Alerta COVID-19 para homens: seus testículos podem aumentar o risco de morte devido à infecção

COVID-19, homens e testículos

Estimativas do Ministério da Saúde e Bem-Estar Familiar sugerem que três quartos dos pacientes com COVID na Índia são homens. Segundo as estimativas do ministério, os homens respondem por 76% dos casos de COVID-19 na Índia, enquanto a taxa de mortalidade é ainda maior: 76%. Globalmente, mais homens estão perdendo suas vidas para COVID-19 do que mulheres. Segundo os relatórios da Organização Mundial da Saúde (OMS), a Europa testemunhou 68% de mortes por COVID-19 entre homens. Uma pesquisa do Instituto Superior de Saúde de Roma também revelou que 8% dos italianos hospitalizados por infecção por COVID-19 eram homens, enquanto que o número era de 5% para as mulheres. entre os italianos hospitalizados pelo novo coronavírus, 8% dos homens morreram em comparação com 5% das mulheres. De acordo com os relatórios do departamento de saúde da cidade de Nova York, existem 43 mortes por COVID-19 para cada 100.000 homens, em comparação com 23 para cada 100.000 mulheres. Mas qual é a razão por trás dessa diferença de gênero entre os pacientes com COVID-19? Um novo estudo constata que os testículos tornam os homens mais vulneráveis ​​a essa condição e aumentam sua taxa de mortalidade também. Leia também – O papel da inteligência artificial na atual pandemia de COVID-19

O QUE DIZ A PESQUISA?

Um estudo realizado por pesquisadores de Nova York e Mumbai descobriu recentemente que os testículos podem ser o ponto de acesso do novo coronavírus, permitindo que a infecção por COVID-19 permaneça mais tempo no sexo masculino. Quando esse vírus mortal entra no corpo, ele se liga a uma proteína chamada receptores ACE2, residindo principalmente em seus pulmões, coração e intestinos. Homens abrigam essa proteína em grandes quantidades em seus testículos, descobriram o estudo. No entanto, os receptores ACE2 foram encontrados em pequenas quantidades nos ovários das mulheres. Outra observação significativa do estudo: enquanto as participantes do estudo levaram quatro dias para se recuperar da infecção por COVID-19, os homens precisaram de seis dias para esclarecer a infecção. Isso é 50% a mais do que as mulheres. A idade média dos voluntários da pesquisa foi de 37 anos. No entanto, os especialistas variam de opinião sobre esse achado. Leia também – OMS retoma ensaio clínico de hidroxicloroquina em pacientes com COVID-19

OUTROS FATORES QUE ACOMPANHAM RISCOS COVID-19

Existem vários fatores que aumentam o risco de os homens contrairem a infecção por COVID-19, apresentando sintomas mais graves e até morte. As razões variam de genética e função imunológica a hábitos e comportamento. Leia também – Atualizações ao vivo do COVID-19: Casos na Índia aumentam para 2.16919 quando o número de mortos chega a 6.075

Genes e imunidade

O sistema imunológico de homens e mulheres é diferente e isso resulta em suas reações a uma ampla gama de infecções, incluindo o COVID-19. Uma grande diferença é que as mulheres carregam dois cromossomos X por célula, enquanto os homens têm um. Segundo especialistas, alguns genes imunes cruciais estão presentes no cromossomo X, sendo o mais importante o gene para uma proteína chamada TLR7. Ajuda na detecção de vírus de RNA de fita simples como o coronavírus. É por isso que a resposta imune das mulheres ao novo coronavírus é maior que os homens.

Tabagismo

O hábito de fumar é mais comum em homens que em mulheres, e pesquisas revelam que pode aumentar o risco de contrair a infecção por COVID-19. Como já mencionado, o novo coronavírus precisa de receptores ACE2 para se ligar, multiplicar e espalhar. Evidências preliminares sugerem que a fumaça do cigarro aumenta a população de receptores da ECA 2 nos pulmões. No entanto, esta é apenas uma hipótese até agora. Alguns estudos também descobriram que os fumantes têm níveis 30% mais altos de receptores ACE2 do que aqueles que deixaram de fumar.

É mais provável que os fumantes sejam vulneráveis ​​a uma transmissão corpo-a-boca do novo coronavírus, como ocorre entre os fumantes, observa a Organização Mundial da Saúde (OMS). O vírus pode entrar no sistema através dos lábios, através dos dedos contaminados e possivelmente também do cigarro. Os fumantes também podem já ter doença pulmonar ou capacidade pulmonar reduzida, o que aumentaria bastante o risco de doenças graves, diz a OMS.

Notavelmente, condições que aumentam a demanda de oxigênio do corpo e aumentam sua capacidade de usá-lo com eficiência podem aumentar o risco de qualquer condição pulmonar. COVID-19 é principalmente uma infecção pulmonar.

Padrões de higiene inadequados

Verificou-se que os homens são menos higiênicos que as mulheres. Eles são menos propensos a seguir os padrões de higiene e medidas de saneamento, como lavar as mãos.

Outros patógenos

Um estudo baseado na China revela que homens hospitalizados por COVID-19 são mais propensos a abrigar outras bactérias e vírus. Provavelmente, isso aumenta a gravidade dos sintomas de COVID-19 neles, aumentando também o risco de mortalidade.

Percepção de baixo risco

Uma pesquisa realizada nos EUA em março descobriu que os homens estavam muito menos preocupados com o COVID-19 do que as mulheres. A margem era algo entre 58 a 62%. Globalmente, evidências sugerem que os homens têm uma percepção de baixo risco no que diz respeito a problemas de saúde. É por isso que eles não seguem medidas de saúde preventivas. Especialistas são de opinião que, devido à baixa percepção de risco, os homens provavelmente se expuseram a multidões e não seguiram o distanciamento social em meio à pandemia do COVID-19. Isso aumenta o risco de contrair a infecção por COVID-19.

Publicado em: 23 de abril de 2020 14h59.