Amamentei o bebê que adotei - e sou tão grata por

Amamentei o bebê que adotei Рe sou tão grata por

Amamentei o bebê que adotei - e sou tão grata por

Cortesia de Rachel Garlinghouse

Meu marido e eu adotamos quatro bebês em um período de oito anos. Muitas vezes, perguntaram-nos por que não tínhamos nossos próprios filhos, aos quais explico amorosamente que nossos filhos estamos nosso próprio. Optar por adotar foi a opção certa para nós após meu diagnóstico de doença auto-imune.

Alguns de nossos amigos mais pr√≥ximos e familiares me perguntaram se eu sentia falta da experi√™ncia de estar gr√°vida. Nunca senti um beb√™ chutar ou solu√ßar dentro de mim. Sem desejos no meio da noite, sem sonogramas, sem plano de parto. Eu nunca tive um estranho tocar meu est√īmago, me perguntar se s√£o g√™meos ou se eu pretendo descobrir o sexo do beb√™.

O resultado da gravidez e adoção são a mesma criança. Mas os processos são muito diferentes. Eu estava ok com isso. Bem, exceto por uma coisa.

Eu queria desesperadamente e secretamente amamentar.

Minha mãe amamentou eu e meus dois irmãos mais novos. E ela não estava sozinha. Cresci cercado por mães que amamentavam seus bebês sem coberturas Рofegam Рe sem debate. Não me lembro de uma tia, prima mais velha ou amiga de minhas mães que alimentaram seu bebê com uma mamadeira. Nenhum.

Agora, isso foi no tempo em que não houve guerras de mídia social sobre o leite materno versus a fórmula. Nem houve não foi alimentado é melhor retórica. Claro, algumas mães optaram por mamadeira, o que também foi bom. A pior coisa que poderia acontecer é Cheryl fofocar sobre a escolha de Dianes para alimentar o bebê com mamadeira.

Durante a espera de 14 meses do primeiro bebê, li muitos livros sobre adoção. Eu queria estar totalmente preparado. Um dia, quando eu estava visitando a biblioteca, me deparei com um livro chamado Amamentando o bebê adotado e a relação. Eu sabia que precisava dar uma olhada, mas fiquei com vergonha de o bibliotecário me julgar pela minha seleção. Eu era mãe no meu coração, mas não havia bebê.

Levei algumas viagens à biblioteca para ter coragem de conferir o livro. Quando cheguei em casa, eu o devorei de uma só vez. A informação era fascinante. Uma mulher que nunca esteve grávida ou deu à luz antes poderia amamentar se seguisse alguns protocolos específicos.

Visitei meu médico uma semana depois, ansioso para discutir com ela a possibilidade de substituir minha pílula anticoncepcional por uma adequada para induzir a lactação, além de descobrir como obter Domperidona. Ambos os medicamentos foram considerados necessários pelo protocolo de Newman-Goldfarb. Certos suplementos e bombeamento de acordo com o cronograma também eram necessários para produzir leite e sustentar um suprimento até que nosso bebê chegasse.

Quando expliquei minhas inten√ß√Ķes √† enfermeira, ela olhou para mim como se eu tivesse acabado de lhe dizer que um dia Donald Trump seria presidente. Sa√≠ da consulta sentindo-me desencorajado, mas n√£o queria desistir. Reli o livro da biblioteca, tomei mais notas e considerei minhas op√ß√Ķes.

Alguns meses depois, visitei meu endocrinologista para uma consulta de rotina. Compartilhei as emocionantes notícias que estávamos adotando e depois criei a enfermagem adotiva. Ela disse calmamente, eu não sabia que isso era possível e depois mudei de assunto. Saí de um segundo compromisso, desanimado e envergonhado.

Eu gostaria de ter tido a coragem de seguir minhas convic√ß√Ķes, mas estava prestes a ser uma m√£e nova e insegura de mim mesma. Al√©m disso, eu estava tentando navegar pelas complexidades da ado√ß√£o. Ap√≥s 14 meses de espera, recebemos a liga√ß√£o. Fomos escolhidos por uma m√£e biol√≥gica para adotar sua filha. Est√°vamos demais, corremos para a Target para comprar suprimentos e fomos buscar nossa filha.

Quando ela tinha um ano e meio, eu disse ao meu marido que estava pronta para adotar novamente. Sabíamos que a jornada poderia levar anos e não queríamos atrasar a procura de um irmão ou irmã para o nosso filho mais velho. Concluímos a papelada, entrevistamos a assistente social, fizemos uma aula de RCP e fizemos nossa inspeção residencial.

