Ajudando as crianças diagnosticadas com autismo

Ajudando as crianças diagnosticadas com autismo

Ajudando as crianças diagnosticadas com autismo

PAs crian√ßas diagnosticadas com autismo devem investigar as op√ß√Ķes de interven√ß√£o oferecidas pelo Sistema de Sa√ļde Henry Ford. Juntamente com grupos de habilidades sociais e terapia fonoaudiol√≥gica, os especialistas de Henry Ford podem fornecer t√©cnicas de An√°lise Aplicada de Comportamento (ABA) para trabalhar com fam√≠lias que lidam com autismo.

Ajudar as crianças diagnosticadas com autismo a terem uma vida produtiva é o objetivo final do tratamento. Ver as crianças serem bem-sucedidas é a melhor parte do trabalho de Tiffany Smiecinski, analista de comportamento certificado pelo Conselho do Centro de Autismo e Deficiências do Desenvolvimento do Departamento de Pediatria de Henry Ford.

“N√£o h√° nada melhor do que ver o pai de uma crian√ßa n√£o vocal ficar com l√°grimas nos olhos ao entrar em uma sala e a crian√ßa diz ‘Oi, mam√£e!'”, Disse Smiecinski.

As habilidades de intera√ß√£o social e comunica√ß√£o geralmente s√£o prejudicadas com graus variados de severidade no autismo. O autismo √© considerado um “dist√ļrbio do espectro”, o que significa que afeta os indiv√≠duos de maneira diferente em uma ampla gama de comportamentos.

Smiecinski disse que os pais devem saber que h√° esperan√ßa para as crian√ßas diagnosticadas com autismo. “Existem tratamentos eficazes para crian√ßas com Dist√ļrbios do Espectro do Autismo, sendo a ABA uma delas”, disse ela.

Na d√©cada de 1960, analistas de comportamento come√ßaram a trabalhar com crian√ßas pequenas diagnosticadas com autismo e dist√ļrbios relacionados. Desde ent√£o, v√°rias t√©cnicas ABA foram desenvolvidas para desenvolver habilidades em crian√ßas com autismo de todas as idades.

“A ABA √© muito diferente agora do que h√° alguns anos atr√°s”, disse Smiecinski. “Existem v√°rios modelos novos que s√£o mais naturalistas, impedindo resultados” parecidos com rob√īs “.”

Essas t√©cnicas s√£o usadas em situa√ß√Ķes formais, como salas de aula e eventos cotidianos, como brincadeiras ou refei√ß√Ķes. As t√©cnicas ABA s√£o usadas para desenvolver habilidades b√°sicas, incluindo olhar, ouvir e imitar, al√©m de habilidades complexas, como ler e falar.

V√°rios estudos mostraram que t√©cnicas espec√≠ficas de ABA podem ajudar indiv√≠duos com autismo a aprender habilidades espec√≠ficas, como se comunicar, desenvolver relacionamentos, brincar, cuidar de si mesmos, aprender na escola, ter sucesso no trabalho e participar plenamente de atividades familiares e comunit√°rias. Os defensores da ABA dizem que √© simplesmente “bom ensino” e que as t√©cnicas n√£o s√£o apenas para crian√ßas com autismo.

¬ęA ABA trabalha com crian√ßas de todas as idades e n√≠veis de habilidade. Os resultados variam para cada crian√ßa, mas sempre haver√° progresso ‚ÄĚ, afirmou Smiecinski.

O autismo é diagnosticado em cerca de 1 em cada 100 crianças. O autismo é mais comum entre meninos do que meninas. Estima-se que 1 em cada 70 meninos é diagnosticado com autismo nos Estados Unidos.

Embora n√£o haja um teste para o autismo, os m√©dicos analisam os sintomas e o comportamento ao fazer um diagn√≥stico. Os sintomas podem aparecer nos primeiros meses de vida. O autismo geralmente aparece durante os tr√™s primeiros anos de vida e afeta o funcionamento do c√©rebro. √Äs vezes, o autismo pode ser diagnosticado depois dos 3 anos de idade, geralmente em rela√ß√£o √† aprendizagem, dificuldades sociais ou emocionais. Se voc√™ acha que pode haver um problema com a maneira como seu filho brinca, aprende, fala ou age, entre em contato com o m√©dico do seu filho para discutir suas preocupa√ß√Ķes.

Para marcar uma consulta no Centro de Autismo e Defici√™ncias do Desenvolvimento de Henry Ford, ligue para 313-916-4665 ou envie um e-mail para [email protected]