela tem dois filhos no futebol, o que n√£o s√≥ mant√©m sua agenda cheia, mas tamb√©m garante que ela veja seus amigos (os pais dos colegas de equipe de seus filhos) regularmente. Rose ri quando revela outra fonte de amizades no Facebook. Nos √ļltimos anos, ela se reconectou aos colegas do ensino m√©dio e agora mant√©m contato regularmente.

Os amigos são melhores que a família?

Somos pré-condicionados a priorizar a família desde tenra idade, mas Tessina diz que, de muitas maneiras, os amigos são mais importantes para o bem-estar geral.

“Amigos podem ser objetivos”, diz Tessina. “Sua fam√≠lia o conhece desde que voc√™ usa fraldas, enquanto os amigos podem conhec√™-lo j√° na escola, mas √© mais prov√°vel que eles tenham conhecido voc√™ como adulto”. Por esses motivos, os membros da fam√≠lia tendem a fazer suposi√ß√Ķes sobre voc√™, sobre seu comportamento e suas escolhas. Tessina ressalta que essas suposi√ß√Ķes nem sempre s√£o precisas, mas s√£o baseadas no seu hist√≥rico compartilhado. Com os amigos, a hist√≥ria √© mais curta e geralmente menos complexa.

H√° um motivo mais √≥bvio, no entanto, que os amigos √†s vezes s√£o melhores em oferecer conselhos e dar o suporte que voc√™ os escolheu. “Se voc√™ pensar bem, se tiver algu√©m com quem n√£o se d√° bem, essa pessoa n√£o tende a acabar como sua amiga.” Mas com a fam√≠lia, voc√™ n√£o escolhe seus parentes.

“√Č o que eu gosto de chamar de ‘A grande loteria da vida'”, diz Tessina. ‚ÄúApenas pense, parece que todos n√≥s temos aquele parente que est√° sempre em reuni√Ķes, talvez ele beba um pouco demais, ele fique desagrad√°vel, mas ele faz parte da sua fam√≠lia, voc√™ n√£o pode se livrar dele. ” Um dos grandes benef√≠cios para a fam√≠lia, diz Tessina, era a suposi√ß√£o de que, mesmo nos casos em que voc√™ n√£o escolheria essa pessoa para fazer parte do seu cl√£, h√° uma lealdade, uma cren√ßa e uma obriga√ß√£o de estar l√° uma para a outra. em tempos dif√≠ceis.

“Com a fam√≠lia, voc√™ tem essa garantia normalmente, de qualquer maneira que sua fam√≠lia o aceite, n√£o importa o que esteja acontecendo e nem sempre √© o caso da amizade”, diz Tessina. “Mesmo com amigos √≠ntimos, ainda existe uma expectativa de que voc√™ tenha um bom comportamento.”

Embora a família de Barnes o tenha rejeitado, ele vê alguma verdade no que Tessina diz.

‚ÄúClaro, seus amigos da variedade do jardim n√£o v√£o ficar por perto e ajud√°-lo a pegar os peda√ßos da sua vida ou a limpar sua bunda quando estiver velho‚ÄĚ, ele diz, ‚Äúmas eu tenho amigos que suportaram me no meu pior e me ajudou no meu mais baixo. √Č assim que eu sei que eles n√£o s√£o apenas amigos, eles s√£o familiares ou o que consideramos fam√≠lia aquelas pessoas que se apegam a voc√™ por toda a parte. ‚ÄĚ

Misturando amigos e família

Bons amigos nem sempre substituem a família que está ausente ou distante. Às vezes eles são uma adição.

“Estou muito perto de meus pais e irm√£, sobrinhas e sobrinhos”, diz Derek Neal, de Detroit, “mas estou igualmente perto de meu melhor amigo e sua fam√≠lia. Ele √© meu filho, meu irm√£o de outra m√£e.

Neal diz que seu amigo, Andrew Marcus, participa de todas as suas reuni√Ķes de f√©rias e fam√≠lia, e todos o consideram um Neal.

“Ele √© um de n√≥s. Meus pais provavelmente o amam mais do que eu ‚ÄĚ, diz Neal.

Mas, às vezes, sua rede de amigos e parentes não é necessariamente uma passagem e férias podem apresentar uma situação complicada. Você pode ter bons amigos que gostaria de convidar para jantar, mas se sente obrigado a convidar todos os seus parentes. Talvez você esteja nervoso com a interação de todo o grupo. Talvez você não queira que o seu bom amigo e colega de clube de futebol escute falar sobre o tempo em que você se envergonhou de seu irmão na escola.

Tessina aconselha que, se voc√™ tentar ajudar seus amigos a conhecer sua fam√≠lia um pouco antes de um grande feriado, ou vice-versa, isso pode ajudar bastante a ter um evento mais bem-sucedido. Embora n√£o seja poss√≠vel fazer com que todos se encontrem anteriormente, Tessina recomenda que sua fam√≠lia saiba um pouco sobre seu amigo e por que ele √© importante para voc√™ antes do grande dia. “Voc√™ tamb√©m deve alistar a generosidade de sua fam√≠lia (sempre que poss√≠vel).” Conte tamb√©m aos seus amigos um pouco mais sobre sua fam√≠lia, para que eles tenham alguma id√©ia do que esperar.

Em vez de pensar que fam√≠lia e amigos n√£o necessariamente se misturam, Tessina oferece outra perspectiva: os amigos podem ajudar a melhorar seu relacionamento com sua fam√≠lia. “N√£o consigo imaginar minha vida sem meus amigos. Minhas amizades s√£o algumas das melhores coisas da minha vida ‚ÄĚ, diz ela. “Eu tenho um casamento maravilhoso, maravilhoso, mas se eu n√£o tivesse meus amigos para conversar e desabafar de vez em quando, n√£o acho que (meu casamento) seria t√£o forte.”

Para muitas famílias, reunir-se com parentes extensos, muitas vezes, mesmo em feriados, simplesmente não é uma possibilidade, seja por causa das despesas, horários conflitantes ou outros problemas. E, naqueles tempos, os amigos se tornam uma fonte inestimável de conexão.

Rose observa que muitas vezes ela n√£o conversa com seus amigos sem interrup√ß√Ķes. Mas t√™-los nas f√©rias oferecia-lhe tempo para realmente conversar e n√£o ter apenas uma conversa casual. Seus filhos tamb√©m tiveram a chance de conversar e brincar com os amigos. “Foi t√£o relaxante”, lembra Rose. “Al√©m disso, com os amigos, voc√™ sabe, n√£o h√° bagagem.”

Este post foi publicado originalmente em 2010 e foi atualizado para 2016.