Eu brinquei com a idéia de amamentar novamente, mas então o inesperado e inédito aconteceu. Fomos selecionados para adotar uma segunda filha no nosso primeiro dia de espera. Não só fomos escolhidos, mas o bebê já nasceu. Mal tivemos tempo de embalar e notificar nossos empregadores, muito menos pensar em como alimentaríamos nosso bebê. Dentro de 24 horas após receber o telefonema de nossa assistente social, estávamos na estrada e viajando para pegar nossa menininha.

Como um relógio, quando nossas filhas tinham uma vez e meia e três e meia, eu sabia que deveríamos acrescentar à nossa família novamente. Repetimos o processo de estudo em casa e, em dois meses, fomos pareados com uma mãe grávida que estava grávida de sete meses de um menino.

Eu esperava que, com dois meses at√© a data de vencimento, eu tivesse tempo de me preparar para cuidar. Cheguei a alugar uma bomba de mama de um consultor local de lacta√ß√£o, estabelecendo um cronograma de bombeamento e comprando as ervas de que eu precisaria. Mas, devido a alguns atrasos, experimentamos as verifica√ß√Ķes necess√°rias de antecedentes e a exaustiva programa√ß√£o de bombeamento mam√°rio, que era a cada quatro horas, 24 horas por dia, quando eu desistia.

Agora havia alguma esperança. Id produzido com sucesso cai de um lado ao bombear. Fiquei agradavelmente surpreendido. Era possível que meu próximo bebê e eu pudéssemos ter um relacionamento de enfermagem?

Quando nosso filho chegou, assim como nossas filhas, nós o alimentamos com mamadeiras. Nossas mãos estavam muito cheias com três filhos menores de quatro anos. Saí do meu emprego de professor universitário e me tornei um SAHM em período integral.

Cortesia de Rachel Garlinghouse

Meu filho era um pacote fofinho de alegria. Embora houvesse momentos, como todos os bebês, em que ele se tornaria agitado e às vezes inconsolável. Durante os raros momentos em que éramos apenas ele e eu, passou pela minha cabeça que eu ainda podia cuidar dele.

A enfermagem adotiva vem de v√°rias formas. E, como Alyssa Schnell, autora de Amamenta√ß√£o sem Parto compartilhou, √© muito mais que leite. A enfermagem adotiva √© sobre o relacionamento entre pai e filho. As op√ß√Ķes incluem mamadeira, que est√° segurando a mamadeira contra a mama, para que os pais e o beb√™ fiquem pele a pele, bombeiam e depois mamadeira, usando um sistema de enfermagem suplementar, que √© um sistema de mamadeira e tubula√ß√£o conectado ao seio, e o conforto da amamenta√ß√£o tamb√©m conhecido como seco enfermagem.

Há muito tempo desisti de produzir um suprimento de leite completo ou parcial. O rigoroso cronograma de bombeamento era quase impossível com três crianças pequenas em casa, e eu não estava mais confortável tomando os dois medicamentos recomendados. Mas eu produzi algumas gotas com facilidade no curto espaço de tempo em que bombei. Então, por que não dar um giro?

Tentei amamentar meu filho algumas vezes antes que ele pegasse o jeito. A princípio, seriam apenas trinta segundos ou mais. Mas, com o passar das semanas, ele amamentou por vários minutos.

Eu sei que alguns se perguntaram por que eu me incomodei. Meu bebê recebeu a nutrição da fórmula na mamadeira. Eu não senti a mãe o suficiente para ele sem amamentar? Ou pior, eu estava interpretando alguma fantasia biológica da mãe porque não tinha dado à luz?

A resposta é simples. Eu escolhi amamentar meu filho porque era a hora certa e porque funcionava para nós dois. Nós amamentamos por um ano, e foi mágico.

Nunca esquecerei como seu corpo relaxou. Ele olhava para mim com seus profundos olhos castanhos, me conquistando com seu sorriso sonolento. Naqueles momentos, tudo estava sereno.

Quatro anos depois que meu filho nasceu, adotamos outra filha. Eu não poderia me esforçar novamente, e ela e eu não estabelecemos um relacionamento de enfermagem. Eu ansiava por isso, mas estava criando quatro filhos que, coletivamente, precisavam de muito tempo e atenção.

Apesar dos obst√°culos que enfrentei com o bombeamento, o tempo e os negativistas, estou t√£o agradecido por ouvir minha intui√ß√£o de mam√£e e cuidar do meu terceiro filho. Porque seis meses ap√≥s o nascimento do nosso quarto beb√™, eu fui diagnosticado com c√Ęncer de mama. Seis semanas ap√≥s meu diagn√≥stico, fiz uma mastectomia bilateral.

Faz dois anos desde a minha cirurgia, e eu ainda lamento a perda dos meus seios. Mas encontrei algum consolo nas lembranças que tenho querido Рaqueles momentos calmos em que balancei meu filho, seu corpo se encaixando perfeitamente nos meus braços.